Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Please!

por Maria Teixeira Alves, em 27.03.14

A ouvir o Pedro Silva Pereira a ser entrevistado pela Ana Lourenço na SIC Notícias. Zzzzzz... Socorro! Chamem urgentemente o José Rodrigues dos Santos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

problemas de rins

por Vasco Lobo Xavier, em 27.03.14

 

Como todos sabem, é um problema gravíssimo. Durante anos socorri-me dos do meu irmão mas ele, coitado, também tem as suas necessidades e precisa dos dele. O Zé do talho tem-me ajudado quando pode, o que é raríssimo, pois ele também tem imensas dificuldades em resolver a falta dos ditos. Não percebo como em Portugal se despreza algo tão importante com os rins, coisa que espanhóis, franceses e ingleses tratam com enorme devoção beata, como a minha. Cá não: deita-se tudo fora. Há uns anos logrei solução em Darque, Viana do Castelo, mas sai-me caríssimo em gasolina, portagens das SCUT (delícia de designação socretina, esta…), e na meia vaca que trago sempre para compensar a generosa oferta dos rins.

 

Depois ainda tem as lavagens. Novo problema, água atrás de água, algum vinagre (das poucas vezes em que não uso Moura Alves), volta a lavar e lava outra vez. Uma tarde nisto até chegar a altura da faca: ‘retirar o branco com uma faca’ parece uma máxima do auge da luta contra o apartheid mas é apenas o que se deve fazer com afinco a uma boa colecção de rins. Faca pequena e afiada, de preferência de cerâmica, e paciência aguçada. Extermine-se então todo o branco dos rins e temos novamente pela frente lavagem atrás de lavagem.

 

E depois da lavagem, a laminagem. Convém não tremer a mão pelo que se deve esperar mais um pouco para tirar uma qualquer rolha a uma companhia gelada e gratificante. Os rins devem ser laminados direitinho, para mais bonitos ficarem no prato. Finda esta tarefa delicada, saque-se a rolha e recompense-se o artesão uma ou duas vezes. Talvez três. Uma última lavagem enquanto se agradece à mão amiga que picou finamente uma montanha de cebolas. Bom tacho, bom azeite, boa camada de cebola picada, boa camada de rim, nova de cebola, sal e pimenta e cobre-se tudo com largos raminhos de salsa. Uns goles de branco não estragam nada. Fogo à peça e tapa-se.

 

Cebola e azeite farão o refogado do arroz. Não muito forte, para o sabor não se sobrepor ao do rim. Vão se roubando umas colheres de calda ao rim, que podem trazer lâminas se já cozinhadas. Aliás, a calda do arroz deve ter aí pelo menos uns 2/3 da calda do rim e só o resto de água pura. Se o dia estiver bom, talvez sacar outra rolha, mal não fará seguramente. Conclui-se, temperos a gosto, uma travessa bonita e bem arranjada, uma salsinha picada e ainda uns raminhos completos, e upa para a mesa que se faz tarde.

 

Uma delícia, mas os rins são sempre um problema para encontrar, são um problema para tratar, são um problema para tudo.

 

O fígado vai indo melhorzinho, obrigado, mas também dá os seus problemas…

 

 

(também em A Batalha)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Bom gosto

por João Távora, em 27.03.14

E eis que a mais bela bandeira do mundo volta ao Brasil

Autoria e outros dados (tags, etc)

Provavelmente...

por José Mendonça da Cruz, em 27.03.14

Vejo o BES a ser posto perante as consequências das suas manobras financeiras, e vou-me perguntando: se tivéssemos tido a sorte de ter este senhor como governador do Banco de Portugal, em vez do outro senhor que o BCE tem o azar de ter como vice-presidente, o caso BPN teria tomado as proporções que tomou?

Autoria e outros dados (tags, etc)

Lisboa em acção (2)

por Luísa Correia, em 27.03.14
A propósito de pequenos empreendedorismos e economias sustentáveis, não queria deixar de dar conta de um fenómeno, descoberto no Castelo «intra-muros», chamado Geladaria Portuguesa, onde se servem sabores tão surpreendentes como pastel de nata (polvilhado com canela), ginginha de Óbidos e vinho do Porto (com álcool). Haverá, por essa Lisboa ou por esse Portugal, outras Geladarias Portuguesas que nos façam momentaneamente felizes, ou há só ali?

Autoria e outros dados (tags, etc)

Da Ribeira das Naus

por Luísa Correia, em 27.03.14
Fazia-me falta este rio de prata.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Na Ribeira das Naus

por Luísa Correia, em 27.03.14

Asseguraram-me no quiosque - como gosto dos quiosques de Lisboa! - que o café que aí tomei era o melhor café da cidade. Não posso confirmá-lo, porque percebo pouco de cafés e tendo a açucará-los excessivamente, o que, presumo, adulterará os sabores. Mas posso confirmar, sim, que um café tomado naquele lugar, à beira-Tejo, é, no mínimo, um café muitíssimo agradável e estimulante.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Boa graça

por José Mendonça da Cruz, em 26.03.14

Autoria e outros dados (tags, etc)

A terrível ameaça de um país melhor

por José Mendonça da Cruz, em 26.03.14

O Banco de Portugal corrige em alta as previsões de crescimento e considera esse crescimento sustentável, por causa das mudanças na economia portuguesa, caracterizadas «pela transferência de recursos produtivos dos sectores não transaccionáveis para os sectores transaccionáveis». É o mesmo que escrevia, ontem, Helena Garrido no Jornal de Negócios, numa edição recheada de notáveis casos de Start`ups: sair do «Portugal povoado por empresas de construção e de sectores regulados, onde o lucro é aquele que o Estado quiser», para «outro Portugal (das) pequenas e médias empresas e uma nova geração de jovens que entram em negócios que nunca imaginámos a falar português». É um Portugal baseado (deliciosa ironia) nas pessoas, e não no Estado; na iniciativa privada, e não nos elefantes brancos pagos com dívida; nas exportações e não nas rendas garantidas. Entretanto, o défice baixa, como baixam os juros do crédito público (3% a 5 anos, um novo recorde virtuoso).

 

A coerência é uma maçada

Esse caminho está a ser feito. E o pior para a oposição e para o jornalismo cor-de-rosa é que as principais medidas do Governo são coerentes, fazem sentido como causas desse efeito. A simplificação das regras burocráticas para as empresas, anunciadas há dias pelo ministério da economia, é coerente com esse caminho.  O objectivo do licenciamento zero faz sentido. A liberdade de horários e promoções que hoje foi outorgada ao comércio é coerente com esse caminho. As prioridades para a aplicação das verbas do QREN e a responsabilização dos beneficiários faz sentido nessa via. No âmbito do investimento público, o destaque dado a portos e ferrovia faz sentido. A descida do IRC faz sentido. Os esforços para baixar a despesa fazem sentido. O combate ao défice e à dívida faz sentido.

É evidente que esta transição de um Estado socialista condenado à bancarrota para uma economia sustentável é dolorosa. Ela é feita, inevitavelmente, à custa de desemprego: em muitos casos, de desemprego perpétuo para os que foram apanhados sem armas curriculares na transição; noutros casos, de dificílimas fases de readaptação para os que voltarão a ser absorvidos pelo mercado de trabalho. Ela é feita, inevitavelmente, da redução de actividade e dimensão de sectores obsoletos ou mal dimensionados (construção, funcionalismo público). E ela é feita da redução de benefícios e direitos «adquiridos» que eram insustentáveis e foram erradamente «concedidos». Mas essa transição tanto mais dolorosa quanto mais velha a geração a que se pertença, tem o lado virtuoso de abrir horizontes de melhor vida aos novos.

 

O «homem novo» no mundo velho

Aquilo que tanto irrita Sócrates (e aliás, todo o PS, e, aliás, a imprensa cor-de-rosa) não é tanto ver-se confrontado com contradições por um jornalista sério, mas sentir o seu velho mundo fugir-lhe debaixo dos pés. Sócrates (e aliás, todo o PS, e, aliás, a imprensa cor-de-rosa) ainda defende a ilusão em que acredita. Não o ouviram louvar os níveis de crescimento de 2010? Claro que sim, porque ele (e o PS, e a imprensa cor-de-rosa) continuam mergulhados nesse mundo dos investimentos em tgvs, aeroportos e estradas que criam emprego transitório, e cujo único defeito é produzirem desgraças quando é preciso reembolsá-los. Não o ouviram protestar, há dias, as vantagens das energias alternativas? Claro que sim, porque ele continua  a acreditar (e o PS, e a imprensa cor-de-rosa) numa modernidade feita à força - sempre a mania do «homem novo», cujas únicas consequências tristes são a outorga de domínios económicos inteiros a restritos grupos económicos, e a morte da concorrência, e a subida artificial das tarifas, e a asfixia da indústria. Não o ouviram vituperar a queda do investimento público, na sua versão tão lacunar-keynesiana? Claro que sim, porque para ele (e aliás para todo o PS, e, aliás, para a imprensa cor-de-rosa) é o Estado que faz crescer, não «as pessoas». «As pessoas», para os socialistas, não estão primeiro, estão depois - é a elas que o Estado «dá», depois de provocar «crescimento». Não o ouviram (e ao PS e à imprensa cor-de-rosa) proclamar que éramos ricos no seu tempo, e o país «empobreceu» agora? Ele tinha que dizer isso, porque ele acredita no mesmo que acredita todo o PS e a imprensa cor-de-rosa: que se uma pessoa auferir 2000 euros mensais e, todos os meses, gastar 1500 euros em viagens, 600 em renda e alimentação, e 1000 em entretenimento e compras, essa pessoa vive bem; mas, se o banco exigir o reembolso do crédito, essa pessoa empobrece. E não ouviram Sócrates proclamar (e aliás, todo o PS, e, aliás, a imprensa cor-de-rosa) que estava tudo a correr tão bem? Claro que ouviram. Para eles (e o PS e os cor-de-rosa) estava tudo a correr fagueiro, e o défice, e a dívida conhecida e escondida, e o baixo crescimento, e a pobreza (que foi em 2010 que ultrapassou os 17%) tudo isso caíu do céu, obra «dos mercados», e da crise e da troika e deste governo horrível.

 

O cão e a reforma do Estado

O Dr. António José Seguro diz que tem «diferenças insanáveis» em relação ao governo. Não explica quais, nem a imprensa cor-de-rosa pergunta. Mas a verdade é que tem mesmo. O PS troçou muito do esboço de reforma do Estado feito -- para calar, admitamos -- por Paulo Portas. Mas a verdade é que, no que toca à reforma do Estado, o PS (e aliás, a imprensa cor-de-rosa) põem-se do lado da Polícia e prendem o dono do cão duas vezes. Se há uma proposta de reforma da Constituição ou de emagrecimento do monstro, cai o Carmo e a Trindade: ai que não se toca no Estado Social, ai que nem um corte nem uma poupança, ai que se é «insensível» às «pessoas». Se não há reforma do Estado, ai que o Governo não reforma.

E, a propósito, o Governo reformou o Estado? Claro que não, foi quase nada. Nem, digo eu, era possível fazê-lo no princípio do mandato, quer porque era preciso estudar o que os socialistas nunca estudaram, quer porque eram demais as terríveis urgências herdadas do desgoverno.

Um governo PSD/CDS reformará sem dúvida o Estado. Digo isto porque faz sentido com as medidas que vêm tomando.

E se o PS governar? Então estou certo que para alegria do Dr. Seguro, e de todo o PS, e da imprensa cor-de-rosa, Portugal ficará na mesma. À beira de outro desastre.

Socialistas combatendo a crise.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Lisbon Story Center

por Luísa Correia, em 26.03.14

Merece bem a pena de uma visita... COM AURICULARES e o sentido olfactivo muito atento.

Autoria e outros dados (tags, etc)

O Banco de Portugal, reviu em alta as suas previsões de crescimento para este ano e para 2015 para 1,2% e 1,4%, respectivamente. Em 2016, o crescimento económico deverá acelerar para 1,7%. As exportações continuarão a crescer a ritmos de 5% e a inflação permanecerá baixa, em redor dos 0,5%.O emprego crescerá e o desemprego diminuirá. Mais, tendo em conta as mudanças na economia - de um crescimento baseado em gastos públicos e construção, para um crescimento baseado nas empresas e nas exportações - o Banco de Portugal considera que este crescimento é sustentável. Diz o BP: «Algumas características da actual fase da economia portuguesa – capacidade líquida de financiamento externo, consolidação orçamental em curso, transferência de recursos do sector não transaccionável para o sector transaccionável – constituem elementos favoráveis a um processo de crescimento sustentável.»

 A notícia do crescimento é uma boa notícia para o país. A nota sobre a sustentabilidade torna-a ainda melhor. São boas notícias. Estão acessíveis, sobretudo, onde ainda há jornalismo sério, nomeadamente na imprensa económica, que ainda sabe noticiar (ver notícias online de Jornal de Negócios e Diário Económico), em vez de obscurecer os factos com malabarismos indigentes. É que como já aprendemos, as boas notícias causam um indisfarçável incómodo nas redacções mais inclinadas para a esquerda. Sem possibilidade de colherem no Rato alguma coisinha que contrariasse ou, no mínimo, desvalorizasse o anúncio do BP, jornais e televisões foram deixados entregues aos seus parcos recursos, compensados, porém, por generosa má vontade.

Nos jornais das 13 da Sic e TVi, a notícia foi empurrada para lá de peças sobre futebol do Porto, Benfica e Rio Ave, sobre o avião malaio, sobre a Ucrânia, sobre uma audiência do caso Face Oculta, sobre um atropelamento e sobre uma outra faca e outro alguidar. Depois, lá tiveram que vir, na versão incomodada, defender que só estamos a crescer porque as pessoas gastam mais. (A RTP deu a notícia escorreitamente e sem floreados.)

O Público, em contorções dsanimadas que vale a pena desfrutar, aproveita a ideia: pois é, é só porque vamos consumir mais, e isso é «um resultado que poderá colocar dúvidas em relação à sustentabilidade da retoma». O Público estava cheio de esperanças negativas, mas, sendo elas tão claramente desmentidas pelo relatório, lá tem que admitir, «contudo» (o «contudo» é delicioso como confissão de agenda), que o Banco de Portugal previu expressamente a sustentabilidade - o contrário do que o Público diz, em resumo.

No Expresso, sempre sob inspiração do grande descobridor de talentos anti-Governo, mesmo que inventados, foram um pouco mais básicos, e trataram de desnoticiar a notícia: resolveram desvalorizar o crescimento dizendo que ele «não compensa». É esclarecedor, é claro, que o Expresso considere que não foi exactamente o para ele saudoso tipo de crescimento de 2009 o causador da recessão subsequente; mas, melhor, muito melhor que isso, é o título do artiguinho online. Quem sabe o que é jornalismo sério e limpo estranhará esta coisa: «Crescimento da economia até 2016 não vai compensar queda dos últimos três anos».

Talvez nos noticiários das 20 e nas notícias de amanhã, Sic, TVi, Público e Expresso sejam negativos um pouco mais elaboradamente. Por essa altura já terão tido oportunidade de telefonar a alguém do Rato.

Autoria e outros dados (tags, etc)

O meu Portugal tem futuro

por João Távora, em 26.03.14

 

Ontem ao final da missa de Acção de Graças pelos seus 18 anos, o nosso Príncipe subiu ao púlpito onde rezou esta belíssima oração:

Senhor Deus do Universo
ao celebrar 18 anos da minha vida,
nesta terra que é a minha Pátria;
agradeço-Vos pelo Povo a que pertenço por inteiro
e por toda a minha Família.
No meu sangue transporto a Missão de servir o bem comum.
Diante de Vós venho pedir o dom de, com a Vossa Graça,
Corresponder ao que se espera de mim.
Dai-me, Pai de Misericórdia,
Sabedoria para intervir a favor dos mais fracos.
Iluminai os meus passos, 
na fragilidade insegura dos tempos.
Fortalecei o meu ânimo,
na fidelidade criativa a que me inspirais.
Nesta Terra de Santa Maria, Ó Deus de Bondade, 
eu Vos confio a minha vida.

Amen 
Dom Afonso de Bragança*

Autoria e outros dados (tags, etc)

Miserabilismo militante

por José Mendonça da Cruz, em 26.03.14

Segundo a Sic, os carros que o fisco vai sortear são «carros de topo de gama». Um Audi A4 de 39000 euros (modelo abaixo do A6 e do A8 da mesma Audi, e equivalente ao Mercedes C e ao BMW série 3, modelos abaixo, nas respectivas gamas, do E e do S, e das séries 5, 6 e 7) é um carro «de topo de gama». Por oposição, é claro, à trotineta em que certamente se desloca o autor da notícia.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Ricardo Salgado

Ironia do BES: A holding do Grupo Espírito Santo (ESFG), que teve de registar provisões de 700 milhões de euros, escolheu a data 25 de Abril para realizar a AG. Será que equiparam esta auditoria do Banco de Portugal a uma Revolução?

 

A Espírito Santo Financial Group (ESFG) anunciou hoje que agendou a assembleia geral anual de acionistas para o próximo dia 25 de abril. O anúncio surge um dia depois da holding ter revelado que constituiu uma provisão adicional de 700 milhões de euros para garantir o reembolso do papel comercial que os investidores subscreveram.

Autoria e outros dados (tags, etc)

do sorteio dos popós

por Vasco Lobo Xavier, em 26.03.14

 

O Bastonário dos Técnicos Oficiais de Contas acha que os prémios deviam ser outros e a comunicação social dá à sua opinião pessoal o estatuto de parecer científico.

As televisões em particular desdobram-se desesperadamente à procura de pessoas vulgares que sejam também contra os prémios.

As pessoas que dão a cara queixam-se pelo facto de os carros serem topo de gama. Outras por considerarem que vai ser caro mantê-los. Outras ainda porque não os querem e vão ter a maçada de os vender.

Eu, que a um carro dado não me importaria nada de o trocar por dois de baixa gama se considerasse não querer um de topo, ou de o vender acaso considerasse ser cara a sua manutenção, gastando o pilim noutra coisa qualquer, ou não me importaria ainda de o dar a alguém se fosse tão preguiçoso que não quisesse ter o trabalho de o vender, julgo que, neste país, ou está tudo doido ou ninguém se satisfaz com nada.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Não fora o Mar!

por Luísa Correia, em 26.03.14
(Castelo)

 

Não fora o mar, 

e eu seria feliz na minha rua, 

neste primeiro andar da minha casa 

a ver, de dia, o sol, de noite a lua, 

calada, quieta, sem um golpe de asa. 

[...]

 

Fernanda de Castro

Autoria e outros dados (tags, etc)

Direita-centro-esquerda, volver

por João-Afonso Machado, em 25.03.14

A propósito das eleições autárquicas francesas, a rapaziada dos jornais criou um novo gráfico político sem eixo determinado, isto é, concebe um "centro-direita" e um "centro-esquerda", esquecendo definir o que seja o "centro". 

A circunstância talvez seja, porém, explicável sem denegrir Maurice Duverger. Assim: o que sucedeu nesta primeira volta foi uma significativa vitória da Direita sobre a Esquerda. Somente após dois anos a eleição do socialista Hollande e traduzindo um inocultável sinal de protesto contra a sua política.

É isso mesmo que custa admitir à circum-navegação da Imprensa: o insucesso da tropa PS, sobretudo em França, acima de tudo num país supostamente muito ao largo das atribulações das nacionalidades sem-abrigo como a nossa. Esbater os males da Esquerda num "Centrão" inconceptualizado será, assim, o objectivo desse velejar sinuoso que urge não deixar inconsequente.

Em suma, o "Centro" não existe. Há a Direita e há a Esquerda. Esta que se defina (mais reformista, menos revolucionária...) se não quiser ser apenas o trauma intriguista das punhaladas políticas (ou da guilhotina...) do Terror lançado pela Liberdade-Igualdade-Fraternidade.

Quanto à Direita, o rumo é certo: o da histórica actualidade e modernidade da Nação (como realidade poítica e cultural), em que envergonha sempre o odiento e extremista discurso dito nacionalista. Algo mais necessário acrescentar?

(E a propósito: parece que Sócrates não gostou de ser encostado à parede quando sentado à mesa do diálogo com Rodrigues dos Santos. Tal o levará a descambar do centro-esquerda para a extrema-esquerda do espectro partidário?).

Autoria e outros dados (tags, etc)

Arte «emancipada»

por Luísa Correia, em 25.03.14

Autoria e outros dados (tags, etc)

Lisboa em acção (1)

por Luísa Correia, em 25.03.14
Hoje, na Graça.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sobre o meridiano

por Luísa Correia, em 25.03.14
"O Terreiro do Paço, excluído o rei, passava a Praça do Comércio, epíteto hoje pouco usado, apesar de evidente nas placas das esquinas. A via central evocava a Augusta Majestade, e é das poucas que se mantém, embora poucos lisboetas saibam de que Augusta se trata." (José Sarmento de Matos e Jorge Ferreira Paulo, Um sítio na Baixa)

Autoria e outros dados (tags, etc)




Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2008
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2007
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2006
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D

    subscrever feeds