Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Henrique Fialho

por Pedro Correia, em 28.05.08

Meu Portugal brasileiro

 

O Pedro Correia convidou-me a escrevinhar no Corta-Fitas. Pois bem, aproveito o convite para confessar o meu lado mais reaccionário. A opção não se fundamenta em quaisquer preconceitos acerca desta casa e dos seus ilustres moradores, mas confissões deste calibre seriam intoleráveis no meu tugúrio. Em que se manifesta, então o meu lado mais "reaça"? Em pormenores tão simples como numa aversão epidérmica a certos processos de aculturação, o que, dito de outra forma, num conservadorismo inato quanto a matérias tão fundamentais como Carnaval, selecção nacional e língua portuguesa.

Já sei, colocar a língua portuguesa no mesmo patamar das restantes matérias é facilmente censurável. Como certo dia terá escrito Pessoa (facilmente compreenderão que ninguém pode estar certo de que tenha sido realmente Pessoa, o Fernando, a escrevê-lo): "Minha patria é a lingua portuguesa." E Pessoa escreveu isto num tempo em que sintaxe se escrevia "syntaxe", ortografia escrevia-se "ortographia", escrita era o mesmo que "escripta" e português terminava em "z". Pelo menos era assim que o Fernando escrevia. Nada disto pode servir de argumento a favor do acordo ortográfico. Como diria o meu amigo Victor (ou será Vítor?), Henrique, eu mesmo, jamais poderá ser Enrique. Faltando-me o "H" falta-me o pouco de aristocrático que o destino me outorgou.

Não sei se alguma vez pensaram nas consequências quotidianas de certas transformações na língua portuguesa. Desde logo, o quotidiano brasileiro é muito diferente do nosso. Não só por ser mais acalorado, mas simplesmente por ser cotidiano. Eles apanham ônibus em vez de autocarros ou, como ainda se diz na minha terra, carreiras, não tiram o chapéu ao vôo dos pássaros, tem menos umidade nas casas e insetos no teto. Eles não têm, eles tem. Eu não quero ter insetos no tecto da minha casa, muito menos quero um teto e, apesar dos problemas respiratórios, prezo muito a humidade das paredes, a qual, por vezes, assemelha-se com algumas obras de Tàpies. Pior que isto, o Deus dele é onipresente. Mas que raio de Deus pode ser "onipresente"?

Tudo o que acabei de afirmar vai servir para me acusarem de antibrasileirismo primário, e de nada me valerá declarar uma incomensurável paixão pela poesia de Drummond, pela música de Chico Buarque, pela bunda da Juliana Paes. Não me interessa. Estou irremediavelmente contra a brasileirização do Carnaval português e da nossa selecção de futebol. Basicamente, estou contra a brasileirização do meu país. Prefiro uma selecção nacional de futebol perdedora apenas com portugueses, a uma selecção nacional de futebol vencedora com jogadores brasileiros. O meu fanatismo nestas matérias é de tal ordem que só de pensar que o Deco pode marcar um golo com a camisola das quinas e o Pepe arranhar o hino nacional dá-me vontade de, num ímpeto nacionalista, pendurar uma bandeira de Portugal na varanda cá de casa.

E depois há o Carnaval. Não há Carnaval mais ridículo do que o Carnaval brasileiro realizado em Portugal por portugueses. As mulheres portuguesas não nasceram para usar cuecas fio-dental em pleno Inverno, muito menos para sambar com pernas pelo menos tão brancas como o algodão em rama com que limpam as feridas domésticas. Bolas, eu ouvi um português dizer este ano que o Carnaval lá da terra dele era o mais português de Portugal porque era o mais parecido com o do Brasil. Mas o que se passa com este país? Apanhou tudo a carona tropicalista?

 

Henrique Fialho (do blogue Insónia)



5 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 28.05.2008 às 10:23

A Juliana Paes, ao abrigo do acordo ortográfico, não passa a Juliana Pais?
Sem imagem de perfil

De E, já agora a 28.05.2008 às 10:26

A bunda dela não dará em rabo?
Imagem de perfil

De José Manuel Faria a 28.05.2008 às 11:41

Sou reacçionário e não sabia. Sou um reaça do bloco de esquerda, ainda vou ser expulso.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 28.05.2008 às 11:51

Excelente texto, Henrique. Obrigado pela visita.
Sem imagem de perfil

De Ernesto a 28.05.2008 às 13:03

http://www.independent.co.uk/news/europe/portugal-pays-lip-service-to-brazils-supremacy-819728.html

Neste link, o jornal The Indendent, com o título de um artigo reflecte toda a abrasileiração que existe em Portugal:

"Portugal pays lip service to Brazils's supremacy"

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Albino Manuel

    Este idiota apresentou-se primeiro como ambientali...

  • Anónimo

    princípios só no começo do ano

  • Anónimo

    Parece que em Liège ouviram o nosso Henrique Perei...

  • pitosga

    João Távora,Leia isto: El Vaticano dio a Afineevsk...

  • João-Afonso Machado

    O OE é uma bela representação tragico-cómica. Vai ...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2006
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D