Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Em nome da Liberdade

por João Távora, em 21.04.08
O que significa a indiferença global, perante esta carta de Rosa Coutinho a Agostinho Neto nos sombrios anos revolucionários? Não deveria o documento originalmente publicado no livro “Holocausto em Angola”, da autoria de Américo Cardoso Botelho (Edições Vega 2007) e divulgado por António Barreto num jornal de referencia nacional, originar um séria investigação e debate nacional? Atente-se nas palavras que transcrevo da dita carta: “ Após a última reunião secreta que tivemos com os camaradas do PCP, resolvemos aconselhar-vos a dar execução imediata à segunda fase do plano. Não dizia Fanon que o complexo de inferioridade só se vence matando o colonizador? Camarada Agostinho Neto, dá, por isso, instruções secretas aos militantes do MPLA para aterrorizarem por todos os meios os brancos, matando, pilhando e incendiando, a fim de provocar a sua debandada de Angola. Sede cruéis sobretudo com as crianças, as mulheres e os velhos para desanimar os mais corajosos. Tão arreigados estão à terra esses cães exploradores brancos que só o terror os fará fugir. A FNLA e a UNITA deixarão assim de contar com o apoio dos brancos, de seus capitais e da sua experiência militar. Desenraízem-nos de tal maneira que com a queda dos brancos se arruíne toda a estrutura capitalista e se possa instaurar a nova sociedade socialista ou pelo menos se dificulte a reconstrução daquela”.
Em 1975, com catorze anos, eu militei como podia e sabia, contra o impetuoso processo revolucionário totalitarista que se desenrolava sob a liderança do PCP. Durante a ponte aérea daquele quente Verão de 75, no convívio com os retornados que acolhíamos distribuindo bens de primeira necessidade à chegada a Lisboa, muitas e desesperadas denuncias nos eram sussurradas com desespero. Assim, nenhum destes casos denunciados me é totalmente estranho.
A crónica de Ferreira Fernandes hoje no Diário de Notícias tocou-me como um violento soco na barriga: porque eu próprio a aceitei como falsa “porque sim"? Porque de facto a indiferença foi generalizada. A “intelligenzia” dominante criou e alimenta os seus Tabus, Vacas Sagradas e Bodes Expiatórios. Quando nos preparamos para celebrar uma vez mais o 25 de Abril, convém lembrar que sem a verdade não há efectiva Liberdade: sobram a alienação e o oportunismo que, alimentadas pelos poderes, constituem a mais vil das opressões.
 
 
 

Autoria e outros dados (tags, etc)



17 comentários

Sem imagem de perfil

De cristina ribeiro a 21.04.2008 às 12:15

Uma investigação séria, para acabar com quaisquer "zonas cinzentas", que possam ainda persistir, é o que numa democracia, digna desse nome, se deverá fazer; de que estão à espera aqueles de quem temos o direito de exigir tal serviço?
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 21.04.2008 às 13:17

tem a certeza que o documento é verdadeiro?
Sem imagem de perfil

De cristina ribeiro a 21.04.2008 às 13:50

Por haver quem levante dúvidas, é que me parece importante haver uma investigação que clarifique as coisas...ou vai continuar sempre a interrogação no ar, sabendo nós que o processo de descolonização foi tudo menos limpo...
Sem imagem de perfil

De Luís Bonifácio a 21.04.2008 às 13:41

Caro João

A indiferença de Ferreira Fernandes é diametralmente oposta à sua.

Ferreira Fernandes, que na semana anterior afirmou taxativamente: "A carta é Falsa porque ... sim." queria um enorme coro de protesto contra António Barreto e o desagravo de Rosa Coutrinho, o seu Almirante vermelho.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 21.04.2008 às 14:54

Investigue-se porque as dúvidas dão para os dois lados, não porque se assume que a carta é verdadeira
Sem imagem de perfil

De J.C. a 21.04.2008 às 15:28

Não sei dar outros pormenores, mas tenho quase a certeza de que essa carta já se provou ser falsa.
Sem imagem de perfil

De josealbergaria@gmail.com a 21.04.2008 às 15:39

Carissimo João Távora,

A cada dia que passa, mais sou fã do Corta Fitas!

Porquê?...porque sim!

Agora, a sério: a minha divisa de bloger é "Sou amigo de Platão, mas amo a verdade", Aristóteles.

E é por ser um aristotélico impenitente que, cada vez gosto + da VERDADE e, sendo ELA, cultuada por quem quer que seja!

Deveriamos criar UM BLOG, transversal, que reuniria TODOS os que AMAM, verdadeiramente, a VERDADE e NUNCA deixariamos entrar NELE, no BLOG, um qualquer "pesporrente" que lhe apertam o papo,À VERDADE, a cada passe de interesse mesquinho, corporativo ou equiparados.

Zé Albergaria
Imagem de perfil

De João Távora a 21.04.2008 às 15:58

Caro Luis: Claro que eu reparei na provocação desse “porque sim” de Ferreira Fernandes à qual encolhi os ombros na semana passada. Desta vez enfiei o barrete: em relação a tantas iniquidades politicamente correctas é impressionante a apatia em que tendemos a cair em troca dum prato de lentilhas, ou apenas por mero cansaço.
Sem imagem de perfil

De Luís Bonifácio a 21.04.2008 às 17:36

Eu também me inclino para que a carta seja falsa.
Mas isso é uma razão para averiguar da sua falsidade, ou não e também para se conhecer o que realmente se passou em Angola em 1975, e as verdadeiras acções que os responsáveis Portuguesas fizeram lá.
Sem imagem de perfil

De nuno castelo-branco a 21.04.2008 às 16:13

O problema mexe com interesses bem instalados na base do regime. Já viu o que seria um processo desses, com dúzias de nomes bem conhecidos atirados à lixeira da história? Eles estão vivos, de boa saúde e fazem grandes negócios. Um dos mais risíveis argumentos contra a aceitação da carta como verdadeira, é aquele que a declara como mal escrita, boçal e crua. Aconselho os cépticos a pesquisar um pouco o teor das afirmações dos nossos "donos do momento" e concluirão acerca do tipo intelectual predominante. A boçalidade, o primarismo e a velha e querida brutalidade dos oportunistas é patente em cada frase. Os jornais, revistas e o arquivo da RTP relativo a 74-75, são o maior libelo de acusação que podemos imaginar. Está lá o programa todo, desde a traição, à inépcia e ao ódio puro e simples. Os crimes contra a humanidade não prescrevem. Por muito menos daquilo que se passou em Angola e Moçambique, o sr. Milosevic foi parar a Haia.
Sabendo todos o que aconteceu - eventos decalcados daquilo que a carta explicita -, provem que a missiva é falsa. No que a mim, parte interessada diz respeito, acredito que seja verdadeira. Porque sim!
Sem imagem de perfil

De cristina ribeiro a 21.04.2008 às 19:21

A este respeito, acabo de ler no «Blasfémias» um post de Helena Matos, "Que ao menos desmintam", muitíssimo elucidativo. Está lá tudo.
Sem imagem de perfil

De Peter a 22.04.2008 às 00:46

Bem pensava que as tàcticas ensinadas pelo embaixador Carlucci (Um alto quadro da CIA) ao PS durante o PREC jà estivessem em desuso, mas pelos vistos não. Não deixa de ser curioso essa suposta carta de que António Barreto fala só agora ter sido tornado pública. Porque é que na altura não foi divulgada? Até teria sido muito útil do ponto de vista político para os adversàrios do PCP. O timming da divulgação da suposta carta então é excelente visto que o Almirante se encontra gravemente doente e não pode defender o seu bom-nome, o que demonstra bem o baixo nível do sr.António Barreto.
Ainda mais engraçado é o sr.Ferreira Fernandes afirmar que a carta apareceu num jornal sul-africano em 1975, um país onde a liberdade de expressão era enorme no conhecido regime do Apartheid racista e fascista, bastante credível não achavam? Mas no fundo a questão que se coloca aqui é outra.O PS sabe bem que o povo português està extremamente insatisfeito com a sua política governativa e como o PSD é uma vergonha porque se està assistir a uma luta fraticida de galos pelo poder o PP encontra-se moribundo e o BE vive dos impulsos mediàticos e não tem uma ligação às massas efectiva, o PS tem receio que os eleitores se virem para o PCP, até porque os grandes movimentos de contestação social recentes têm sempre o seu apoio e vàrios militantes comunistas os integram com papéis de destaque na organização dos mesmos.
O medo està instalado e até às próximas eleições legislativas mais casos fictícios como este hà-dem ser desenterrados, programas sobre os ex-países socialistas e os seus grandes erros serão transmitidos pelas televisões, para demover os portugueses de votarem pelo único partido que realmente luta pela melhoria das condições de vida da maioria, sim porque a minoria da qual vocês fazem parte vive à grande e à francesa.
Sem imagem de perfil

De JPG a 23.04.2008 às 19:16

A menos que também seja falsa a imagem da página do jornal em que a carta foi publicada (em 1977, não em '75), pelo menos dessa publicação podemos ter a certeza.
Tive a oportunidade de falar com uma sul-africana, que estava lá nessa data e que se recorda perfeitamente do brado que tal coisa deu, na altura.

http://www.macua.org/images/cartrosa.jpg

Comentar post


Pág. 1/2



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    A propósito a ler:Carta a António Costa, por Antó...

  • pvnam

    O PROBLEMA DO POLITICAMENTE CORRECTO NÃO É A JUSTI...

  • Anónimo

    Este Lavoura está a ficar meio amalucado, coitado....

  • Martim Moniz

    "Do povo às “elites” (desculpem), cada elemento d...

  • JPT

    E atrás desses vieram outros, e atrás desses outro...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2008
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2007
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2006
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D