Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Emoções básicas (41)

por Luís Naves, em 08.01.09

Paixões

A discussão que o Tiago Moreira Ramalho e o João Tordo tentaram iniciar aqui nos últimos dias, sobre a monarquia, originou comentários irados. É interessante como este sistema de governação que serviu durante séculos mas que não possui actualidade suscita tais emoções na blogosfera portuguesa. A monarquia terá no máximo interesse histórico. Por mim, acho mais importante falar do futuro.

 

Por exemplo, a república americana criou um sistema peculiar que assegura aos EUA um domínio internacional sustentável. A grande vantagem parece-me ser a sua adaptabilidade, mas há outros elementos, como a livre expressão, o reflexo anti-aristocrático, a renovação das elites. A América mantém-se dominante desde 1945, apesar da recente ascensão de rivais; mas estas potências emergentes, como a China comunista (ou de mandarinato), são ao mesmo tempo vulneráveis a crises. Por outro lado, na hora da saída do 43º presidente americano, é interessante observar como estes oito anos de unilateralismo da era George W. Bush não passaram de ilusão. Os EUA ganham em desenvolver as alianças do tempo da Guerra Fria. Barack Obama, provavelmente, quererá reforçar as relações com a Europa e Japão.

 

Na Europa está a surgir uma nova forma de fazer política, baseada na negociação permanente (alguns diriam excessiva) e numa complexa rede de relações entre órgãos que se complementam. É um work in progress que não se parece com mais nada. Claro, as nações continuam a dominar o sistema, mas é interessante ver como a presidência europeia de um país de pequeno porte, como a República Checa, pode causar tantos estragos. Ora, isto é uma vantagem da UE, não é um defeito.

 

É curioso ver como a Rússia de Vladimir Putin tem tão poucos críticos na blogosfera, em comparação à América ou à Europa (onde há democracias). Como prova a questão georgiana ou a do gás ucraniano, as acções de Moscovo são explicadas pela perda de parte do império, no final da Guerra Fria. Hoje, a Rússia tenta condicionar as antigas colónias e recuperou um sistema (no papel, uma república) que se assemelha em muito à hierarquia czarista. Ou seja, Putin é uma espécie de Napoleão, usando a república para reconstituir o império.

 

Há um outro sistema em competição, o teocrático, muito em voga em países muçulmanos onde os militantes fundamentalistas afastam os moderados. Também é interessante ver como autores da nossa blogosfera chutam para canto este interessante grupo do Islão político, que não negoceia, por ter sempre a razão divina do seu lado. A vitimização faz sempre parte da estratégia de poder. Estes também se enganaram no século, mas com mais cinismo do que os imperialistas.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)



25 comentários

Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 09.01.2009 às 17:30

Exactamente, meus caros. Confirmam o que sempre pensei: a república não passa de um bonapartismo mais ou menos assumido. Nuns casos perene, noutros, renovado de cinco em cinco anos. E desde já vos digo que não invejo nada o "american way of life".

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Salva qualquer um com magros resultados no balanço...

  • Anónimo

    o pescador é um predadoranualmente são lançadas no...

  • Anónimo

    os seres humanos anteriores à agricultura morriam ...

  • António

    A I.L. pode não ter amarras, mas tem tiques. Não f...

  • Anónimo

    Não havendo escrúpulos,sem atenção à diversidade d...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2008
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2007
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2006
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D