Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Money makes the world go around

por Teresa Ribeiro, em 08.04.08

Li numa Veja atrasada (creio que a de 13 de Fevereiro) uma entrevista com a coordenadora para a Educação do Estado de S.Paulo, um estado onde se contabilizam cerca de 5 milhões de estudantes. Neste momento ela está empenhada em prosseguir com uma política que naturalmente não se inventou no Brasil e que já tem provas dadas nos EUA e na vetusta Inglaterra.
A braços com taxas de insucesso escolar ainda piores do que as nossas, no Brasil a discussão sobre o sistema de ensino também está na ordem do dia. Este departamento paulista acredita que substituir órgãos colegiais pela figura do director ajuda a pôr ordem nas escolas e dá um único rosto a quem devem ser pedidas responsabilidades, o que simplifica o diálogo com os serviços estaduais de Educação. A política que será posta em curso baseia-se em incentivos que visam estimular professores, directores e até auxiliares de educação. A lógica é linear: promete-se mais dinheiro a quem fizer melhor. A avaliação é transversal: cruzam-se dados sobre o funcionamento da escola aos mais diversos níveis.
Na entrevista, esta responsável diz que nos países em que este modelo foi adoptado a experiência indica que quanto melhor a escola funciona, melhores são os resultados alcançados pelos estudantes. Se extrapolarmos esta relação de causa e efeito para as empresas sabemos que costuma ser assim e que nas organizações que funcionam bem se desenvolve mais facilmente um sentimento de pertença por parte dos seus trabalhadores, que só pode dar ainda melhores resultados.
A autonomia das escolas e a figura do director já este governo pôs em cima da mesa. Mas, no modelo que os paulistas querem seguir, os professores não aparecem como bodes expiatórios, uma vez que não são os únicos a ser avaliados (se contextualizada, a avaliação do desempenho de cada um dos profissionais envolvidos torna-se mais justa).
E depois há o dinheiro... Melhores resultados significam mais dinheiro no bolso de todos os funcionários. Quer se queira quer não, este é o mais poderoso dos incentivos.



3 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 08.04.2008 às 14:54

Eu acho que também deviam por algum no bolso dos alunos que se portarem bem. É o melhor dos incentivos.
Sem imagem de perfil

De anónimo a 08.04.2008 às 21:56

Oh Teresa Ribeiro, assumir assim em público que o vil metal é o melhor dos incentivos não é politicamente correcto!
Sem imagem de perfil

De anabela valente a 08.04.2008 às 23:22

Sou professora e não me choca que as escolas públicas venham a ser geridas como empresas. Afinal no ensino privado é assim que se funciona e com bons resultados.

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Infelizmente, percebemos também a nossa tendência ...

  • zazie

    Tu é que precisavas de ler Descartes para perceber...

  • zazie

    Alucinação colectiva é a tua panca em acreditar qu...

  • Ana ☯

    Somos livres de sentir. Por enquanto, somos livres...

  • Ana ☯

    Dona Isabel, espero que a parte dos “idiotas úteis...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2006
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D