Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Emoções básicas (38)

por Luís Naves, em 04.12.08

 

A angústia do guarda-redes

Sempre me surpreendeu a insistência deste blogue em relação aos problemas internos do PSD, um verdadeiro existencialismo crítico sobre a angústia do guarda-redes à beira do frango. Este é um comentário que parte das opiniões de pessoas que sabem muito mais do que eu de política, mas penso que foram aqui publicados posts que revelam o que me parecem ser erros de análise. Mais abaixo neste blogue, o Francisco menciona Sá Carneiro, não acrescentando as dificuldades que este teve em conquistar um partido já na altura difícil de controlar. O Pedro considera uma trapalhada a saída de uma pessoa que ocupava um cargo desconhecido e cujo nome nada diz ao comum dos eleitores. (Mas não é no gabinete de estudos que está o poder, não é verdade?).

 

A culpa do herdeiro

A teoria de que há facções no partido que preferem a derrota eleitoral para depois conquistarem o poder no interior da formação parece-me delirante. Só se houver muitos psicopatas políticos à solta, pois abdicar de ser poder para depois reinar sobre cinzas é uma ideia abstrusa, sem interesse para um político sério e que pense no País antes de meditar sobre a sua extraordinária carreira. (Mas nas boas histórias de Agatha Christie o herdeiro costuma ser o criminoso, por isso não excluo a possibilidade da teoria ser verdadeira).

Também há quem afirme que o PSD é constituído por “vários partidos”, mas isso parece-me verdade para o PS e para a UMP francesa, para os conservadores britânicos e a CDU/CSU alemã, enfim, o argumento é válido para cada um dos grandes partidos europeus, que continuam a existir alegremente.

 

Tentando simplificar

Acho que nestes debates os autores gostam de complicar, esquecendo dados simples.

Das eleições de Outubro sairá um governo dominado pelo PS ou pelo PSD ou por ambos. Não há fuga a este axioma.

Em segundo lugar, os votos não esticam. Nas três últimas legislativas, o chamado bloco central conseguiu em redor de 4,2 milhões de votos. É um número relativamente estável. Mas em 2005 o PS conseguiu conquistar abstencionistas que presumivelmente não voltarão às urnas num cenário mais sombrio: a participação subiu dos tradicionais 61% para 64% e os socialistas somaram 2,6 milhões. Isso não irá repetir-se: o PS arrisca-se a perder, de uma só vez, estes 300 mil votos de pessoas que foram votar naquela ocasião por terem esperança numa determinada solução política.

 

O limite de Guterres

Em 1999, quando a economia portuguesa crescia quase 4% e o desemprego era reduzido, António Guterres ficou aquém dos 2,4 milhões de votos, falhando por muito pouco a maioria absoluta.

Por outro lado, o PSD enfrentou as eleições de 2005 em dificuldades, com um Governo desacreditado e uma oposição que apresentava um candidato a primeiro-ministro que parecia ter o discurso certo, prometendo fazer reformas estruturais e não subir impostos. Resultado, o pior de sempre para o PSD, com 1,65 milhões de votos.

Quatro anos mais tarde, o País não saiu da cepa torta. Divergência crónica com a Europa e promessas na gaveta. O desemprego aumenta depressa e o pior da crise ainda nem chegou. Dentro de um ano, a situação económica será bem pior do que a actual.  Pergunto: como é que Sócrates conseguirá chegar a 2,4 milhões de votos e ao limiar da maioria absoluta? Por outro lado, parece-me plausível admitir que o maior partido da oposição, no mínimo, iguale o resultado de 2005.

Quem fala em renovação da maioria absoluta está a esquecer o descontentamento de partes da opinião pública e o previsível aumento de conflitos como o dos professores, que terá ultrapassado o ponto de não retorno. 

 

O flanco esquerdo

As contas complicam-se se incluirmos os partidos à esquerda. Esta área vai crescer, e à custa do PS. O Bloco e o PCP somaram 800 mil votos em 2005 e este valor deverá aumentar, sobretudo num contexto de crise profunda. Nas presidenciais de 2006, Manuel Alegre atingiu 1,2 milhões de votos, dividindo o PS, e mesmo assim a soma de Louçã e Jerónimo foi de 750 mil.

Neste ponto, há dois cenários: se Alegre se mantiver no PS (como julgo irá acontecer), a transferência de votos para a esquerda será limitada. (Estamos a falar de 100 mil votos?). Mas, se ocorrer uma ruptura no PS, o caso é bem mais grave. Podemos estar a falar de 200 mil ou mais votos e de um PS pouco acima dos 2 milhões (38%).

Tudo se torna ainda mais complicado quando levamos em consideração que primeiro haverá eleições europeias, onde é habitual o voto de protesto.

Em resumo, nos meses que precedem as legislativas, a diferença entre os dois maiores partidos será bem menor do que a actual, com o PS abaixo dos 40% e o PSD acima dos 30%.

 

Comentário final:

Não sou adepto de Ferreira Leite nem especialista neste tipo de análises. Sou um observador externo e nem conheço dirigentes do PSD. Posso estar tremendamente errado na minha opinião, mas parece-me que MLF não pode dar um espirro sem ser criticada por isso. Por outro lado, torna-se cada vez mais provável o cenário da actual líder do PSD a disputar legislativas e que um dos resultados possíveis dessas eleições será o de grande coligação entre PS e PSD.

Na equação das próximas legislativas, todos percebemos a importância da incógnita sobre a liderança do PSD e das suas personalidades, mas julgo potencialmente mais decisivos os efeitos da crise económica e a atitude de Manuel Alegre, dois factores potencialmente desfavoráveis para o PS.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)



7 comentários

Sem imagem de perfil

De Último dos Anónimos a 04.12.2008 às 16:58

Eu também não percebo a insistência deste blog nos problemas (que nem existem) no maior partido da oposição.

E depois é só este blog, em mais nenhum lado se descortinam nem se abordam esses tais problemas.

A D. Manuela está a ter uma liderança muito auspiciosa, as sondagens demonstram-no, lá no partido está tudo contente e mobilizado, já todos sabem que daqui a um ano, mais coisa menos coisa, ela será primeira-ministra.

Realmente, há coisas que não dá mesmo para entender.
Imagem de perfil

De Luís Naves a 04.12.2008 às 19:24

compreendo a ironia, talvez eu seja demasiado ingénuo ao achar que daqui a um ano não se pode aplicar a lógica deste exacto instante...
Imagem de perfil

De João Villalobos a 04.12.2008 às 18:54

Excelente análise!
Imagem de perfil

De Luís Naves a 04.12.2008 às 19:24

agradeço o teu comentário, joão
Sem imagem de perfil

De J.C. a 04.12.2008 às 20:46

Aquilo que me chamou mais a atenção no texto, meu caro, foi um subtítulo: «Tentando simplificar». Mas depois percebi que a coisa ainda nem ia a meio...
Imagem de perfil

De J.M. Coutinho Ribeiro a 04.12.2008 às 21:59

Sim. Convenhámos que a saída de cena do tal senhor e a forma como foi explicada e desmentida,veio dar mais um ar de credibilidade à esta liderança credível do PSD.
E convenhámos também que falar sobre os problemas internos do maior partido da oposição não é coisa que se faça. Sobretudo depois que os populistas sem credibilidade, Santana e Menezes, sairam de cena.
A liderança tem montes de credibilidade, logo, não se deve falar nos piquenos acidentes de percurso.
Imagem de perfil

De Luís Naves a 06.12.2008 às 15:37

agradeço os vossos comentários

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Bola novinarka a spisovatelka neschopna n a pisala...

  • Anónimo

    Ó génio, isso chama-se eleições ;)

  • Anónimo

    A representatividade é inexistente. Voto sim, mas ...

  • Anónimo

    E que tal mudar de políticos ?

  • Anónimo

    Esse jornal, o Expresso, ou traz poesia ou noticia...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2008
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2007
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2006
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D