Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Um tablóide chamado 'Nouvel Observateur'

por Pedro Correia, em 28.02.08

 

Estive à espera do habitual coro de virgens pudicas. Em vão: nem uma crítica das bempensâncias do costume ao Le Nouvel Observateur, esse prestigiado título de referência da imprensa francesa, que publicou um suposto SMS alegadamente enviado por Nicolas Sarkozy à ex-mulher, Cecilia. Ainda não há muito, as tais bempensâncias elogiavam os media franceses por não se imiscuirem na vida íntima das figuras públicas, sendo por isso um exemplo universal, blablablablablablablá. Afinal de nada valeu a reputaçãozinha: Le Nouvel Observateur agiu como o mais reles tablóide. Por mim, continuo a aguardar que as tais virgens soltem ao menos um grito de indignação. Mas, à cautela, esperarei sentado.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Plus Qu'hier Moins Que Demain

por Francisco Almeida Leite, em 28.02.08

Je t'aime plus qu'hier moins que demain
Je te suivrai au bout du chemin
Tu es mon seul amour pour toujours
Laisse-moi t'aimer un peu plus chaque jour

Les semaines passent je ne vois plus le temps
Tout est différent avec toi
Je t'attendais depuis longtemps
Enfin, t'es dans mes bras

T'as changé ma vie, mes jours et mes nuits
Avec toi, je n'ai plus d'ennuis
Je pourrais tout te donner
Si tu restais à mes côtés

Car je t'aime plus qu'hier moins que demain
Je te suivrai au bout du chemin
Tu es mon seul amour pour toujours
Laisse-moi t'aimer un peu plus chaque jour

Tu es la femme que je veux
Et je suis très heureux
D'être gai triste avec toi
Car tout est si merveilleux
Quand tu es dans mes bras

Tu m'apportes la joie, le soleil dans ma vie
La magie lorsque tu souris
Et tout ce que j'oublie
Quand tu apparais là devant moi

Oui, je t'aime plus qu'hier moins que demain
Je te suivrai au bout du chemin
Tu es mon seul amour pour toujours
Laisse-moi t'aimer un peu plus chaque jour

Car je t'aime plus qu'hier moins que demain
Je te suivrai au bout du chemin
Tu es mon seul amour pour toujours
Laisse-moi t'aimer un peu plus chaque jour

---------------

Acham que a Carla Bruni era capaz de dizer isto ao Nicolas Sarkozy? Ou vice-versa? Je t'aime plus qu'hier moins que demain foi a frase que o meu trisavô mandou gravar numa escrava de ouro que ofereceu à avó Mia. Os tempos, hoje, são outros, não são?

Autoria e outros dados (tags, etc)

O triunfo da fotonovela

por Pedro Correia, em 28.02.08

 

Folheio umas revistas cor-de-rosa. Fico-me pelos títulos, que são expressivos quanto baste.

Eis alguns:

- Modelo quer voltar para ex namorado

- X deu autógrafos nas virilhas

- Y é o novo dono do coração de W

- Amor tranca-a em casa

- Apaixonou-se por um amigo do pai

- K tem nova namorada brasileira

- J apaixonado

- A vitória do amor

Sempre me surpreendeu este jornalismo de fotonovela, que até agora tinha a evidente virtude de não se levar demasiado a sério. Receio, no entanto, que as coisas estejam a mudar. E que este seja um padrão que alastre a outros níveis. O que é a “assumida paixão” entre o “direitista” Nicolas Sarkozy e a “esquerdista” Carla Bruni (modelo perfeito de bloco central), documentada até à náusea, senão uma óbvia rendição aos padrões da fotonovela, que hoje contaminam tudo – a começar pela política?

Autoria e outros dados (tags, etc)

O homem certo no lugar certo

por Francisco Almeida Leite, em 28.02.08

Segundo consta por aí, Fernando Negrão terá sido indicado para presidir à comissão de inquérito parlamentar à supervisão financeira em Portugal. Uma comissão que irá analisar, com detalhe e pormenor, alegadas irregularidades em instituições bancárias como o BCP. Sabendo-se a dificuldade de Negrão em lidar com siglas - que ficou bem patente nas autárquicas quando trocou as voltas à EMEL, GEBALIS ou a EPUL -, só se espera que o deputado não troque o BCP com o BPI (pelos motivos óbvios), nem coisas do género. A segunda nota para dizer que só compreendo a opção por Negrão à luz da sua profissão: juiz. É que o deputado não domina muito bem as questões económicas e da banca, logo a escolha quererá dizer que o PSD pretende que os trabalhos da comissão funcionem como uma espécie de tribunal...

Autoria e outros dados (tags, etc)

O blogue da semana

por João Távora, em 28.02.08

Calhou a mim fazer a estreia da eleição do  blogue da semana do Corta-Fitas. Assim, já consta ali na barra lateral o Nocturno, blogue que descobri  recentemente via Miguel Castelo Branco – honra lhe seja feita. Neste sitio mora uma Luísa que compõe primorosamente uma escrita com gente lá dentro. E as suas fotografias, magnificamente sedutoras, estão cheias de Lisboa, em diferentes ângulos, poses e esquinas. O Nocturno é um sítio cheio de luz. Uma dádiva enrolada nos dias, a usufruir com regularidade e prazer.

Autoria e outros dados (tags, etc)

A melhor década do cinema (61)

por Pedro Correia, em 28.02.08

O ACOSSADO

(À Bout de Souffle, 1959)

Realizador: Jean-Luc Godard

Principais intérpretes: Jean-Paul Belmondo, Jean Seberg, Daniel Boulanger

"Godard faz tábua rasa. Tábua rasa da psicologia, da sociologia, da lógica, da moral e, claro, do cinema tradicional." (Jean Collet)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Lisboa, terra de ninguém

por João Távora, em 28.02.08

Será que António Costa, por conta das más contas, se esqueceu de que assegurou aos lisboetas uma cidade com o estacionamento disciplinado? É por falta de dinheiro que não se reprime eficazmente o estacionamento selvagem, ou simplesmente a autoridade receia a rebelião popular? É que, no bipolar entendimento bem português, a efectividade da lei tem no mínimo duas leituras, consoante se é vitima ou prevaricador.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Por qué no te callas? (14)

por Pedro Correia, em 28.02.08

"Os próprios professores verão uma mudança [na gestão das escolas] que atrairá os pais e a comunidade."

José Sócrates, ontem, na Guarda

Autoria e outros dados (tags, etc)

Doze palavras cheias de ranço

por Pedro Correia, em 28.02.08

Acho despiciendo responder a tais reptos, Helder. Mas urge problematizar esta tematização, que é  incontornável. Outrossim, não serei eu a obstaculizar e muito menos a postergar o teu desiderato. Concomitantemente, há que implementar a listagem, sem mais resiliência.

E vão doze. Espero que sirvam. Se não servirem, tenho mais oitenta e três prontas a usar. Todas deste género, bem cheias de ranço. É incontornável, outrossim.

 

P. S. (sem conotações) - Passo a corrente aos meus colegas de blogue: digam lá também doze palavras de que não gostem mesmo nada. Ok?

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Postais blogosféricos

por Pedro Correia, em 28.02.08

1. Dois outros blogues fizeram como nós: o Janelar e a Controversa Maresia também já estão na plataforma Sapo. Sejam bem-vindos.

2. "Deslocalizar", Carlota? Pois: também odeio essa palavra.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Reciclar a dobrar*

por João Villalobos, em 27.02.08

3 de Outubro de 2006. A notícia da RTP: «Marques Mendes apresenta hoje 15 medidas para apoiar PME`s».

27 de Fevereiro de 2008. A notícia da RTP: «PSD apresenta 5ª feira pacote de 29 medidas de apoio às PME».

*Já agora, 30 teria sido um número mais redondinho.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Lui-même

por Francisco Almeida Leite, em 27.02.08

Autoria e outros dados (tags, etc)

Kosovo: a Europa desunida

por Pedro Correia, em 27.02.08

Alguém aí falou em Europa unida? Por estes dias, o confrangedor espectáculo dos dirigentes europeus sem uma política concertada e coerente sobre a “independência” unilateral do Kosovo vem exibir com nitidez os limites da chamada “construção europeia”, ficção política sem tradução prática sempre que estão em causa os sacrossantos interesses nacionais no Velho Continente. A “Europa” divide-se quanto ao Kosovo: enquanto Alemanha, França, Itália e Reino Unido, a reboque de Washington, se apressam a aplaudir esta “independência” sem suporte jurídico internacional, países como a Espanha, a Grécia, Chipre, a Bulgaria e a Roménia já anunciaram que não reconhecerão o Kosovo como estado independente. Nuns casos joga-se aqui a esfera de influência russa: Moscovo não tolera o corte de laços políticos entre o Kosovo e a Sérvia, que abre um precedente às reivindicações autonómicas dentro do seu próprio território. Espanha, confrontada com a explosão quase incontrolada das “nacionalidades” no seu interior, também não quer tal precedente. E Atenas sabe bem que um Kosovo “independente” dá mais fôlego à chamada República Turca do Norte do Chipre que Ancara pretende impor desde 1974, contra a vontade dos cipriotas gregos.

O Kosovo pode ser um vírus pronto a alastrar na Europa. Veja-se a Bélgica, prestes a implodir devido ao interminável conflito entre flamengos e valões. Repare-se nos húngaros que se agitam na Voivodina e na Transilvânia. Ouça-se o clamor de bascos e catalães. Dentro das próprias fronteiras dos estados que se apressaram a reconhecer o Kosovo não faltam pulsões nacionalistas – desde a Escócia, cada vez mais distante de Londres, à Córsega e ao País Basco francês, já para não falar nas eternas clivagens regionais no frágil estado italiano e dos problemas territoriais entre a Polónia e a Alemanha.

Em pleno século XXI parece às vezes que recuámos duzentos anos na História. Eis-nos novamente no início do século XIX, nacionalista e fragmentário. Só nos falta um Lorde Byron, tendo numa mão a espada e noutra a pena…

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Uma história sem moral

por João Távora, em 27.02.08
No outro dia, ao contornar a sumptuosa estátua do Marquês de Pombal, a minha filha de sete anos perguntou-me quem era aquele personagem de cabeleira lá em cima de tão magnificente pedestal. Falei-lhe então do Sebastião José, politico astuto, ambicioso e visionário. Acontece que por razões óbvias e para não faltar à verdade não pode ignorar o seu carácter facínora. Logo notei como criara a confusão naquela cabecinha maniqueísta e cheia de conceitos absolutos. Perguntou-me a seguir como é que aquele senhor, depois de ter mandado matar os Távoras e os padres Jesuítas não tinha sido preso pela polícia; ao que eu, encurralado, elucidei-a  que era ele que mandava na policia, e que na realidade a vida era complicada e nem sempre era justa. Expliquei-lhe ainda, com afecto, que ao contrario das histórias do Tintim que lhe leio à noite, e dos contos da Disney que ela consome deliciada, na vida real nem sempre ganham os bons. Já em silêncio, cruzámo-nos então com a estátua do António José de Almeida a caminho da casa da avó que agora mora ali prá Almirante Reis.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Com amor e com raiva

por João Villalobos, em 27.02.08

Um amigo meu, militante do PSD ao longo de 30 anos, enviou agora a Ribau Esteves a sua carta de adeus ao partido. Conheço-o desde 1984. Durante todo este tempo, vi-o oferecer muitas e boas ideias que ou ninguém aproveitava ou outro alguém parasitava. Em simultâneo, observei como era convidado para cargos de relevo por personalidades socialistas ou independentes, que lhe reconheciam o valor que os seus companheiros partidários desdenhavam. Porque não fazia vida de secção, não bajulava pela sede e acreditava na meritocracia, o meu amigo demorou três décadas a perceber o óbvio. Mesmo assim, estive a ouvi-lo ao telefone durante meia-hora como quem ouve a penosa descrição de um luto recente. Podia tê-lo consolado com esta passagem do nosso Eça:

«Em Portugal não há ciência de governar nem há ciência de organizar oposição. Falta igualmente a aptidão, e o engenho, e o bom senso, e a moralidade, nestes dois factos que constituem o movimento político das nações. A ciência de governar é neste país uma habilidade, uma rotina de acaso, diversamente influenciada pela paixão, pela inveja, pela intriga, pela vaidade, pela frivolidade e pelo interesse. A política é uma arma, em todos os pontos revolta pelas vontades contraditórias; ali dominam as más paixões; ali luta-se pela avidez do ganho ou pelo gozo da vaidade; ali há a postergação dos princípios e o desprezo dos sentimentos; ali há a abdicação de tudo o que o homem tem na alma de nobre, de generoso, de grande, de racional e de justo; em volta daquela arena enxameiam os aventureiros inteligentes, os grandes vaidosos, os especuladores ásperos; há a tristeza e a miséria; dentro há a corrupção, o patrono, o privilégio. A refrega é dura; combate-se, atraiçoa-se, brada-se, foge-se, destrói-se, corrompe-se. Todos os desperdícios, todas as violências, todas as indignidades se entrechocam ali com dor e com raiva».

Autoria e outros dados (tags, etc)

A melhor década do cinema (60)

por Pedro Correia, em 27.02.08

GANGSTERS FALHADOS

(I Soliti Ignoti, 1957)

Realizador: Mario Monicelli

Principais intérpretes: Totó, Vittorio Gassman, Renato Salvatori, Marcello Mastroianni, Memmo Carotenuto, Rosanna Rory, Carla Gravina, Claudia Cardinale

"Uma comédia deliciosa." (Charles Matthews)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Ei-las que regressam

por João Villalobos, em 27.02.08

 Um filme onde Jesus enfrenta vampiras lésbicas. Existirá uma obra capaz de alcançar um nível de tão esmagadora transcendência pop? Oh, sim, se existe! Chama-se Jesus Christ Vampire Hunter e, na fita, o messias mostra o que vale combatendo ao lado de El Santo, um lutador de wrestling mexicano e de Mary Magnum, mulher fatal vestida de vermelho com paixão por canhangulos. "In the new millennium, vampires no longer fear the sun. Now they're going to learn it's time to fear the Son of God", anuncia com um trocadilho bem engendrado o trailer desta produção canadiana de baixo orçamento. Já estou a imaginar o nosso Távora com os pelos do braço todos arrepiados. Mas, no fundo, a mensagem não merece críticas: O Bem vence, a Luz derrota a sombra e as lésbicas deixam de ser atacadas por quem lhes quer mal. Final feliz, portanto.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sempre incómodo, este Belmiro

por Teresa Ribeiro, em 27.02.08

Cobrar de qualquer jeito passou a ser um desporto do Estado - disse ontem Belmiro de Azevedo naquele tom meio agastado, meio displicente que lhe conhecemos e tanto irrita a nossa classe política.

Mas quem o pode censurar? Quem sabe gerir e criar riqueza é natural que sinta um certo desprezo por todos aqueles que só conseguem equilibrar as suas contas através do dinheiro que vão extorquindo aos outros, no caso os contribuintes.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Uma questão de ansiolíticos

por Pedro Correia, em 27.02.08

O melhor comentário ao frente-a-frente Rajoy-Zapatero surgiu na edição de ontem do El Mundo e vem assinado por Raúl del Pozo, um comunista cheio de ironia e talento. "O ansiolítico que Rajoy tomou era melhor do que o de Zapatero. Este ficou com a língua pastosa e cara de vampiro pacífico. Não houve KO neste combate de cinco assaltos de 15 minutos cada. Rajoy ganhou aos pontos", escreve Raúl. Zapatero deve ter mandado imediatamente um dos seus assessores à farmácia para comprar um novo ansiolítico. O próximo debate com Rajoy é já na segunda-feira.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Atenção, anónimos

por Pedro Correia, em 27.02.08

Serve esta para vos informar que podeis continuar a comentar livremente neste blogue. O endereço electrónico que vos é pedido na nossa nova morada é facultativo: só preenche quem quer. Fazei lá a experiência, por obséquio: não custa nada. Convosco por cá isto tem ainda mais graça.

 

(Obséquio? Odeio esta palavra...)

Autoria e outros dados (tags, etc)




Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • António

    Portugal está cheio de Salazarinhos.

  • Anónimo

    Presumo que a medida não se aplica aos bovinos mac...

  • Anónimo

    ..." Mas não nos acontece, tal como o filho mais v...

  • Anónimo

    Este andaço para pouparem a vida dos animais é dev...

  • Anónimo

    Modas e vontade de ficar bem na fotografia...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2008
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2007
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2006
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D

    subscrever feeds