Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Emoções básicas (37)

por Luís Naves, em 02.12.08

 

A moda

Está na moda criticar o jornalismo (veja-se este texto, um exemplo entre muitos).

Hoje, os media são julgados na praça pública, mas a história é sempre igual: não transmitiram a mensagem que pretendíamos transmitir.

O congresso do PCP, outro exemplo, não teve destaque nas primeiras páginas de jornais. (E logo o PCP a queixar-se, um partido com excelente imprensa, como se diz agora, que nunca vê serem discutidas as minúcias absurdas dos seus documentos; um partido cujas referências internacionais são ditaduras totalitárias, sendo que isso é notícia dada sempre ao de leve, com pinças).

Vi na televisão, transmitida de forma positiva, a intervenção de Odete Santos no congresso comunista. A frase era algo do género “cantaremos quando o capitalismo acabar”. Imaginem, o capitalismo a acabar, todos nós desempregados e falidos, em grandes cantorias...

 

Delírios

A Imprensa é tendenciosa se não transmitir as tiradas mais tontas, por exemplo, nas questões europeias. Qualquer coisa que se escreva minimamente favorável à União Europeia é imediatamente descartada por certas mentes, que desprezam a UE sem nunca tirarem as conclusões devidas. Por exemplo: que tal sairmos dela?

Quem obriga o senhor Vaclav Klaus a ficar na UE? Os argumentos que apresenta, num documento ao Tribunal Constitucional do seu país, são delirantes. Ponho em caixa alta, para se perceber melhor: DELIRANTES. O blogue onde li a referência esqueceu-se de acrescentar que o Tribunal Constitucional checo rejeitou os argumentos do presidente, mas diz que os argumentos são óptimos. Também não refere que Klaus ainda por cima está a causar todo o tipo de caldinhos ao seu próprio partido, que não foi eleito directamente e não dispõe dos mesmos poderes que o Governo, excepto os de bloqueio, que usa a granel. Enfim, mas quando os jornalistas não dizem coisas assim importantes são sempre sectários.

 

O caso Palin

Li esta deliciosa história sobre Sarah Palin graças ao excelente blogue de José Gomes André. Lembro-me deste episódio ter sido notícia em todo o lado, incluindo blogues que deviam repensar as coisas que escreveram sobre a candidata a vice-presidente.

Hoje, o tratamento da informação lembra um pouco a física quântica. O observador altera os dados que observa (veja-se o que faz uma câmara de TV no meio de uma multidão), existe uma incerteza crescente nas fontes e menos tempo para tratar os dados disponíveis. É tudo demasiado rápido e, na internet, podem ler-se muitas informações pouco fidedignas ou até mentirosas. A necessidade de bater a competição reduz o tempo da análise.

A realidade é um terreno pantanoso e escorregar nela não é equivalente a manipular ou definir a agenda da sociedade.



8 comentários

Sem imagem de perfil

De Nuno Santos a 02.12.2008 às 21:52

Isso é verdade. É uma moda criticar o jornalismo. Não leva a lado nenhum e não convence ninguém. Mas acaba por colher alguma simpatia, porque, na verdade, a falta de rigor do jornalismo acaba por descredibilizar o bom que se faz nesta área em Portugal. Escrevo bastante sobre isso no meu livro http://avarinhamagicadevalentimloureiro.blogspot.com/
Sem imagem de perfil

De Ribeiro a 02.12.2008 às 21:59

Tudo muito bem dito e muito certo, se não houvesse as vozes do dono todos os dias a escrever, mailos títulos e fotografias e as agências de comunicação por trás ou não é bem assim??
E a investigação jornalística, tirando as honrosas excepções que levam logo com artilharia toda, é hoje o quê?
Imagem de perfil

De José Manuel Faria a 02.12.2008 às 22:16

"Suspeita-se de campanhas organizadas, mas talvez não seja manipulação política, até porque o PS já sofreu o mesmo tratamento. A regra da imprensa é que "mais vale cair em graça que ser engraçado". O Bloco de Esquerda é sempre fresco e interessante, por muitos chavões bafientos que repita, enquanto PCP e PP são desprezados, por vezes sem disfarce. A culpa disto é em boa medida dos sujeitos, mas os mensageiros não são neutros".

Isto é mentira. O BE não é beneficiado, antes pelo contrário. Veja-se as estatísticas.

A SIC - N deu imensos directos do campo pequeno.

A última convenção do BE foi desprezada, como será a próxima.
Sem imagem de perfil

De Anti a 02.12.2008 às 23:00

Sobre a parte da "Moda":

"...Está na moda criticar o jornalismo (veja-se este texto, um exemplo entre muitos).
Hoje, os media são julgados na praça pública...".

Sobre isto, dizer aquilo que muitos, quase todos os jornalistas gostam de aplicar por exemplo a Santana Lopes. Teoria da vitimização? Mas porquê? Estarão os senhores jornalistas acima do escrutínio público?
Dizer igualmente que nesta quase pocilga de valores e comportamentos em que vivemos, quereriam os senhores jornalistas passar entre os pingos da chuva? Mas porquê?
Como tudo na vida e sendo um lugar-comum afirmar, que há os bons e os maus jornalistas, acredito que a maior parte até são bons. Basta no entanto algumas ovelhas ranhosas em lugares chave para manchar uma classe. Já estou como o outro, está na altura da boa moeda aparecer...

Sobre jornalismo, um exemplo. Hoje Jornal da noite SIC. Ainda não estava gasta a primeira meia-hora, eis que somos brindados com uma notícia fantástica e absolutamente decisiva para a sobrevivência do país. Sócrates, o 6º homem mais elegante do mundo. Vá lá que não foi notícia de abertura, foi aos 25 minutos...

Cumprimentos
Sem imagem de perfil

De Peter a 02.12.2008 às 23:38

Para já o jornalismo hoje em dia é a voz do dono, independência e isenção não existe, aliás este post fica logo bem patente a isenção que alguns detém. E depois como diz o Cebrian no seu livro " Cartas a um jovem jornalista " , o jornalistas gostam muito de criticar e alguns até se julgam deuses e senhores da verdade suprema, mas quando são criticados não gostam nada e fazem birra. O que eu tenho mais pena isso sim é dos estagiários que são hiper-explorados. Agora jornalismo e jornalistas sérios há muito poucos.
O sketch dos gatos fedorentos sobre os jornalistas há cerca de 1 ano diz tudo, a brincar, mas diz.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 03.12.2008 às 00:04

Tens razão, nomeadamente quando sublinhas isto: "Vi na televisão, transmitida de forma positiva, a intervenção de Odete Santos no congresso comunista. A frase era algo do género “cantaremos quando o capitalismo acabar”. Imaginem, o capitalismo a acabar, todos nós desempregados e falidos, em grandes cantorias..."
Sem imagem de perfil

De hajapachorra a 04.12.2008 às 02:23

É possível que, sendo vós uns pexinhos tão pequenos, haveis de ser as roncas do mar? Medi-vos, e logo vereis quam pouco fundamento tendes de brasonar, nem roncar.
Imagem de perfil

De Luís Naves a 04.12.2008 às 17:20

agradeço todos estes comentários

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Ana ☯

    Somos livres de sentir. Por enquanto, somos livres...

  • Ana ☯

    Dona Isabel, espero que a parte dos “idiotas úteis...

  • Anónimo

    Muito bom. Saber, pensar, é delicada porcelana. Bl...

  • marina

    bom ,  o lado positivo desta alucinação covid...

  • pitwo

    HPS, Vá lá... querendo eu significar quer 'tenha p...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2006
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D