Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Chegou! *

por Pedro Quartin Graça, em 22.11.10

* Mas, evidentemente, não foi a tempo. E não foi o único. De acordo com o «DN», 90 por cento do material de segurança para a cimeira da NATO também não chegou a tempo do encontro. Planeamento à portuguesa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Usos e abusos

por João-Afonso Machado, em 22.11.10

A manhã correu péssimamente. Uma perdiz levantada na outra ponta do concelho, um coelhito avistado entre dois molhos de lenha, a bater o dente de frio, afogado em água até aos ossos... Porque a chuva, o vento agreste, não se calaram o tempo todo. Deitei a vista ao tempo antigo. A esses longínquos anos de abundância. Imaginei o regresso pela residência do Senhor Abade, a oferta das peças melhor preservadas a Sua Reverência, o convite para entrar um pouco, o cálice de vinho fino e os ladrilhos de marmelada. E umas rosnadelas de política, nesses idos das sotainas e da Senhora Jesuína, governanta e, obviamente, monárquica também. Sempre a persignar-se, arrepiada, o demo tomou conta do mundo e plantou nele a Maçonaria. T'arrenego!

- Nem mais, Senhora Jesuína, nem mais!

E vai mais um calinhos para o frio... E outro ladrinho, calorias é o que a gente precisa.

Mas não. Tudo sonhos. Já não há abades e sotainas (pintalgadas de caspa, invariávelmente), já não há governantas especializadas em marmelada, já quase não há caça, resta apenas a Maçonaria e este raio de meteorologia. Mandei às pernas voltassem ao lar.

Foi quando, um pouco adiante, a rapariga se pôs de volta de um silvado numa excitação frenética. O que seria? Um coelho?, uma raposa?, um elefante? Preparei-me para - vá lá... - um final feliz. E eis senão quando algo se solta de entre a vegetação, como um foguete, a rapariga atrás dele, desvairada... Arma à cara, uma mancha branca entre a verdura do trilho, espreito melhor... era o gato da casa! Esse malandro do Costa, gordo e lustroso como um deputado. Saíra primeiro, sem nada participar, e fazia a sua espera. Como na semana passada, em que tragou um esquilo. Agora apontaria aos melros, que o Senhor criou para cantarem ao entardecer e amarelar o bico durante o dia. 

Está tudo mal. Já se diz por aí, 2012 será o termo deste nosso calvário. É bem possivel.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Os mesmos erros de sempre

por Pedro Quartin Graça, em 22.11.10

Vale a pena ouvir esta entrevista do historiador britânico Adrian Goldsworthy à Antena 1. Este afirma que a queda do Império Romano resultou de diversos factores que se foram somando ao longo dos anos. As guerras internas e rivalidades, nomeadamente, fizeram com que se fosse degradando a confiança que sustentava o poderio de Roma. Nesta entrevista conduzida pelo jornalista Daniel Belo, Adrian Goldsworthy compara a situação do Império Romano ao mundo político actual, em que os líderes partidários têm como objectivo ir para o poder em vez de tomarem decisões em benefício das pessoas que os elegeram. O investigador e autor de “The Fall of the West: the death of the Roman superpower” acredita que os políticos actuais tendem a cometer os mesmos erros que os romanos cometeram. Adrian Goldsworthy aconselha os decisores do mundo actual a pensarem mais nas pessoas para quem trabalham e menos no seu sucesso pessoal.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Saiam da toca, anónimos!

por Rui Crull Tabosa, em 22.11.10

Sei bem que os anónimos corporativos andam de cabeça perdida.

O 'chefe máximo' rebentou com o País. Primeiro, esbanjou centenas de milhões de euros dos contribuintes a comprar votos para ganhar as eleições de 2009, adiando criminosamente a tomada de medidas anti-crise. Agora que a despesa do Estado está descontrolada (sinal disso é o défice próximo dos 10%) e Portugal se encontra à beira da bancarrota, só faltando entrar o Fmi, subiu os impostos como não há memória, reduziu os salários na função pública e limitou as prestações sociais até ao limite do insuportável para as classes médias. Medidas em muito evitáveis se o governo tivesse acordado a tempo. Quanto ao orçamento, não fora o acordo com o PSD e a situação seria ainda pior para muitas famílias. No Governo sucedem-se as traições e as trapalhadas. O ministro dos negócios estrangeiros já deu a facadinha ao chefe, o ministro das finanças entrou em curto-circuito, a ministra da saúde vai gastando em assessoria de imagem o que lhe falta no orçamento, o secretário de estado das obras públicas emprega os amigos, etc., etc.

No Partido, António José Seguro e Francisco Assis medem forças a ver qual deles vai ter de limpar a corja que se instalou no Rato e transformou o País numa Sicília ibérica.

Das sondagens, então, nem um piu…

A rapaziada que trabalha naquela furna situacionista já não sabe o que fazer, que intrigas inventar, para envenenar a blogosfera.

Os ataques ao Presidente, que nas sondagens ultrapassa os 60% contra 25% do candidato do PS e dos trotskistas do Bloco, não surtem efeito, as provocações ao PSD são já patéticas, de tão desesperadas perante as sucessivas trapalhadas do governo PS.

A coisa está mesmo a correr mal.                            

Agora, esses anónimos biltres acusarem este vosso amigo de ser “mal-formado” deve ser para rir.

Identifiquem-se e depois falaremos sobre a formação moral de cada um. Sei que vos falta a coragem, cooperativa abrantes, mas fica feito o repto para que saiam da toca.

(na imagem, retirada daqui, uma toca de hienas)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Branco no branco

por João-Afonso Machado, em 21.11.10

O mar é assim. Uma revolta contínua contra a terra, a não ser quando vai de férias. Aliás, ávidamente aproveitadas pelos humanos. Nada a opôr... Calmaria à parte, o mais são as ondas, o estrondo, a invasão. Por isso eu gosto dele. Do seu inconformismo. Do modo assassino com que se alevanta.

E porquê? Porquê tantas mortes, tantas famílias cortadas a meio pela fúria do mar?

Pela mesma razão porque, todos os dias, se acabam os dias de tantos nas estradas. Pela sinistra aceitação da realidade. Pela anestesista constatação de que o que é - é.

À margem da tragédia, resta a Natureza. A beleza do seu movimento e da sua fúria. Um agitar de máquinas fotográficas que se aparentam com ela, dita criminosa. Tantas vezes homicida! Mas há momentos da vida em que o grandioso nos faz esquecer os irmãos. Uma culpa colectiva, talvez desculpável. Por isso os cargueiros fugiram para o largo. A milhas seguras. E os mais pequenos, seguramente, ficaram em casa. O mar pronunciou-se. Proclamou a sua má-disposição...

Assim todos o tenham ouvido. Sem mortes, sem dramas, resta o espectáculo. A força das correntes e o ribombar das águas. A espuma e o perigo. A imagem.

(Quantas vezes a imagem não dá o braço ao perigo... O mar é sempre o mar!).

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sexo, droga e computadores

por João Távora, em 21.11.10

 

 

De como o desconcertante Mark Zuckerberg, um génio bilionário hoje com vinte seis anos, é biografado para o cinema oito anos depois da criação do seu Facebook. Ou como a imparável marcha tecnológica na ausência de outras referências fomenta a ilusão de que vivemos um século num decénio. É essa voragem da história, do alucinante guião que Aaron Sorkin (Os Homens do Presidente) escreveu com base no livro The Accidental Billionaires de Ben Mezrich, que é projectada no cinema pelo gélido olhar do realizador David Fincher, num duríssimo testemunho sobre a intriga à volta dum grupo de estudantes de Harvard que disputam desregradamente as relações, o prazer e o êxito. Trata-se dum perturbante filme sobre os nossos dias e as trevas do nosso tempo, a vertigem do sucesso no desprezo pelos outros, ou do lado sombrio dum indivíduo centrado em si na criação da mais bem sucedida rede de partilha de impressões humanas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Händel - Violin Sonata in F Major HWV370 - Mov. 1-2/4

por Pedro Quartin Graça, em 21.11.10

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Enorme aflição a minha!

por João-Afonso Machado, em 21.11.10

Hoje almocei cogumelos. E depois fui ler o jornal de ontem, onde é notícia o envenenamento de cinco tailandeses, no Montijo, por terem ingerido... cogumelos! Ao que parece, a diferenciação entre os comestíveis e os venenosos é, recorrentemente, dificílima e daí os frequentes desastres. Ainda no outro dia morreu um casal em Grândola...

E agora, meu Deus?

Segundo o jornal - de ontem, o maldito! - dos cinco tailandeses, quatro necessitam com urgência de um transplante hepático. Assim mesmo! Narrado pelo periódico com esta fleuma. Como quem divaga sobre a ida de uma senhora ao cabeleireiro. Esquecendo que para salvar os desgraçados, é preciso aguardar a morte de outros tantos, em moldes que permitam aproveitar-lhes o fígado!

É da Imprensa, não da minha cabeça a qual, aliás, desconhecia a existência de cogumelos e tailandeses no Montijo. E, só para agravar o cenário, a variedade comida foi o Amanita phalloides, de todas a mais perigosa, de uma fisionomia indecorosa (que me recuso reproduzir nesta página), mugindo sempre como uma vaca mansa, só para enganar os incautos.

A taxa de mortalidade, nestes casos, ronda os 20%. Os sintomas mais graves da intoxicação ocorrem só ao fim de cinco dias. Começam com dores de barriga e diarreias. Daí à hepatite fulminante - e por isso a imprescindibilidade do transplante - é um ápice. Todos os anos se repetem os casos dramáticos. Famílias inteiras...

Ainda faltam quatro dias e meio para poder sossegar. Confesso, Deus meu, estar cheio de medo!

(E tenho de parar de escrever. Sinto algo estranho no baixo ventre. Meu Deus! Será...

Com l'cença, aí vou eu)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Boyada a extinguir

por Rui Crull Tabosa, em 21.11.10

"Governos Civis vão custar em 2011 cerca de 27,5 milhões de euros"

Autoria e outros dados (tags, etc)

Domingo

por João Távora, em 21.11.10


Evangelho segundo São Lucas 23, 35-43


Naquele tempo, os chefes dos judeus zombavam de Jesus, dizendo: «Salvou os outros: salve-Se a Si mesmo, se é o Messias de Deus, o Eleito». Também os soldados troçavam d’Ele; aproximando-se para Lhe oferecerem vinagre, diziam: «Se és o Rei dos judeus, salva-Te a Ti mesmo». Por cima d’Ele havia um letreiro: «Este é o Rei dos judeus». Entretanto, um dos malfeitores que tinham sido crucificados insultava-O, dizendo: «Não és Tu o Messias? Salva-Te a Ti mesmo e a nós também». Mas o outro, tomando a palavra, repreendeu-o: «Não temes a Deus, tu que sofres o mesmo suplício? Quanto a nós, fez-se justiça, pois recebemos o castigo das nossas más acções. Mas Ele nada praticou de condenável». E acrescentou: «Jesus, lembra-Te de Mim, quando vieres com a tua realeza». Jesus respondeu-lhe: «Em verdade te digo: Hoje estarás comigo no Paraíso».

 

Da Bíblia Sagrada

Autoria e outros dados (tags, etc)

A razão de ser de tanta alegria

por Pedro Quartin Graça, em 21.11.10

“O seu inglês é muito melhor que o meu português" [falando para Sócrates]

Barack Obama, Presidente dos Estados Unidos da América

Autoria e outros dados (tags, etc)

Democracias acordadas

por José Mendonça da Cruz, em 21.11.10

A Cimeira da OTAN em Lisboa descansou-me, fez que me sentisse num Mundo mais alerta. A mudança do conceito estratégico, a presença activa da Rússia (apesar da Geórgia e da Ucrânia, apesar do guarda-chuva anti-míssil), a atenção ao Afeganistão, são bons sinais. Estes bons sinais somados aos bons sinais das políticas de imigração de Sarkozy e à constatação por Angela Merkel da morte do multiculturalismo, sugere-me que o reconhecimento dos verdadeiros perigos já sai do domínio restrito dos serviços de informações e chega à vida política ordinária nas sociedades livres. Vamos deixar de ouvir conselhos para ter tolerância com os intolerantes. Já não há ursos para caçar - aliás os ursos juntam-se-nos e são benvindos à caça. Agora trata-se de víboras.

Autoria e outros dados (tags, etc)

A vê-los passar...

por João-Afonso Machado, em 20.11.10

Não é o mafarrico, no seu inferno verde de picos e silvas, a escarnecer de nós. Nem outra qualquer aparição, igualmente aterradora. É, da cabeça aos pés, ocultos, uma cabra, embora de ascendência francesa. E existe para dar leite, de que deriva o queijo, e os cabritos, sem os quais não há Páscoa nem S. João. Uma personalidade de primeirissimo plano, portanto.

Não lhe são reconhecidos grandes méritos de inteligência. Sociável, vive em rebanho, e o rebanho é composto por crianças, fémeas e, geralmente, um macho só! O maior, fatal garanhão, chefe incontestado.

Por isso, a cabrada dispensa as cimeiras. Não lhe falte é a ração e o prado. Um capítulo em que é extraordináriamente sensível e exigente. Insaciável. A minha guerra fria com as cabras resulta mesmo da necessidade de fraccionar campos e leiras com aramados que só atrapalham, quer a gente, quer os cães. Mas esta sozinha, posta em sossego e desvastando pacamente o seu silvado, dir-se-ia uma excepção. Está realizando uma obra útil e, até parece, tentando decifrar os celestes mistérios. Tantos aviões! E há um imensamente maior do que os outros!... Oxalá acabe esse chinfrim e os humanos regressem à normalidade deles. À tal crise em que lhes escasseia o dinheiro para comerem os nossos filhos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Um talento muito especial

por João Távora, em 20.11.10

 

Se é verdade, como refere hoje no Público no seu habitual tom jocoso Vasco Pulido Valente, que o sucesso da cimeira da OTAN confirma uma excepcional capacidade Lusa para administrar acontecimentos de grande complexidade logística e protocolar – em tempos eu próprio me envolvi profissionalmente na organização da Cimeira da OSCE com 52 chefes de Estado e de governo (!) e numa outra mais modesta, também da Nato mas ministerial -  o facto é que, o traço comum entre estes grandes eventos (aos quais  se podem incluir a Expo 98 e o Euro 2004), é, em maior ou menor grau, o eufórico e gigantesco despesismo, que com mais ou menos patrocínio externo, todos eles incorrem. Assim, lamento desiludir o popular cronista e historiador, mas eu diria que a nossa espantosa “capacidade de organização” corresponde a uma vocação e talento dos portugueses em fazer vida de ricos, a mesma que nos impede de "nos governarmos a nós próprios".

Autoria e outros dados (tags, etc)

Foge ZP antes que te apanhem!

por Pedro Quartin Graça, em 20.11.10

In: Galeria Henricartoon

Autoria e outros dados (tags, etc)

E os blindados, alguém sabe deles?

por Pedro Quartin Graça, em 20.11.10

Eram absolutamente necessários e chegariam a tempo. Depois já não chegariam todos, mas só dois. Afinal, a fazer fé nas últimas notícias, parece que não veio mesmo nenhum... A conclusão é que os 5 milhões do Orçamento do Governo Civil de Lisboa não se destinavam a blindados para a cimeira mas sim para a PSP, no futuro. A cimeira era um (bom) pretexto... No fundo, a confirmação do que já muitos haviam previsto.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Easy Rider

por João-Afonso Machado, em 20.11.10

Uma derradeira aceleradela, as mãos aos guiadores enchifrados, e os escapes soltaram-se em viagem infinda. Dennis e Peter iam aí, experimendando a liberdade total. Numa peregrinação de costa a costa, sabemos agora, de poente para nascente. Até à Europa. Valentes Harley Davidson's!

Nestes rumos de gente livre, nunca ficam diários de bordo. Por isso a inexplicabilidade do seu surgimento nas desertas artérias lisboetas. Gostaram! A Avenida do Brasil por sua conta, a Avenida dos EUA um deserto, na Avenida de Roma sempre a acelerar até à Praça de Londres, let's go to Technicall...

Foi quando a brigada os mandou parar.

- Sheet, Dennis, what is this?

- Cool, Peter, cool...

- And Águas Livres? I want Águas Livres. Freedom, man!

- Easy, Peter...

Pouco calhados no inglês, os agentes cumpriram a sua obrigação. Dos sovacos aos rins, perneiras abaixo, apalpando. Desatentos à maconha nos bolsos, ao capacete vermelho-azul-riscas-estrelas de Dennis, pendurado no encosto da máquina, e no chapéu de abas retorcidas, marca cowboy de Peter. A preocupação deles eram armas, explosivos. Guns! A ausência de um tradutor só facilitava.

- Please, it's our treap...

Os agentes prosseguiam a investigação. A dominar a impaciência, Peter e Dennis já cantarolavam:

- Young man! Are you listen to me? Young man! Don't you proud yourself?...

Havia helicópteros no ar. A polícia pareceu sossegar. Esforçou-se:

- The right, next. After, left, and right too, at Marquês and Eduardo VII Park...

- Thank you, officer. And for the Route 66?

- Sorry?

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

"Obama apoia medidas de austeridade de Sócrates"

por Pedro Quartin Graça, em 19.11.10

Hoje parece ser o dia em que tudo de estranho acontece cá pelo burgo. Antigamente ao tipo de declarações como as que hoje foram feitas pelo Presidente norte-americano Obama acerca das políticas seguidas pelo Governo Sócrates chamava-se "ingerência nos assuntos internos" de outros Estados. Mas as coisas devem ter mudado com a globalização... Agora diz-se tudo às claras e sem pudor. Sócrates agradece, é claro. Não que isso lhe sirva de muito. E Obama sabe-o.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Fartar vilanagem

por Rui Crull Tabosa, em 19.11.10

Já aqui escrevi sobre o escândalo de a Ministra da Saúde, que tem um buraco financeiro no Serviço Nacional de Saúde de longe superior a 2 mil milhões de euros (mais de 1% do PIB), que gastou, há dois anos, 50 mil euros numa cerimónia de pura propaganda (o lançamento do novo Hospital de Faro, a estar concluído, com sorte, lá para 2013...), que, ainda há meses, mandou fazer obras sumptuárias no seu gabinete e no da sua assessora de imprensa, pagar a esta verbas milionárias para amansar os jornalistas e esconder a absoluta incompetência e desnorte que reina no Ministério da Saúde.

Ficámos agora a saber, pela edição impressa do semanário Sol, que essa assessora e mais dois outros assessores de imprensa do Ministério da Saúde limpam ao erário público, por ano, a bonita soma de "225 mil euros", sendo que a referida assessora, uma ex-jornalista da SIC de nome Cláudia Borges, só ela, ganha mais de 7 mil euros por mês e recebeu de Ana Jorge - ou melhor, dos contribuintes - cem mil euros em 2009!

Este autêntico escândalo, assim como todos os outros que se lhe equiparem, têm de ter urgente fim.

Os governantes devem começar a perceber, de uma vez por todas, que o dinheiro do Estado não é deles, mas de todos os Portugueses.

Ordenados como os referidos equivalem a autêntica cleptocracia governamental.

Não me importa o que sucedeu no passado. Quero apenas acreditar - e acredito - que, quando o PS for corrido do poder, Passos Coelho saberá respeitar mais os contribuintes, administrando os recursos públicos com probidade e parcimónia e impedindo desmandos como os que proliferam no actual governo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Da cacofonia à oportunidade

por João Távora, em 19.11.10

 

O advento dos “social media” veio inequivocamente democratizar a Comunicação, despertando o interesse em novas áreas de negócio, organizações ou a zelosos e intervenientes cidadãos: Se os novos meios são por natureza um território de afirmação das Relações Públicas, não se lhes deve negar a natureza eminentemente democrática e orgânica, cuja “espontaneidade” potencia uma inegável efectividade nos resultados.
A inspiração, as boas ideias, o bom senso e o jeito para comunicar, são qualidades repartidas por onde menos se espera, e não é raro o surgimento de casos de sucesso comunicacional com as mais improváveis origens, emergentes das redes sociais. Acontece que o argumento diferenciador entre esses casos e as iniciativas profissionais não está certamente no clássico erro da concepção dum perfil inadequado numa página do facebook, cuja solução nada tem de transcendente. 
O acesso às modernas ferramentas de Comunicação a um universo há poucos anos impensável, se dá origem uma série de erros ingénuos que chocam o olhar dos profissionais mais puritanos, tem a grande virtude de, além da propiciar a revelação dos mais improváveis génios, de propagandear de forma massiva e nunca antes ambicionada nem em sonhos, a importância duma concepção profissional de uma Marca e de uma estratégia de Comunicação consistente e credível. Da importância das Relações Públicas.

 

Publicado originalmente aqui

Autoria e outros dados (tags, etc)




Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Os políticos encontraram o pão e circo que precisa...

  • Anónimo

    Regressar à GalileiaO Lago de Tiberíades é um luga...

  • Anónimo

    Isto aqui, sim que foi uma grande medalha de louvo...

  • Anónimo

    Protocolos de encontrosA ALDEIA GLOBAL TORNOU-NOS ...

  • Anónimo

    O povo nunca esquece nada. Deixa-os cá vir...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2008
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2007
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2006
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D

    subscrever feeds