Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




João Gonçalves

por Pedro Correia, em 15.05.08

PPD/PSD: a "câmara alta" e a "câmara baixa"

 

É bem provável que, depois das "directas" de 31 de Maio, o PPD/PSD sofra mais uma "cisão". Nada de novo na "fisiologia" de um partido - "o mais português de Portugal" - onde convivem, desde sempre, duas "facções": a sua "câmara alta" (os "barões") e a sua "câmara baixa" (as "bases" e os seus "pastores" de circunstância). Sá Carneiro foi abandonado, logo em 1975, em Aveiro, pela então "câmara alta" com o pretexto de que ele era um perigoso e lunático "fascista". Vasco Graça Moura, por exemplo, lá estava na "linha da frente" destes "democratas". Os "barões" do PSD, pelo menos até aos anos oitenta, exibiam um terrível "complexo de esquerda" que se traduzia num temor reverencial perante o PS, Eanes, o Conselho da Revolução e as "conquistas revolucionárias". Imaginavam-se subtis e obviamente "socialistas". Em 1979, os que sobraram de Aveiro "partiram" o grupo parlamentar ao meio por causa do governo Mota Pinto, um dissidente de Aveiro que, menos de cinco anos depois, seria presidente do partido. Mais uma vez Sá Carneiro foi "acusado" de estar contra a "correcção" política da época que mandava não ser excessivamente contra o que estava.

Ou seja, até à vitória da AD, em Dezembro de 1979, Sá Carneiro era, para muita gente, um "populista" irresponsável. Para muitos, continuou a ser por causa da candidatura presidencial de Soares Carneiro. Quantos "barões" não correram a Belém a pedir desculpa a Eanes por "terem" de apoiar publicamente o infeliz general. E quantos não se fizeram de "distraídos" naquela derradeira campanha de Sá Carneiro. Os que ainda estão vivos, agora ao lado de Manuela Ferreira Leite, lembram-se certamente da figura que então fizeram. Sá Carneiro, para eles, nunca foi suficientemente "institucional", isto é, amante do "respeitinho" que veio a traduzir-se no "bloco central" (político e de interesses) desenvolvido a partir dos meados de oitenta, ora liderado pelo PS, ora pelo PSD. Muito do "baronato" que se tinha perdido pelo caminho por causa de Sá Carneiro começou a regressar. Outros "entraram" directamente às costas do "cavaquismo", o novo nome do "populismo" de outrora.

Velhos e novos "barões" acabaram por cansar Cavaco Silva que, em 1995, disse "basta". Daí em diante, o partido pertenceu-lhes sem nunca lhes ter exactamente pertencido. Logo no primeiro congresso pós-Cavaco, no Coliseu, a maioria da "câmara alta" esteve com Barroso mas perdeu para Nogueira na hora dos votos. Nogueira perdeu o País para Guterres e o partido, por falta de comparência das "notabilidades" desinteressadas pela falta do poder, entregou-se a Marcelo. uma intriga deu-lhe o pretexto para sair e passar a pasta a Barroso que estava "lá" quando Guterres fugiu.

As duas "câmaras" do partido uniram-se para levar a direita a um poder efémero, traído pela precoce saída de luxo do antigo maoísta para a Comissão Europeia. Santana Lopes é o que menos conta nesta miserável intendência. Ganhou na secretaria por recomendação expressa dos velhos e dos novos "barões" entretanto constituídos. Desperdiçou o que havia obtido em confronto directo com o eleitorado, em duas câmaras municipais, em nome da preservação, a qualquer preço, de um poder que Barroso e a sua ministra das Finanças haviam fragilizado, esta por causa da chamada "natureza das coisas". Lopes não percebeu que, ao recusar ouvir a nação, estava condenado. "Populista", disseram - e dizem - eles, hoje refugiados atrás de uma "nova" face, Ferreira Leite.

Marques Mendes foi o nome possível do interregno e o aceitável para as "elites". Obteve uma grande vitória autárquica sobre um Sócrates absoluto e, discretamente, apoiou o chefe de Estado. Estava a percorrer o difícil caminho para Damasco quando Menezes o derrubou. Menezes, em seis meses, tropeçou naturalmente no seu próprio impasse e na impaciência da "câmara alta" do partido.

Emergem Passos Coelho, Santana Lopes e Manuela Ferreira Leite, os dois primeiros da "câmara baixa" e a última da "câmara alta" do partido. Sucede que Ferreira Leite - e isto passou irresponsavelmente despercebido - disse para aí que, se sentir que não consegue derrotar Sócrates em 2009, vai-se embora. Quando? Três meses antes das eleições? Dois meses? Uns dias?

É por estas e por outras que termino como comecei. As "directas" de 31 de Maio não devem resolver nada de substancial. O PPD/PSD precisa "purgar" as duas "câmaras" que o têm vindo a minar. Se não for a bem, será a mal. No entanto, como na vida, às vezes há males que vêm por bem.

 

João Gonçalves (do blogue Portugal dos Pequeninos)



10 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 15.05.2008 às 15:21

"Santana Lopes é o que menos conta nesta miserável intendência. Ganhou na secretaria por recomendação expressa dos velhos e dos novos "barões" entretanto constituídos. Desperdiçou o que havia obtido em confronto directo com o eleitorado, em duas câmaras municipais"

Sobre a opinião do artista convidado, isto diz afinal tudo.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 15.05.2008 às 15:27

Pois, eles lá não quiseram o grande Alberto João, agora amanhem-se.
Sem imagem de perfil

De Fonte: Portugal dos Pequeninos a 15.05.2008 às 15:50

As "inteligências" rosnam, com uma espécie de boçalidade sofisticada, assim que é mencionado o nome de Alberto João Jardim. Acontece que Jardim tem sido o único social-democrata a dar motivos de orgulho ao partido a que pertence. Tem um currículo político invejável, sufragado anos a fio pelos seus eleitores. É um governante com experiência, persistência e obra.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 15.05.2008 às 15:38

Excelente análise. Subscrevo-a na quase totalidade.
Obrigado por esta visita, João.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 15.05.2008 às 15:39

Olha, mais um admirador de Santana Lopes, vindo de onde menos se espera.
Sem imagem de perfil

De leitor atento a 15.05.2008 às 15:42

Só para clarificar a memória. Mota Pinto foi o mandatário nacional de Soares carneiro ao lado de Sá Carneiro.
É que à vezes em análises simples perde-se um pouco o fio à meada.
Hopuve , apesar de todas as cisões, discussões e divergências tácticas, sempre um fio condutror comum a todos nas questões mais fundamentais do regime - o anti-eanismo, o anti-tutela militar, o anti-comunismo e nacionalzações, as privatizações,a libertação da sociedede civil.
Quem não perceber isto, não percebe o PSD.
Sem imagem de perfil

De Francisco a 15.05.2008 às 16:28

Os Pedros não são 'barões'?????? Pois claro!
Manuela F Leite vai embora? Curioso! Ouvi-lhe precisamente o contrário...
Percebe-se tão bem por que razões MFL é tão pouco desejada...
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 15.05.2008 às 16:47

O Lopes não é barão. É pirata. Eu juro que o vi de lenço à pirata.

E o Passos Coelho, coitadinho, é um pobre dos novos pobres de que falou a Dra. Manuela.
Imagem de perfil

De Francisco Almeida Leite a 15.05.2008 às 16:58

Magnífico post, com convidados deste nível estamos sempre bem servidos. As teses defendidas pelo João podem muito bem tornar-se realidade. Como se diz, quem te avisa teu amigo é...
Sem imagem de perfil

De Nélson Faria a 17.05.2008 às 10:22

A análise é um pouco precipitada... muitos "barões" estiveram com Sá Carneiro.

E quem desgastou Cavaco não foram os barões mas sim, entre outros, Santana e Menezes.

Os "barões" estiveram com Nogueira e não com Barroso.

O PSD vive um momento de clarificação que devia ter ocorrido em 2005... dará uma resposta à altura do que esperam os portugueses de um partido sério e credível.

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    José Monteiro by 19.52especializado em técnica de ...

  • Anónimo

    Imperdível, a ponto de ir levar o Post, para algum...

  • Francisco Albino

    Ficamos mesmo bem governados, com 70 membros do Go...

  • Anónimo

    E eu fiquei com a cabeça a andar à roda!

  • Anónimo

    «Os juros da dívida portuguesa estavam hoje a subi...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2008
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2007
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2006
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D