Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




O problema é outro

por Vasco M. Rosa, em 02.08.11

 

A grande questão dos transportes públicos (em Lisboa, que conheço) não é tanto o aumento das tarifas, mas a baixa qualidade do serviço. Claro, ninguém gosta de pagar de repente mais 10-15 por cento em algo que não melhorou na correspondente proporção, mas o valor dos aumentos hoje implementados não é, como se diz, brutal e vai afectar as pessoas. Menos dois ou três cafés ou imperiais por semana, que a ninguém fará falta, equilibram, resolvem isso.

 

O problema da Carris, ou seja, o problema que a Carris quotidianamente nos coloca, é o tempo de espera nas paragens: quinze minutos oficiais em linhas dorsais na cidade, como o 758, que uso muito. Tempo precioso, que cada qual vê esboroar-se numa espera sem sentido e a cada qual deveria pertencer…

 

No Cais do Sodré, no fim dum trajecto, o motorista permite-se uma pausa de alguns minutos enquanto por vezes dezenas aguardam de pé, metros adiante, ao sol ou à chuva, a chegada e marcha do seu… transporte público.

 

Também já pude perceber que o ar condicionado em certos dias de maior calor funciona moderadamente para poupança de combustível ou por desatenção do motorista, cujo código de conduta todavia parece bem rígido a ponto de impedir, por «razões de segurança», a entrada dum passageiro manifestamente apressado e implorante a escassosdois metros da paragem, diante dum semáforo fechado... Isso sim, é indignante e brutal.

 

E claro, também podíamos referir o abandono pela Carris da opção por combustíveis dito verdes — e uma vez mais, se nota nesta reclamação de hoje como em Portugal a consciência dos assuntos pela larga maioria da população é primária e egoísta. E é essa precaridade popularucha que as televisões buscam e destacam, para infortúnio nosso sem fim à vista.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

A praia oculta de Vila do Conde

por João-Afonso Machado, em 01.08.11

Coubemos lá durante décadas e décadas. Mas agora há gente em demasia apenas vivendo nas nossas recordações. Desde os tempos em que as senhoras mais idosas - antes ainda do maillot... - se reuniam na grande barraca azul, a maior de todas, no tricot de manhãs inteiras. E desde as pocinhas na maré baixa, a perseguição desabrida aos camarões, estrelas-do-mar, peixinhos, caranguejos, até aos banhos gelados e um pão com manteiga comido depois, ao sol, esticados na toalha quase em convulsões...

Havia a colónia de férias, os barquilhos, uma formação de toldos, quais trincheiras cavadas no ar contra a nortada. A rede de vólei estava lá para a rapaziada mais velha, o bote salva-vidas para o que desse e viesse. Os bolos da Sra. Ana, aquele baú pintado de branco para cá e para lá todo o santo dia sobre o areal. Depois chegaram os cigarros fumados às escondidas, a caminho da Baía dos Elefantes, onde, mais recatadamente, também já se namorava.

Os penedos tinham nomes - a Boca da Baleia, o Central, o Rodrigo - e o banheiro Baltazar, a eternidade em gente, um verdadeiro marechal em cima deles, apitando ordens de retorno aos mais afoitos.

A temporada está no início. Vila do Conde atulhar-se-à de veraneantes. De labirintos de barracas, música aos pinchos e merendas copiosas. Nada que sustenha, porém, o agitar dessas sombras do Passado desaparecidas uma a uma, todos os anos faltava alguém, todos os anos sabiámos haveria um próximo faltoso. E já foram tantos anos...

Emprestei a bicicleta ao meu irmão mais novo, ao meu sobrinho, ambos meus afilhados. E vim embora. Eles têm outra idade, não lhes faltam forças para fazer frente à terrível presença da ausência. Mas a mim já.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Falsa partida

por João Távora, em 01.08.11

Os automobilistas que hoje de manhã estão a passar pela ponte 25 de Abril não estão a participar no dia do "buzinão" contra o fim da isenção da portagem e o aumento do preço dos transportes públicos. Público 

 

Não se duvida que dentro de alguns meses os partidos de protesto e seus sindicados satélites mobilizem centenas de milhares de militantes para as ruas. Mas há um tempo para tudo e... o motivo é definitivamente fraco.

Autoria e outros dados (tags, etc)

A nova vida da Biblioteca Nacional

por Vasco M. Rosa, em 01.08.11

 

O encerramento da Biblioteca Nacional para obras de ampliação tem sido um enorme contratempo para os pesquisadores, mas a um preciso mês da reabertura prometida nada ainda foi dito ou escrito sobre isso, nem mesmo no sítio da BNP, em que o último balanço das obras é de final de Junho. As pessoas precisam de saber com o que contam. 

Como se não bastasse, a mensagem do novo director é uma página de banalidades — e a sua fotografia pessoal falha da indispensável dignidade institucional, indiciando pouco rigor. Prof. Pedro Dias, note bem que o sítio da BNP não é propriamente o FaceBook ou uma rede social qualquer!... 

Ao nível do chamado Arquivo da Cultura Contemporânea Portuguesa, que recebeu na última década incorporações de valor, é imperioso o reforço das equipas capazes de as colocar a breve prazo à consulta, recuperando anos e anos de inércia ou falta de meios humanos adequados, e do que já lá existe é indispensável que os catálogos dos espólios, que consultamos numa estante confusa e desordenada, sejam eles próprios finalmente colocados em linha, como todas aquelas publicações da Biblioteca que se tornaram primeiríssimas obras de referência sobre determinados autores. Jorge Couto e a sua equipa melhorou algumas funcionalidades da BN, mas há ainda muito por fazer. Vai ser feito?

Obviamente, é fundamental acelerar o trabalho de catalogação, recuperando num ano o atraso de dois a três (!!!) que existe diante da vertiginosa produção editorial actual. Em certos domínios de estudo, a inacessibilidade a obras recentes é simplesmente inconcebível e inaceitável, claro. O historiador de arte Pedro Dias não o ignora certamente.

Vamos ver, pois, se o novo director da BNP está à altura das suas funções num momento tão crucial da vida desta instituição nacional.

 


Autoria e outros dados (tags, etc)


Pág. 6/6



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Costa, Costa! Então já não há um pouquinho de verg...

  • Anónimo

    O Costa é Costa, o Costa é hipócrita e demagogo, o...

  • Anónimo

    O peixe oficial é mais raia que o parta.Henrique P...

  • Anónimo

    Caro senhor, o Henrique Pereira dos Santos tem vin...

  • Pedro Nunes

    Já tinha saudades de ler os textos do Henrique.


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2008
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2007
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2006
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D

    subscrever feeds