Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




 Emplastros e velhos de Restelo

Ia a passar na zona de Belém-Restelo, levando pelo braço a minha Clotilde, em passeio dominical, quando me deparei com a celebração do triunfo no campeonato da Europa. Uma multidão verde e vermelha, aos gritos, vitoriava os heróis da selecção. Pela intensidade do ruído, deduzi que tinham vencido todos os jogos. Sou um patriota e desafiei a Clotilde:

“Devíamos juntar-nos aos festejos”.

“Boa ideia”, respondeu ela. “Poderei ser entrevistada pelas televisões”. (A Clotilde tem estudado a técnica do emplastro, que consiste em ficar especada, ao lado do repórter, à espera do directo, fazer olhinhos e depois estar no sítio certo quando o repórter espetar o microfone para recolher uma importante declaração das massas populares).

Naquele caso, tivemos de furar através da massa popular. Felizmente, quando quero sou um ferrabrás. Tive de afastar cinco ou seis lingrinhas, que estavam ali desde as seis da manhã e que ficaram a gritar, depois de serem desalojados dos melhores lugares. Nisso sou parecido com a selecção de todos nós: quando há uma missão, não deve haver sentimentalismo.

A multidão concentrara-se em frente ao palácio presidencial, numa manifestação patriótica sem paralelo na nossa memória colectiva.

“Foi de facto uma bela vitória, nunca vi nada assim”, disse eu, quase às lágrimas, perante tal momento de comunhão e convergência.

Atraí a atenção das pessoas à minha volta, incluindo de um velhinho muito velhinho.

“Pois é, meu jovem”, disse o velhinho muito velhinho, que tinha uma longa barba branca. “Eu ainda me lembro da exposição do mundo português, que foi aqui mesmo junto a esta praça”, e apontou o vetusto dedo na direcção da Torre de Belém, “e vitoriámos o grande Salazar… Era um belo tempo, quando havia ordem e entusiasmo e patriotismo verdadeiro, sobretudo ordem, meu jovem”.

“Sim, mas ainda o país era pequenino e não ganhávamos na Europa”, interrompi.

“Portugal era grande, nessa época”, exclamou o velhinho muito velhinho. E apontando para o céu com um dedo coevo, prosseguiu: “E lembro-me da chegada de Mouzinho, que Lisboa era um mar de bandeiras azuis e brancas. Na altura, meu jovem, ainda não havia esta horrível bandeira verde e vermelha. Bons tempos aqueles, quando ainda tínhamos vitórias a sério”.

“Sim, esse Mouzinho era do Porto, não era? Agora, temos o Moutinho. Mas esta também foi uma boa vitória, amigo”, disse eu, enquanto se sentia o crescente frémito da populaça, pela aproximação iminente do autocarro da selecção.

Uma onda de entusiasmo atravessou a multidão, que gritava vivas a Portugal, num delírio de berros e desmaios.

“Falou aí numa vitória. Mas qual vitória?”, perguntou o taxista que estava ao meu lado.

Encolhi os ombros: “Não percebo nada de futebol, mas com esta histeria toda, é porque ganhámos, certamente”.

“Não vê televisão? Isto é a despedida da selecção, que só joga no sábado”.

Nisto, apareceu o autocarro da selecção e a multidão começou a mover-se, como se fosse uma onda. Ouviu-se o gigantesco rumor, como se fosse um grito de guerra:

“Tragam a taça”, gritou o taxista.

E o velho disse-me, por cima da berrata:

“Tentei avisar o Gama para nunca usar o quatro, três, três e veja só o que deu ele ter ignorado os meus conselhos. Agora, com este brasileiro, é inútil tentar convencê-lo de que só ganhámos aos turcos em Lepanto por termos usado um pentágono, que é muito mais acutilante. Ele vai ser teimoso e quando nos calharem os espanhóis, temos de usar o quadrado, porque em Aljubarrota usámos o quadrado. Mas este não aprende, está a ver? Países jovens, não sabem…”

Compreendera finalmente que ainda não tínhamos ganho nada. Aproveitei para me escapulir dali, enquanto o povo celebrava a iminência da vitória, numa festa louca.

No caminho, encontrei a Clotilde, que vinha a chorar. Não conseguira ser entrevistada, explicou:

“Eu bem me coloquei no local ideal, junto ao repórter. Fiz-lhes olhinhos, mas quando ele apontou o microfone, para fazer uma interessante entrevista, preferiu a mamalhuda que estava ao meu lado”.

Dito isto, a Clotilde esticou o peito e perguntou-me:

“Também achas que são pequeninas?”

Ia dizer que vivemos em tempos maus para achar alguma coisa, mas lá ao fundo, uma multidão vitoriava as nossas grandes esperanças. E respondi, de forma automática:

“São grandes, são grandes”.

 Adolfo Ernesto



6 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 02.06.2008 às 11:45

Eu espero que, se algum time ousar ganhar aos nossos mininos, o Scolari o corra ao pontapé e à bufatada.

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • henrique pereira dos santos

    Quem? Isabel Camarinha? Sim, é o que digo no texto...

  • Anónimo

    pelo seu comentario se calhar nunca trabalhou para...

  • Anónimo

    Sem dúvida, um excelente texto. Que bem fundamenta...

  • Anónimo

    Não é parva não Senhor...Dizem que pró ano, nos ós...

  • Anónimo

    chamar a Holanda um pais civilizado é uma pura abe...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2006
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D