Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Livros de instrução (5)

por Luís Naves, em 25.10.08

 

Winston Churchill

Quando lemos River War (1899) ou alguma das duas monumentais histórias das Guerras Mundiais que Winston Churchill escreveu, percebemos melhor a razão do antigo primeiro-ministro britânico (1874-1965)  ter recebido o Prémio Nobel da Literatura (1953). Os livros de história são gigantescos, hoje lidos em versões compactas, mas Churchill revela-se um hábil estilista.

River War narra a campanha de reconquista do Sudão, na qual o autor participou. O livro possui elevado interesse contemporâneo, pois um dos lados deste conflito travado em 1898 tem semelhanças com a moderna história dos Talibãs. É inevitável pensar em O Choque de Civilizações, de Samuel Huntington, ensaio de 1993 cujas ideias dominam numerosas interpretações dos conflitos do nosso tempo.

Churchill usa os seus livros para hábeis manipulações políticas, sobretudo as histórias onde foi uma das personagens. Para citar um exemplo, o episódio dos Dardanelos, em The World Crisis (1923-1931), surge como boa ideia estratégica que o azar e a incompetência operacional transformaram em fiasco. Em muitas passagens, o autor é cruel com os erros alheios e não hesita em crucificar adversários políticos. Quem conta a história pode sempre conduzir o leitor para as interpretações convenientes, sem parecer estar a exagerar o seu papel.

Regressemos a River War: o regimento do jovem Winston Churchill esteve envolvido na última fase da guerra sudanesa e, nessas páginas, o livro ganha intensidade dramática. O autor transforma-se em actor. O capítulo sobre a batalha de Omdurmam, a 2 de Setembro de 1898, é impressionante. Churchill descreve com pormenores quase físicos (sensuais) a última carga de cavalaria do exército britânico, na qual participou.

O mesmo homem cujas palavras traduzem a vivência da batalha e da morte consegue ser objectivo e comovente, com respeito pelos vencidos, mostrando toda a crueldade inglória da derrota. River War é um clássico, escrito de forma brilhante por um jovem oficial de cavalaria, correspondente de guerra nas horas vagas, e que seria mais tarde um dos políticos mais influentes do seu tempo. Ele sabia bem qual era o destino dos perdedores, cadáveres abandonados no deserto, como papéis ao vento.

Autoria e outros dados (tags, etc)




Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Luís Lavoura

    Claro que não há pressa nenhuma! Quando se identif...

  • Anónimo

    Pois, se eu fosse a si ia morrer longe...

  • Lucas Galuxo

    É um formalismo não. É uma mentira ...

  • Anónimo

    Não precisa de desempate. As declarações do Sócrat...

  • Anónimo

    lágrimas de crocodilo meu caro. Se tivessem ficado...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2017
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2016
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2015
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2014
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2013
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2012
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2011
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2010
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2009
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2008
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2007
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2006
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D