Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Se a minha avó tivesse rodas… (crónica)

por João Távora, em 13.08.06
Rui Tavares no seu curioso “Pequeno Livro do Grande Terramoto”, confronta as teses “deterministas” com as “pirronistas” (ou cépticas) e faz até alguns inconsequentes exercícios teóricos “do que teria sido” se “não tivesse acontecido”. Até põe a fictícia “Amália” a passear pela baixa “medieval” que existiria no séc. XXI se não fosse o Terramoto. E o que seria do Conde de Oeiras se não fosse o fatal evento?
Não sou historiador, mas prossigo atentamente a história do meu lugar e do nosso mundo com curiosidade. Atribuo em parte este gosto a uma necessidade de “aconchego existencial”. E também porque assim vou percebendo cada vez melhor a vida e o presente que me cabe em sorte.
Nestas minhas saborosas férias, já quase liberto das agitadas rotinas urbanas e laborais, intervalo os mornos banhos de mar salgado e mergulho na prometida "bibliografia balnear". Por ora não quero mais saber dos incêndios, da política nacional e sinto asco à malfadada guerra no Líbano.
Ao invés, com as minhas leituras, uma vez mais me "angustio" com a crueldade da arbitrária história e o assassinato de D. Carlos e de D. Luís Filipe, com a decadência das “elites” nacionais, com o “Deus dará” das patéticas e inconsequentes incursões monárquicas.
E, pegando nos exercícios lúdicos de Rui Tavares invento o seguinte cenário: D. Carlos e D. Luís Filipe escapavam ao brutal atentado de 1 de Fevereiro de 1908 no Terreiro do Paço… E com uma liderança efectiva da coroa não teria havido lugar à emergência da canalha jacobina no 5 de Outubro. Teria sido posteriormente, já com D. Luís Filipe, a monarquia constitucional devidamente modernizada, a exemplo do que se passava com os restantes estados europeus? Acredito que sim.
E depois, duas questões oportunas: neste quadro, sem o caos da 1ª república, o que é que justificava Oliveira Salazar? E assim importávamos uma guerra civil de Espanha? E os projectos coloniais para Angola de Henrique Paiva Couceiro teriam lugar?
Que "bater de asa" de uma qualquer borboleta na China nos teria desviado de tantos fados a que temos sobrevivido?

Autoria e outros dados (tags, etc)



2 comentários

Sem imagem de perfil

De Pedro Correia a 14.08.2006 às 12:56

Interessante reflexão...
Sem imagem de perfil

De Manuel Arriaga e Cunha a 14.08.2006 às 12:01

Interessante exercício intelectual. Pessoalmente, sou de opinião que o resultado seria o mesmo. Tudo não passa de uma doença pela qual tivemos inevitavelmente que passar: a canalhada jacobina e comunista, esta esquerda em geral, parasita que teima em sugar o país de riqueza e valores, até que nada reste senão um corpo ressequido e moribundo. Com o resultado à vista Portugal poderá finalmente abrir os olhos e então decidir-se a arregaçar as mangas e libertar-se desta terrível doença. Mas cuidado que a cura já tarda...

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Completamente de acordo . Para esta gente que apar...

  • Anónimo

    Este país não tem futuro.Está a ser vendido a reta...

  • Martim Moniz

    E qual é o nacionalismo certo?(o que diz que não d...

  • Anónimo

    Inventei um slogan para o corta-fitas: "Corta-Fita...

  • Luís Lavoura

    Não estou a ser irónico. Um apartamento em Lisboa ...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2017
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2016
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2015
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2014
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2013
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2012
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2011
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2010
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2009
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2008
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2007
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2006
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D