Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



A desministra

por José Mendonça da Cruz, em 20.06.17

A ministra da Administração Interna recusa ajuda galega acorrida aos desastres incendiários portugueses porque vê nessa ajuda «excesso de voluntarismo» e ausência de «enquadramento». Isto depois de, perante as câmaras de televisão, chorar obscenamente as vítimas da sua incompetência. Obviamente, devia demitir-se, mas verte lágrimas, em vez disso; mostram-se «afectos», julga ela, e fica tudo sarado. Sabe, sobretudo, que é digna do seu primeiro-ministro, e António Costa dela, ele que agora pede «esclarecimentos urgentes» directamente a serviços tutelados pelos seus ministros, que, uns, lacrimejam, outros estão «de coração destroçado». Ele, incólume, que não sabia nada, nem do seu governo, nem dos amigos, nem do Siresp, nem dos Khamov, ele que tem o mérito de tudo e nunca tem culpa de nada, como insistem os canais e jornais de reverência. Diz que há muito quem goste deste tipo de governação. Quem gosta merece-a.

Autoria e outros dados (tags, etc)

É a despudorada exploração da desgraça alheia, com câmaras deleitadas fixas sobre gente prostrada no chão, microfones atirados à cara de quem possa chorar um bocadinho aqui para as alegadas audiências.

É a ignorância descabelada, sobre fogos, sobre estradas, sobre meteorologia, sobre governo, sobre território, sobre populações, sobre políticas, sobre a própria língua, como a da jornalista (enfim...) da Sic que dizia que há carros queimados nos sentidos ascendente e descendente porque «as pessoas não conseguiram fugir deste conclave», ou a da CMtv que dizia que já não sei o quê era «profundamente essencial».

É a figura patética e despropositadamente vestida de Judite recuando excitadamente estrada fora a dizer coisas como a Georgina para terminar com um pezinho sobre o reboque que carrega o esqueleto ardido de um automóvel.

É o insuportável linguajar radiofónico, cheio de plurais arrastados e bengalas e tautologias e vacuidade -- oshecarrosshequeentãoestãoaquinestasheentãoflorestashesqueentãoexibemtodaa-a-entãoprofundidadedoshaaadramasshevividosheporessashegentesheaquiondeofogoentãolavraainda  -- a ser envergonhado pelo português articulado e bem pontuado de cada bombeiro entrevistado.

Marcelo distribui platitudes e sentimentos melados? Sim; conhece o povo melhor do que nós. Para o ano arde tudo outra vez? Sim, mas enquanto Marcelo atrair as câmaras ouvimos ao menos português de lei e somos poupados às reportagens.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Justiça poética

por José Mendonça da Cruz, em 30.05.17

É consolador recordar que o júri do progama Ídolos considerou que o comportamento de Salvador Sobral em palco indiciava que ele «não levava as coisas a sério».

É especialmente consolador ver que, segundo o parecer do lamentável júri, hão-de revelar falta de seriedade interpretações diversas como esta ou esta.

Ou, de forma mais clara: é consolador verificar que há uma incompatibilidade fundamental entre o talento e os produtores de plástico.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Salvador Macron

por José Mendonça da Cruz, em 11.05.17

«Gullible», diz-se dos facilmente iludíveis, dos que, perante os factos, no entanto se deixam embalar na ilusão de que os seus sonhos se concretizam. Gullible. Não sei porquê, a palavra parece-me quase onomatopeica, os que engolem o que se lhes dá e rejubilam.

Iludidos como gostam, os gullible vislumbraram promessas no discurso de vitória do Salvador Macron. Eu (mal, com certeza) vejo um discurso branco, perigosíssimo na sua vontade de agradar a todos e não se comprometer com ninguém. E vejo votos nulos e brancos, e abstencionistas, e a desorganização das forças tradicionais E vejo uma Marine Le Pen ferozmente intuitiva que logo compreendeu o caminho e promete refundar-se politicamente. Os gullible festejam o salvamento da Europa. Eu (mal, com certeza) vejo um Macron incapaz de reconhecer os problemas (a emigração, a ocupação islâmica, a descaracterização de França), e com isso a entregar a França a um problema terminal europeu: um governo com um programa de esquerda e extrema-esquerda a quem os gullible apelidam de extrema-direita (the horror, the horror).

Autoria e outros dados (tags, etc)

Acordo? Discordo

por José Mendonça da Cruz, em 10.04.17

Por razões profissionais fui obrigado recentemente a escrever inúmeras vezes as palavras Rio de Janeiro. De cada vez, o corrector automático «corrigiu» para Rio de janeiro. Pois é, ninguém disse que o corrector tinha que ser menos estúpido do que o «Acordo Ortográfico».

Autoria e outros dados (tags, etc)

A informação e os poetastros frustrados

por José Mendonça da Cruz, em 07.04.17

Eis a notícia do atentado terrorista de hoje, em Estocolmo, segundo um orgão de comunicação social sério e sóbrio, neste caso o Observador:

«Um camião atingiu várias pessoas na rua Drottninggatan, no centro de Estocolmo, hoje, por volta das 15 horas, e embateu no centro comercial Ahlens. Várias pessoas foram vistas a saírem a correr do centro comercial. A polícia confirmou que quatro pessoas morreram e 15 ficaram feridas (incluindo crianças), nove das quais estão em estado grave. Um das vítimas morreu no hospital na sequência de ferimentos.Uma pessoa foi detida e confessou a autoria do ataque.O primeiro-ministro sueco, Stefan Löfven, referiu-se ao incidente como “um terrível ato de terror”

 

Agora, a notícia ao estilo do que a Sic acha que é jornalismo de qualidade e debita em voz off poética:

«Passeavam, quem sabe se sem destino, quem sabe se às compras, ou namorando, talvez, pais e mães, filhos, casais, gente solitária também, quando o horror as tolheu. Eram 15 horas, dizia o relógio na torre próxima, quando a rua do centro da capital sueca, local normalmente sereno, uma rua sossegada, uma rua de paz, foi atroada pelo som de um camião que acelerando, indiferente à calma, indiferente à vida, irrompeu matando, espalhando o pânico por todos os cantos. Fugiram, uns, talvez sem destino, gritavam outros, aflitos, enquanto o camião matava e pisava, mudando para sempre a consciência de Estocolmo. Quem era, quem fora, o que acontecia, perguntavam-se todos...»

Autoria e outros dados (tags, etc)

Confiança

por José Mendonça da Cruz, em 06.04.17

Dos jornais de hoje:

 

O PS, partido que governa as finanças e o país, estimava que as suas eleições primárias custassem 328 mil euros. Afinal, custaram 1 milhão e 650 mil. Quem descobriu e questionou foi o Tribunal Constitucional. O secretário nacional do PS, Luís Padrão, ficou irritado, e pergunta se a troika se mudou para o TC. 

 

As avaliações na função pública não são feitas há muito tempo, e há rumores de que funcionários foram chamados para fazer avaliações simuladas. O ministério das Finanças garante, porém, que os funcionários não avaliados não serão prejudicados na evolução das suas carreiras, e, que, portanto, as avaliações são uma mascarada.

 

É tempo de confiar que a saída do Euro, apesar do desastre nacional que acarretaria, é um objectivo importante para este governo, o qual tem enormes (e, do seu ponto de vista, muito razoáveis e justificados) ódio e medo a qualquer fiscalização independente ou séria.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Mais um prego no Caix(ão)

por José Mendonça da Cruz, em 23.03.17

A procura de obrigações da Caixa foi, diz a Sic num acesso de estupidez ou desinformação galáctico, «4 vezes superior à oferta».

Será por causa dos juros de 11%? (os depósitos a prazo dão quanto?)

E quem vai pagar «só» os juros, quem é? (na mesma altura em que PS, Bloco e PCP hão de bramir por «solidariedade» dos credores e gritar contra os compradores/emprestadores desta operação criminosa). 

Autoria e outros dados (tags, etc)

... e o álcool

por José Mendonça da Cruz, em 22.03.17

antoniocosta_0.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

As mulheres...

por José Mendonça da Cruz, em 22.03.17

20051429_GI27122014FILIPEAMORIM001-1060x594.jpgcgd.jpegnogueira.jpgota.jpgautoestrada.jpg

pt_78.jpgcamartin.jpg20051429_GI27122014FILIPEAMORIM001-1060x594.jpgCarris-e1441277498512.jpgedificio_fms.jpg

 

 6b46f509d32b818c1de39dae2b112b88_N.jpgimage.jpgCGTP.jpgobservatorio.jpg 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Uma Caixinha sem fundo

por José Mendonça da Cruz, em 21.03.17

Ficámos a saber esta semana que o PSD e o CDS também consideram que a Caixa Geral de Depósitos não deve guiar-se por critérios estritamente financeiros. 

Os contribuintes que são chamados a pagar «só» dois mil milhões de euros para tapar os roubos e assaltos da Caixa devem estar ainda mais felizes agora (os iletrados financeiros, esses, estão sempre) que até os partidos da direita e o Presidente lhes garantem que mais tarde ou mais cedo terão que pagar «só» uns milhões mais.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Mais títulos reais ou futuros de Público, DN e Sic

por José Mendonça da Cruz, em 19.03.17

marioneta.jpg

 

Quando Passos Coelho se ri do apoio de PS, PCP e BE a despedimentos e eliminação de balcões na Caixa, previstos antes da entrada de Paulo Macedo:

Passos Coelho critica antigo ministro do seu governo

 

Quando o governo de Jerónimo Martins e Costa despede e privatiza na Caixa:

Descoberto medicamento que pode curar o cancro em 2050

 

Quando Trump espirra enquanto o carro de Merkel chega:

Incidente diplomático: Trump mostra alergia a Merkel

 

Quando a esquerda perde eleições na Holanda, a direita as ganha e a extrema direita cresce, mas menos do que diziam as sondagens:

Extrema direita derrotada na Holanda

 

 

Quando os juros da dívida de longo prazo sobem em flecha:

Juros de curto prazo estáveis

 

 Quando as agências de rating mantêm a cotação portuguesa no lixo:

António Costa confiante no futuro

 

Quando há inundações na Lisboa de Costa & Medina:

Canais são alternativa a ciclovias em ruas de Lisboa

 

Quando um ministro de PSD ou CDS volta à sua carreira numa empresa privada:

Ministro de Passos Coelho regressa a empresa que processou Estado por dívidas

 

Quando um ministro do PS regressa à federação de onde veio:

Ex-ministro socialista investe na política de proximidade

 

Quando a dívida pública sobe mais 10 mil milhões em poucos meses:
Marcelo confirma que dívida está melhor do que há um ano

Autoria e outros dados (tags, etc)

Saudades dos títulos canalhas

por José Mendonça da Cruz, em 18.03.17

A ministra da Justiça disse ao Observador que «há processos que demoram muito tempo» e deu razão aos «que se queixam da lentidão da justiça. Obviamente as pessoas têm razão».

Seguidamente, uma manchete copiada daquelas que o Público ou uma abertura do noticiário da Sic escolheriam, embora só as apliquem a governos que não são do seu consolo:

Ministra da Justiça ataca

independência judicial 

e solidariza-se com corruptos

Autoria e outros dados (tags, etc)

Odeia o conhecimento e o debate? A FCSH é o lugar para si

por José Mendonça da Cruz, em 07.03.17

stupid-human-tricks-L-UrRyNr.jpeg

 

O reitor da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas aceitou o ultimato de um grupo de extrema-esquerda para cancelar uma conferência de Jaime Nogueira Pinto sobre populismo e a situação na Europa e EUA. A FCSH não tem, portanto, um reitor.

Os alunos da FCSH ameaçaram com distúrbios, caso alguém insistisse em proporcionar-lhes um tema e uma conferência actuais. A FCSH não tem, portanto, universitários, aquele tipo de gente que até nos tempos de Salazar também estudava Rousseau e Marx. 

Uma Faculdade é uma instituição de saber, virada para a curiosidade, o estudo e a pesquisa. A FCSH não é, portanto, uma Faculdade, é um coito de extremistas que só aceitam que se estude e debata aquele ínfimo núcleo de dogmas que estatuiram e amam.

Constava, e dizia-o, aliás, a própria FCSH, que a FCSH tinha como objecto as ciências sociais, por definição um «ramo das ciências que estuda os aspectos sociais do mundo humano, ou seja, a vida social de indivíduos e grupos humanos», incluindo «antropologia, estudos da comunicação, marketing, administração, arqueologia, geografia humana, história, ciência política, contabilidade, estatística, economia, direito, psicologia, filosofia social, sociologia e serviço social». A FCSH, portanto, além de não ser uma Faculdade, também não é, e apesar do nome, de Ciências Sociais, porque muitos dos objectos fundamentais do seu estudo, ela, por crença e inclinação própria, não pode nem quer estudá-los.

Então, o que é ao certo a FCSH?

Não se sabia, mas agora sabemos. Um grupelho de fanáticos à sombra de um Caramelo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Primeiro foi a «re-notícia» do Público, cuidadosamente enviesada e com cuidadosas omissões, sobre transferências para offshores. O poder socialista fez-se apanhado de surpresa, coisa que os media obsequiosos beberam e ampliaram, e todos juntos, fizeram esquecer tão convenientemente as perguntas sobre as manobras e falcatruas que deram cabo da Caixa. Pagaremos 2,5 ou 5 mil milhões, ainda não nos disseram. 

Agora, é uma reportagem da Sic, uma peça em episódios, em estilo kitsch e gongórico -- mas venenosa --, que nos vende que a culpa do caso BES, a culpa de tudo, é do governador do Banco de Portugal, não dos socialistas que tão bem lidaram e se concertaram com Salgado, e decerto lhe dariam os 2,5 mil milhões dos contribuintes, que ele pedia que lhe dessem para tapar as vergonhas. O poder socialista finge acordar e indigna-se: é o governador, sempre o dissemos, queremos lá alguém de confiança, um Vara, um Louçã, uma Mortágua.

E nós, leitores, público espectador, povo, devemos tomar isto como se fossem verdades e processos limpos e honestos, e não o resultado de haver mandantes políticos e servos nos media.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Um jornal de reverência

por José Mendonça da Cruz, em 02.03.17

Mais uma oportunidade para verificar o nível de independência e seriedade do Público. É o Público a noticiar que o juiz Carlos Alexandre pediu emprestados e pagou 10 mil euros a um amigo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

É a revolução, estúpido!

por José Mendonça da Cruz, em 02.03.17

Trump, Brexit, Le Pen, despedimento de Renzi, a alternativa alemã, o medo holandês, o susto austríaco, as reviravoltas francesas... o que se passa é que o Mundo mudou, que está em curso um aggiornamento ou uma revolução tão importante como a revolução industrial. Aos sustos e aos tropeções vamos perguntando para onde havemos de ir a partir daqui.

A minha opinião, ontem, no Observador

Autoria e outros dados (tags, etc)

A casa da 5 de Outubro

por José Mendonça da Cruz, em 18.02.17

Conta o Expresso que o «ministério da educação» pretende alterar profundamente os curricula escolares, retirando substancial carga horária às disciplinas de Português e Matemática, para intoxicar as criancinhas que não possam escapar com «consciência e domínio do corpo», «educação cívica» e «ciências sociais». O governo Costa propõe-se, portanto, formatar hostes de especialistas em generalidades e questões fracturantes, peritos em vulgata marxista, e ignorantes destituídos das principais ferramentas do conhecimento.

Diálogo entre dois grandes educadores da classe operária nos corredores da 5 de Outubro:

- Eh pá, tu preferes ir ás putas, para dominar o corpo, ou a masturbação para teres consciência dele?

- Pá, prefiro ir às putas. Convive-se, conhece-se gente, são as ciências sociais.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Costa escondido com Centeno de fora

por José Mendonça da Cruz, em 15.02.17

Desculpem se mal pergunto, mas...

... as promessas que Centeno fez a Domingues;

... as alterações legislativas ao gosto e à medida dos administradores convidados para a Caixa;

... a retenção de diplomas até a AR ir para a praia...

... tudo isso veio tão só da cabecinha do hábil Centeno e foi feito por sua alta recreação e poder?

O primeiro-ministro nem teve a ideia, nem sabia, nem autorizou?

As galinhas já têm dentes?

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Ó patego, olhó comboio!

por José Mendonça da Cruz, em 15.02.17

A Sic fez hoje uma reportagem especial sobre o mau serviço das linhas de comboios. As linhas de comboios-tema eram as de Sintra e Cascais, porque, como se sabe, a Sic é em Lisboa e, hélas!,  Porto ou Coimbra (ou Faro, ou Viana, ou Évora, ou Castelo Branco, ou Torres Vedras, ou Beja, ou Santarém) não existem.

Diz a reportagem da Sic que as linhas de Cascais e Sintra registam perdas de passageiros de 1/3 em poucos anos, enquanto a A5 e o IC19 registam aumentos de tráfego substanciais.

A Sic ouviu (é claro) sindicatos, oficinas, e mais quem dissesse que (vá, todos em coro, agora) «faltam meios», «falta contratar mais gente», «falta investimento».

O que a Sic (e o país da Sic) nunca pergunta nem sublinha é que:

Primeiro, as pessoas abandonam o transporte ferroviário em favor do automóvel no exercício da sua liberdade de escolha porque é mais cómodo, mais eficiente e melhor.

E, segundo e sobretudo, o que a Sic e opequeno país da Sic nunca consideram é que um operador privado das linhas de Cascais ou Sintra nunca se autorizaria, por questões de racionalidade e gestão, uma perda de passageiros daquela ordem. Trataria de os manter e ampliar, sem pedir dinheiro a ninguém.

Mas a Sic (e o país da Sic) tem esta fé nas empresas públicas. Quer que elas sejam felizes, que os contribuintes não tenham opções nem escolham livremente, e que paguem para que seja assim.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Morreram incineradas 47 pessoas numa estrada reple...

  • Vasco Mina

    Amigo João,obviamente não é o ponto relevante. A r...

  • Carneiro

    Convida-se "este" à demissão porque é o candidato ...

  • Renato

    O provedor?... Eu não chego a perceber  se os...

  • xico

    Se o provedor da santa casa deve demitir-se p...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2016
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2015
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2014
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2013
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2012
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2011
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2010
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2009
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2008
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2007
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2006
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D

    subscrever feeds