Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Alçada Baptista: in memoriam

por Pedro Correia, em 08.12.08

Muitos já não se lembram, outros nunca souberam, mas António Alçada Baptista foi no seu tempo um dos colunistas de maior sucesso na imprensa portuguesa. As suas crónicas, em jornais como o Diário Popular, eram lidas e citadas com imenso interesse. Havia nele uma genuína abertura às mais diversas áreas do saber e desprendia-se um toque cosmopolita dos seus escritos, suavemente confessionais, que lhe permitia estabelecer profundos elos de cumplicidade com as mais diversas camadas de leitores. Alçada, um beirão da Covilhã transplantado para Lisboa, gostava de estabelecer pontes - entre pessoas, entre ideologias, entre crenças, entre continentes. Tendo por base a fé cristã, o personalismo de Mounier, os valores da lusofonia e sobretudo o culto da amizade.

Habituei-me desde muito novo a conviver com a prosa ágil de Alçada e a admirar-lhe o talento de pintor de quadros humanos em letra de imprensa. Gostava também de um certo tom humilde da sua escrita, longe das certezas categóricas dos pregoeiros de ilusões. Era um homem que gostava de reflectir sobre a política, a cultura, o quotidiano. Não se importava de exprimir dúvidas e inquietações num país onde demasiada gente cultiva o espírito de trincheira. E era sobretudo um homem de cultura, num sentido muito lato, que não se limitava a perscrutrar o mundo, mas se envolvia nele e procurava torná-lo um pouco melhor. Por isso fundou uma revista como O Tempo e o Modo e uma editora fulcral como foi a Moraes. Aí saíram os seus livros mais importantes: Conversas com Marcello Caetano (muito incompreendido à época), O Tempo nas Palavras e sobretudo a fulgurante Peregrinação Interior, em dois volumes, um dos melhores roteiros intelectuais que a sua geração legou à posteridade.

Mais tarde viria a cultivar a ficção - faceta literária que nele nunca me interessou - e o texto memorialista, mostrando-se exímio na arte de contar histórias com personagens de carne e osso. Logo ele, que parecia conhecer toda a gente e não ter um só inimigo.

Vi-o pela última vez há cerca de dois anos, já muito alquebrado, à porta de sua casa, na zona de São Bento. Lembro-me de ter pensado, logo aí, que ficaria para sempre adiado o projecto de lhe fazer uma longa entrevista em que discorresse sobre o tempo em que viveu e o lugar que lhe coube em sorte. Ficou-me de lição: estes projectos nunca devem ser adiados. Alçada Baptista acaba de morrer, aos 81 anos. Em jeito de homenagem, vou regressar às páginas da Pegerinação Interior, essa obra hoje tão esquecida que me ajudou a incutir o gosto de pensar.



7 comentários

Sem imagem de perfil

De J.C. a 08.12.2008 às 06:14

Assino por baixo. Escritor e editor? Sim. E pensador, também. Não só no sentido de quem sabe pensar, que já não é coisa pouca, mas na senda dos que sabem comunicar e discorrer sobre linhas de pensamento próprio, que são escassos.
Imagem de perfil

De João Villalobos a 08.12.2008 às 10:48

Só agora li o teu comentário abaixo e o post. Acho que o Alçada merece bem uma homenagem a dobrar ou mais ainda :) Abraço.
Imagem de perfil

De Ana Gabriela A. S. Fernandes a 08.12.2008 às 18:50

Pedro
Ainda há pouco tempo o meu pai me trouxe um livro de Alçada Baptista: "A pesca à linha - algumas memórias". E contou-me várias histórias que ele imortalizou nas suas crónicas, de personagens reais da Covilhã. Hoje, ao ler o seu post, deu-me a sensação de estarmos no fim de uma época, em que a inteligência e a erudição estavam ligadas a uma grande amabilidade e tolerância. E a uma ironia deliciosa. Por isso me agradou tanto!
Cumprimentos
Ana
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 08.12.2008 às 22:57

Obrigado, Ana. Também gostei muito desse livro já crepuscular do Alçada, escrito com uma leveza e uma ternura que eram marcas inconfundíveis dele.
Sem imagem de perfil

De Torquato da Luz a 08.12.2008 às 20:48

Excelente post sobre o meu vizinho António. Lamentavelmente, nunca mais nos vamos encontrar aqui na rua e trocar dois dedos de conversa.
Obrigado pelas justas palavras, Pedro Correia.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 08.12.2008 às 22:57

Muito obrigado eu, meu caro. É um privilégio contá-lo entre os nossos leitores.
Sem imagem de perfil

De Sandra Moreira da Silva a 09.12.2008 às 03:45

Relembro o delicioso "Catarina ou o sabor da maçã" e a capacidade inexcedível de nos transportar para a cena, como se estivessemos realmente a ver e sentir o quadro que descreve.
É incrível como nos provoca a identificação com os personagens, com uma situação, ou um simples diálogo. Como que se nos sentíssemos "culpados" pela falibilidade humana, pela mediocridade do preconceito, enfim... pela não assunção das nossas emoções.
A sensualidade subtil da escrita em português...

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Boa noite ,porque será que vejo cada vez mais gent...

  • Costa

    É um cenário bem plausível, de facto. A repugnante...

  • António

    Eu também acho que o Costa dará à sola assim que p...

  • Anónimo

    Para o cumprimentar, Vasco Silveira. Não só foi cl...

  • Anónimo

    Muito bem. Sóbrio.ao


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2006
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D