Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Emoções básicas (34)

por Luís Naves, em 14.11.08

 

A cimeira

Este fim-de-semana, as grandes potências vão começar a discutir com as mais pequenas a reforma do sistema financeiro mundial. Ninguém parece esperar muito da cimeira do G20, em Washington, embora se fale num processo que levará a um novo Bretton Woods. Em tudo isto, está a ser dispensada muita atenção ao que dizem os americanos, representados por uma administração Bush que falhou em toda a linha. E, ao mesmo tempo, analistas (quer da esquerda, quer da direita) estão a passar ao lado da mudança em curso na Europa. Esta já é visível e tem grandes implicações.

 

Os europeus

A União Europeia é talvez a zona do mundo que tem mais a perder nesta crise. Os países exportadores, como a Alemanha, dependem das suas vendas de material sofisticado e caro. A quebra de consumo no mercado americano será terrível para estas indústrias exportadoras. A Alemanha é também a locomotiva da economia europeia, pelo que uma travagem abrupta pode ter graves consequências para todos os outros. Em países mais frágeis, como Portugal (que atravessou um longo período de quase estagnação) estas notícias são muito preocupantes.

A meu ver, os comentadores de esquerda, na blogosfera e jornais, sublinharam em excesso o papel de Gordon Brown na crise financeira, esquecendo que em Londres está o maior mercado financeiro europeu (portanto, ele tinha de agir) e que o Reino Unido está fora da zona euro, ou seja, não é um centro do poder relevante no que se vai seguir.

Na actual crise e nas suas consequências futuras, os dois líderes mais activos são ambos conservadores: Angela Merkel e sobretudo Nicolas Sarkozy. Pode até dizer-se que, na ausência da Casa Branca, esta dupla está a liderar a resposta internacional à crise (e penso que isso será visível em Washington).

Mas a ideologia cria poderosas narrativas e é difícil contrariar a lenda de que Gordon Brown está no leme.

 

Novo modelo

O que têm feito os europeus? Têm tentado construir uma gigantesca zona de comércio livre, com ampla justiça social e regras ambientais exigentes; esta zona possui uma moeda estável, inflação baixa e padrões laborais elevados; (nos países onde é mais fácil despedir, é também mais fácil reconverter trabalhadores). As sociedades europeias são bastante igualitárias, sem as desigualdades que caracterizam o modelo americano de capitalismo, que provavelmente se irá aproximar do europeu ao longo da próxima década.

Infelizmente, esta crise apanhou a União Europeia sem novo tratado, que facilitaria o ataque aos problemas. Os que aplaudiram o “não” irlandês ao Tratado de Lisboa deviam pensar nas consequências imprevistas daquela votação. Esta é uma vertente pouco compreendida em Portugal: as actuais instituições são demasiado complexas e o processo de decisão da UE possui limitações que facilitam bloqueios irresponsáveis. Na actual conjuntura, há grandes restrições à liderança política.

 

Governo económico

Para onde vão Merkel e Sarkozy, caso consigam ultrapassar este obstáculo? A resposta a esta pergunta é mais especulativa, mas penso que está à vista o famoso “governo económico” que Paris tem defendido e que a Alemanha rejeitou sempre, para não colocar em causa a independência do Banco Central Europeu. Só que o problema crucial dos próximos anos deixou de ser a inflação e passou a ser o crescimento económico e o desemprego. Esta crise pode durar uma década (isso aconteceu com o Japão) e dentro de alguns anos podemos lembrar com saudade o tempo em que havia crescimento de 2% na economia da UE.

O euro será um dos pilares da recuperação internacional, mas este hipotético “governo económico” terá poderes sobrepostos ao BCE e à Comissão Europeia. Esta última tenderá para maior irrelevância. A prioridade da UE passa a ser o combate aos efeitos do desemprego, o que exigirá dinheiro, retirado de áreas cada vez menos importantes, como a agricultura.

Os líderes terão de encontrar uma solução para o novo Tratado e, durante algum tempo, haverá tendência para directório das grandes potências. Haverá muitas reuniões de emergência, só com três ou quatro.

Com energia cara e dispendiosas ambições ambientais, talvez a questão do aquecimento global passe para segundo plano, o que será trágico.



2 comentários

Sem imagem de perfil

De Lilian a 14.11.2008 às 14:21

Dica de leitura...Textos ácidos e sarcásticos, pra quem quer ficar por dentro dos assuntos políticos e dos últimos acontecimentos de forma leve.


www.mosaicodelama.blogspot.com

Boa leitura!


* This blog can be translated to any language*
Sem imagem de perfil

De Ana Pereira a 14.11.2008 às 18:14

Pouco ou nada se pode esperar desta cimeira neste momento.Que compromissos e que garantias pode Bush dar quando já está de saída.

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Lobos disfarçados de cordeiros

    Ainda bem que encontrei alguém que pensa como eu, ...

  • Luís Lavoura

    O que me parece difícil será encontrar Estados que...

  • Anónimo

    MMilagre português : o vírus está a circular em bo...

  • Vagueando

    "Os problemas parecem sempre ter a mesma origem. E...

  • zazie

    Quanto ao que retira da coisa eu retiro o oposto.S...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2006
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D