Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Notas eleitorais

por Pedro Correia, em 12.02.07

1. José Sócrates é o grande triunfador do referendo. Uniu o PS nesta campanha, ao contrário do que sucedera com António Guterres em 1998, impôs a consulta popular às restantes forças de esquerda e dividiu a direita. Ninguém pode acusá-lo de falta de coragem política: disse sempre o que queria e para onde ia. Honrou o compromisso estabelecido com o eleitorado de só voltar a legislar sobre o aborto após novo referendo e elegeu para mote da campanha o “sim responsável”, acentuando a imagem de moderação que recolocou o seu partido no eixo central da política portuguesa. Radicalismos? Nem pensar. É um Sócrates mais equilibrado, mais “europeu”, que emerge deste referendo. De caminho, aparenta resolver um problema – o do aborto – que permanecia há décadas sem solução. “Os portugueses querem que este tema deixe de ser um foco de conflito e de disputa política”, sublinhou na noite eleitoral. Palavras que podiam ser proferidas por qualquer cidadão deste país.

2. O que se passa com Marques Mendes? De erro político em erro político, o presidente do PSD vai-se tornando uma figura cada vez mais irrelevante. No caso do aborto, começou por reiterar a liberdade de voto, tradicional entre os sociais-democratas desde o tempo de Sá Carneiro. Salvaguardou a sua posição pessoal (votou “não"), mas fê-lo num palco institucional, falando na sede nacional do partido. Logo a seguir viu quase um terço da sua bancada parlamentar transferir-se para o campo do “sim” e desde então pareceu agir empurrado por terceiros – de Marcelo Rebelo de Sousa, que condicionou toda a campanha laranja, a Manuela Ferreira Leite. Permitindo por um lado que os tempos de antena do PSD se colassem ao “não”, por outro lado aproveitou a recta final da campanha para ensaiar autênticas piruetas verbais, em que quase aparecia como o primeiro dos defensores da despenalização das mulheres. Um “sim” que votava “não”: com isto só baralhou ainda mais o já confuso eleitorado social-democrata. Por contraste, Sócrates proporcionava aos portugueses uma imagem de estadista...

3. O instituto do referendo pode não estar já morto. Mas ficou moribundo com a machadada quase fatal que o eleitorado ontem lhe aplicou. Se até um assunto como o aborto - que durante anos polarizou a sociedade portuguesa - não consegue atrair sequer metade dos eleitores às urnas, que expectativa restará quando se referendar qualquer outro tema? A propósito disto, muito justamente, interrogava-se aqui o Luís Naves em termos que subscrevo. Politicamente válido, como todos os partidos ontem reconheceram, mas inválido nos termos definidos pela Constituição da República, este segundo referendo ao aborto comprova que os portugueses, naturalmente satisfeitos com os mecanismos da democracia representativa, não se sentem atraídos pela democracia directa. Há que respeitar a vontade popular também neste campo. E deixar o referendo em pousio. O que significa isto? Para já, que a regionalização (que só pode avançar por via referendária) fica adiada sine die, o que constitui uma excelente notícia. Teremos sempre de aguardar uma revisão da nossa lei fundamental que altere a moldura constitucional do referendo - a começar pela absurda (e incumprida) regra que exige maioria de votantes para validar a consulta. A avaliar pelos nossos hábitos políticos, é tarefa para demorar anos. Até lá, o referendo bem pode ficar guardado numa qualquer gaveta própria para arquivar inutilidades.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:



9 comentários

Sem imagem de perfil

De cinderela-dos-pes-grandes a 13.02.2007 às 15:41

Sócrates terá ganho... mas vamos a ver ATÉ QUANDO: vamos a ver se realmente CUMPRE na regulamentação da lei... esta é uma questão que me preocupa muitíssimo!
Sem imagem de perfil

De José Gomes André a 12.02.2007 às 23:05

Estou totalmente de acordo com o que escreveu sobre Sócrates: foi ele a chave desta vitória. Há 9 anos, um titubeante Guterres só complicou a decisão e este ano o Bloco e o PCP - que se auto-intitulam os grandes vencedores (vide Arrastão) - funcionaram sempre mais como forças radicais capitalizadoras da abstenção do que verdadeiros promotores do sim.

A meu ver, ganhou o "sim responsável" de Sócrates, moderado e consciente de que este problema precisava de ser combatido sem extremismos ideológicos e fanatismos sectários, começando por despenalizar a mulher. Há muito trabalho por fazer, claro, mas o apelo moderado de Sócrates foi decisivo para se alcançar este primeiro passo essencial.

Cumprimentos, JGA

Bem Pelo Contrário (http://bempelocontrario.blogspot.com/)
Sem imagem de perfil

De JOCA a 12.02.2007 às 18:10

Desde quando um jornalista não pode ter opinião sobre uma materia que interessa a todos os cidadãos,a castração de opinião não pode ser imposta aos jornalistas nem a ninguém.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 12.02.2007 às 16:36

Este PC nunca me enganou. Sempre pensei que era um PS declarado. Fica mal a um jornalista que pretende mostrar-se independente.
Sem imagem de perfil

De cr a 12.02.2007 às 11:51

Ah ah ah...

Porque são eles cegos, Senhor?

Porque não conseguem ver o que lhes afigura á frente das retinas?

Ou não quererão eles ver?

São os piores cegos, os do ditado, os que não querem ver.

Pedro Correia esteve bem.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 12.02.2007 às 09:40

Mas o dr. Luís Filipe Menezes, essa grande figura de extrema perspicácia e incoerências nenhumas, já afirmou que os resultados do referendo foram uma grande derrota para o Sócrates.

Pedro Correia só pode estar a ver mal.
Sem imagem de perfil

De ergela a 12.02.2007 às 08:55

Caro Pedro,concordo com a sua análise no essencial,contudo não deixo de acusar a classe politica por este estado de coisas,este é claramente um problema educacional
e de formação civica.
Um abraço.
Sem imagem de perfil

De Menino Mau a 12.02.2007 às 06:51

grande vencedor? consegue unir o ps , mas não consegue mobilizar os eleitores.
e agora tem de aprovar o aborto na secretaria....
pergunta:porque é não fez isto desde o inicio em vez de o pais andar com este chinfrim ?
Sem imagem de perfil

De clark59 a 12.02.2007 às 04:47

Tens toda a razão quando dizes que as diatribes do 'não' contribuiram para a vitória do sim. O prof. Marcelo pode ser o ícone da inteligência mas se for atirar-se ao Tejo não sou eu que vou dizer que se trata de um erro: é apenas um modo de vida de um comentador que de política nada sabe

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Se fala do PCP, sim.Meter o BE no mesmo saco é ceg...

  • Anónimo

    Como é óbvio, o Passos nem sequer vai tentar. Como...

  • Carlos Gonçalves

    Eis, calma aí. O trampolineiro, pelo menos, já não...

  • Anónimo

    Caiu a máscara ao Marcelo. O outro nem máscara usa...

  • Carlos Gonçalves

    Eis, calma aí. O trampolineiro, pelo menos, já não...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2017
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2016
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2015
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2014
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2013
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2012
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2011
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2010
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2009
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2008
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2007
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2006
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D