Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Os dôtores

por João Távora, em 30.11.06

Como bons latinos, nós os portugueses adoramos os tratamentos formais e deleitamo-nos com um bom “estatuto”, de preferência bem “cristalizado”. Receio que o fenómeno não tenha tanto a ver com vaidades pessoais, mas com o anseio secreto de mais uma fórmula de “providência social” e de amortecedor das agruras da competição profissional... e não só. Pouco dados a grandes liberalidades, genericamente somos gente insegura.

Crescendo num mundo bem português, sempre vivi rodeado de doutores e doutoras, a começar pelos “stôres” do ensino preparatório, ao “doutor” que vinha a casa receitar um antibiótico… Mais tarde aprendi que também havia “Professores Doutores” (o que não significava que leccionassem obrigatoriamente) e que havia um título, bacharel, este sem grande sucesso em Portugal. Assim cresci e assimilei as variadas e distintas formas de tratamento social. Às tantas, tive a sensação que o “dotôr” funcionava como mais um nome próprio, necessário a figurantes da minha vida profissional, sempre de estatuto hierarquicamente superior ao meu.

Agora os tempos mudaram. Desde há alguns anos, com as universidades e escolas superiores a debitarem dezenas de milhar de “dôtores” por ano, e porque não podemos ser todos “dôtores” e estragar o arranjinho, o título passou a ser atribuído consoante o lugar de cada um na hierarquia. Se a secretária é licenciada em línguas e literaturas modernas, o tratamento é simplesmente de “dona”. Já o chefe, que frequentou meia dúzia de cadeiras de uma obscura licenciatura “sem saber ler nem escrever”, é o “Sô-dotôr”. Esta foi a lógica que se implantou. O engenheiro, se é o “manda-chuva”, assim é tratado. O outro, o assistente com o mesmo curso da mesma universidade, é o Manel. Ai vida dura!

Acontece-me quando corrijo o meu interlocutor ao telefone, informando-o que não sou “dotôr”, sentir que fui inconveniente. Apercebo-me dum mal-estar do outro lado da linha, como quem diz que “isso” para o caso não tem importância nenhuma: o tratamento é mera reverencial-comercial. É então que caio em desgraça e num instante passo a ser apenas “o xôr João”.

Curiosamente, na indústria hoteleira em que trabalhei durante muitos anos, e que é um meio extremamente hierarquizado, até há poucos anos simplesmente não havia “dotôres”, talvez por essa carreira não oferecer grande consideração social. Mas hoje, ironicamente, integram-se nas chefias intermédias e cargos técnicos desta indústria muitos jovens licenciados cujo reconhecimento do título de “dotôr” ainda não

E tido em conta: têm de ir à luta para que o precioso tratamento um dia “conquiste” a luz do dia. E talvez, quem sabe, uma linha no cartão-de-visita.

Autoria e outros dados (tags, etc)



9 comentários

Sem imagem de perfil

De paraquedista a 07.01.2007 às 19:59

Estive uns tempos em formação em Inglaterra, num laboratório de instrumentos científicos. Ali e pelo que me diziam era regra geral no país. As pessoas eram formadas mas só eram conhecidas ou "chamadas" pelo seu nome. Eu já sabia mas, confirmei que os pobretanas como nós, só temos vaidade. E quando toca a mostrar o que vales? Aí é o que se sabe. Grande prosa e, bom 2007 para todos.
Sem imagem de perfil

De paraquedista a 07.01.2007 às 19:57

Estive uns tempos em formação em Inglaterra, num laboratório de instrumentos científicos. Ali e pelo que me diziam era regra geral ni país. A spessoas eram formadas mas só eram conhecidas ou "chamadas<2 pelo seu nome. Eu já sabia mas, confirmei que os pobretanas como nós, só temos vaidade. E quando toca a mostrar o que vales? Aí é o que se sabe. Grande prosa e, bom 2007 para todos.
Sem imagem de perfil

De dorean paxorales a 01.12.2006 às 16:56

Excelente. Fez-me lembrar a filial nacional de uma multinacional alemã de electrónica corrida dos pés à cabeça com engenheiros, mestres e doutorados mas onde apenas a cúpula portuguesa é tratada por 'sr.eng.º'.

Por falar na Alemanha, também tem as suas idiossincrasias. Claro está, só é 'doktor' o doutorado mas a coisa acumula: dois doutoramentos dão direito a um 'doktor-doktor' no cartão de visita e as saudações em meio académico formal podem tornar-se bastante repetitivas.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 30.11.2006 às 20:51

E existe gentinha que fica chocadissima quando lhes digo que não são doutores e lhes explico o porquê.
Sem imagem de perfil

De João Villalobos a 30.11.2006 às 18:48

Muiot bem. Só por este post dava-lhe já um Honoris Causa mas dos bons :)
Sem imagem de perfil

De MissPearls a 30.11.2006 às 18:30

"É então que caio em desgraça e vertiginosamente passo a ser apenas o Sr. João."

:)

Isto da doutorice nacional é todo um programa, João.

Assina:
Dotôra Isabel :)
Sem imagem de perfil

De José Pedro a 05.07.2012 às 15:51

Indústria hoteleira? Se me é permitido perguntar, já agora, o que acha da proliferação de Chefs " (creio que se escreve assim), onde antes só havia cozinheiros?  
Imagem de perfil

De João Távora a 05.07.2012 às 17:34

Sempre houve Chefes, e sub-chefes de cozinha nos restaurantes "classificados". Todas as secções de um hotel eram muito hierarquizadas, com funções e estatutos distintos. Numa portaria, por exemplo (simplificando):


Chefe de portaria
Sub-chefe de portaria
Porteiro,
Paquete,
Trintanário,
etc... 
Sem imagem de perfil

De katarina a 05.07.2012 às 19:27

Um dia perguntei porque na lista de mails e telefones da empresa havia drs e engs e eu, com licenciatura pré Bolonha de 5 anos, era "dona"... a resposta foi exactamente a citada: como há "técnicos" sem licenciatura, não convém que uma assistente seja mencionada com título, fica mal, compreende..." wtf?

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Vai acabar como sempre tem acabado desde o sec.XVI...

  • Anonimus

    Se o Trump não quer pagar autoestradas no Iraque, ...

  • Francisco Albino

    E ainda um efeito pouco referido e particularmnete...

  • Anónimo

    a mini-remodelação ficou sem suspensórios por dete...

  • marina

     don mariano deu conta do recado, quero ver q...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2008
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2007
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2006
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D