Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Emoções básicas (43)

por Luís Naves, em 19.01.09

Em vários posts publicados em Blasfémias, mais recentemente neste post de Helena Matos, sobre o que se define como "catastrofismo ambiental", são insinuadas críticas às notícias sobre alterações climáticas, como se estas fossem fantasia ou exageradas. Penso que estes autores estão a cair num equívoco.

 

A política energética faz parte da política externa das grandes nações. As sociedades industriais contemporâneas precisam de energia barata para se sustentarem. Percebendo estes factos, os críticos da tese das alterações climáticas partem do pressuposto de que as notícias são alarmistas e de que na realidade esta é uma questão política, tipo esquerda-direita. Quem defende a ideia está à esquerda, quem ataca afirma-se de direita.

 

Parafraseando Charles de Talleyrand, pior do que um crime isto é um erro. Não estamos perante uma questão política, mas de sobrevivência da espécie humana.

O aumento do teor de dióxido de carbono na atmosfera é um facto, não é uma teoria. A diminuição das calotes polares (pelo menos no hemisfério norte) é um facto, não é uma teoria. Mais grave: podemos estar a atingir pontos de não retorno.

Os cientistas não mencionam aquecimento global, mas sim alterações climáticas. O sistema de clima do planeta é tão complexo, que em algumas regiões, por exemplo na Europa, pode haver arrefecimento. Globalmente, as temperaturas médias vão aumentar (o dióxido de carbono absorve mais energia solar e entretanto está a subir o nível de metano, um gás ainda mais perigoso). O principal efeito será o de maior número de fenómenos extremos, sobretudo secas, inundações e tempestades.

A ciência usa modelos que tentam antecipar a evolução dos acontecimentos. Esses modelos não têm toda a informação, por isso dão origem a probabilidades, não são necessariamente uma antevisão do futuro. Mas ignorá-los é disparate.

A informação que Helena Matos tenta desvalorizar é intuitiva. Num cenário de alterações climáticas, ao longo deste século, haverá perturbações na produção alimentar. Este sim, é um fenómeno com potencial para ter graves consequências políticas. Fomes generalizadas, escassez localizada, deslocamento de populações, perturbação de preços, guerras civis. Estas não são questões de esquerda-direita.

 

A estratégia de sobrevivência da espécie humana tem sido a de usar a sua inteligência para se adaptar rapidamente a alterações no meio ambiente. Nada garante que seja uma estratégia melhor do que a dos dinossauros, que não se surpreenderam com a sua extinção.

 

 



Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • voza0db

    O Roque preocupado com o que se passa na China é m...

  • Anónimo

    https://www.publico.pt/2020/01/27/mundo/noticia/ch...

  • Vasco M. Barreto

    Caríssimo, Tendo em conta que passa a vida a escre...

  • Anónimo

    Ignorância, estupidez e dor-de-corno, deve ser a l...

  • Anónimo

    u já venho a escrever há muitos dias que após Hong...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2006
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D


    subscrever feeds