Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Emoções básicas (5)

por Luís Naves, em 28.08.08

Chegado da Europa Central, onde estive separado na nossa visão do mundo, percebo que na crise georgiana muitos blogues portugueses parecem dar razão à Rússia.

Parece-me que é um pouco como dar razão à Áustria-Hungria, na sua reacção ao assassinato do arquiduque Franz Ferdinand, em Agosto de 1914. Vivemos no século XXI, mas as duas últimas semanas pareceram tiradas de alguma novela anacrónica, do século XIX e da guerra anterior, com direito a canhoneiras e expedições punitivas.

Dar razão à Rússia, neste contexto, é fácil de fazer em Portugal, pois aqui nunca se sentiu a influência imperial russa (e é disso que estamos a falar).

Acho que esta crise terá duas consequências: Moscovo ficará mais isolada e o regime de Vladimir Putin vai entrincheirar-se ainda mais num medo policial e autoritário. A esperança da democracia ficou adiada outro década e aquele poderoso império continuará a mergulhar no seu imparável declínio político e demográfico, entretido num apagamento que julgo não ter qualquer paralelo na história recente. E para culminar o absurdo, a Rússia precisará cada vez mais do seu pior pesadelo, a China.

Como provou o caso citado acima, a política internacional não tem de ser lógica ou sequer racional. Um atentado político transformou-se num conflito que matou milhões de pessoas e os diplomatas perderam o controlo da situação numa altura em que ninguém previa que pudesse estalar um conflito. O mau exemplo foi agora lembrado por Mikhail Gorbachov. A Primeira Guerra Mundial podia ter sido evitada, mas a Europa preferiu suicidar-se. Pareceu mais importante defender a razão de Estado. A monarquia austríaca sabia que estava a lançar-se numa aventura e que não tinha capacidade para sustentar uma guerra moderna, mas atirou-se de cabeça.  

 

 

E não podia discordar mais deste post do Eduardo Pitta. Quando os europeus estão genuinamente preocupados e falam duro, como é o caso, são irrequietos; se ficam divididos, mais valia estarem calados; se ficam calados, mais valia falarem duro.

Nunca vi os europeus tão unidos e preocupados. Mas em Portugal, que não depende do gás natural russo, é mais fácil desvalorizar o perigo.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)



9 comentários

Imagem de perfil

De Pedro Correia a 28.08.2008 às 13:51

Subscrevo a tua excelente análise. É bom ver-te de volta.
Imagem de perfil

De Luís Naves a 28.08.2008 às 15:34

obrigado. o silêncio teve uam razão: tinha computador, mas não tinha net
Sem imagem de perfil

De Mialgia de Esforço a 28.08.2008 às 15:00

A influência imperial russa é que é o busílis da questão. Desde que Putin assumiu o poder que a costela imperialista tinha ganho novo fôlego (desmembramento da ex-URSS foi um sapo indigesto, e daqueles muito grandes). E a questão da independência do Kosovo já deixava antever o que aí vinha. A Geórgia foi apenas o pretexto.

Só um pequeno reparo: não tenho a certeza de que China seja o pior pesadelo da Rússia ou se a coisa é/foi recíproca. A Estaline, por exemplo, a China serviu sempre para que não se envolvesse com o Japão (esse sim, na altura um pesadelo do caroço).

Quanto ao resto da posta, inteiramente de acordo.
Imagem de perfil

De Luís Naves a 28.08.2008 às 15:36

agradeço este comentário. a referência à China tem uma justificação: penso que a prazo a fraqueza demográfica da Rússia, associada ao largo espaço que ocupa, e a força demográfica chinesa, associada à necessidade de obter recursos, dará graves problemas entre os dois países
Sem imagem de perfil

De Mialgia de Esforço a 28.08.2008 às 15:51

Não digo que não venha a acontecer, mas para já a coisa vai noutro sentido. A China e 4 ex-URSS da Ásia Central (Cazaquistão, Uzbequistão, Tajiquistão e Quirguizistão) apoiam o "“apoiam o papel activo da Rússia nas operações de paz e de cooperação na região”.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 28.08.2008 às 15:03

Presumo que tenhas estado na Hungria onde a visão é, até historicamente, uma, pois eu estive mais para lá um bocadinho e a visão é completamente distinta daquela que tu referes.
Imagem de perfil

De Luís Naves a 28.08.2008 às 15:33

claro, claro. tudo depende da geografia
Sem imagem de perfil

De dp a 28.08.2008 às 18:45

poderia subscrever quase tudo o que escreveu, todavia, não creio ter sido sensato "o ocidente" ter vindo sucessivamente, desde o desmembramento da urss, a encostar a rússia às cordas.
o problema da "grande europa" foi ter ficado refém das duas superpotências emergentes da segunda guerra.
desde essa altura que quer a dita europa ocidental, quer a europa de leste, duma forma ou doutra teve sempre de prestar vassalagem aos senhores do mundo.
a europa de leste, não teve escolha e foi positivamente obliterada pelo grande urso até à queda do muro. nós, no ocidente, ficámos reféns por opção.
para os eua desde a II guerra, a distância foi sempre uma ambiguidade que jogou em seu favor. a única ocasião em que assim não foi, e falo da crise dos mísseis em cuba, de imediato foi negociado o desmantelamento das baterias de mísseis na turquia.
relativamente à china, e por razões diferentes, irá ser um espinho cravado nos pés dos dois contendores.
Sem imagem de perfil

De Luís Bonifácio a 28.08.2008 às 23:19

A Austria-Hungria teve toda a razão deste mundo e do outro para declarar Guerra à Sérvia em 1914.

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    1974, Setembro, LM:Antes de seguir para a cidade, ...

  • Anónimo

    Muito bem escrito.Devemos ter sido amigos e vizinh...

  • Sarin

    Porque nem sempre discordamos, permita-me partilha...

  • Anónimo

    novos-ricos cheio de 'entusiasmo urinário'

  • Luís Lavoura

    Parece que o João Távora está contente com o perfi...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2008
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2007
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2006
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D