Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Que gente é esta?

por Corta-fitas, em 12.07.17

Para quem se digna pensar e discernir minimamente sobre a origem do aroma eternamente fétido que teima em pairar em Portugal não pode certamente ignorar que o mesmo tem origem maioritária nos partidos políticos. Enquanto nas outras áreas a realidade vai-se impondo de uma forma ou de outra através da remoção das ervas daninhas, nos partidos a coisa parece de tal forma empedernida que a sua remoção parece impossível.

Por estes tempos os partidos têm como perfis de referência caracteres que não são propriamente do mais recomendável. Não que noutros sectores da sociedade eles não existam, mas parece que nos partidos existem agora forças de tal forma poderosas que impedem o florescimento de modelos mais virtuosos. Como qualquer sistema fechado com vida e mecânicas próprias, a subjugação da meritocracia e do conhecimento aos ditames e regras próprias da seita resultam a prazo em resultados absurdos. Alguns exemplos:

  1. Inconcebível a sequência de estroinices que levaram ao aumento desmesurado da despesa pública com início da década de 90. O resultado for o pedido de resgate em 2011.
  2. Impensável como este governo opta por cortar no regular funcionamento do Estado para distribuir uns quantos amendoins como moeda de troca de poder. O resultado é Tancos e parcialmente Pedrogão Grande. (Embora os cortes no funcionamento do Estado já antes se tivessem iniciado, neste governo atingiram patamares nunca antes imaginados)
  3. Irresponsável como o PCP e o BE sempre gritaram e espernearam a toda a hora sem nada proporem. E quando digo sem nada proporem, refiro-me a qualquer coisa com cabeça, tronco, e membros. O resultado é a vulgarização da banalidade e da irresponsabilidade.
  4. De loucos como ninguém se preocupa seriamente com um país onde a taxa de poupança é de 4% do rendimento disponível e ainda por cima se fala constantemente nas virtudes do consumo privado (até na Direita!). Este é talvez o melhor indicador de que tudo vale para sobrepor a ilusão à razão. O resultado é a dependência financeira externa.
  5. Asquerosa a promiscuidade entre o poder político e o poder económico. O resultado é o capitalismo de compadrio que produz dívidas monstruosas, berbicachos judicias e outros fardos.
  6. Impressionante a facilidade como se corre com um ministério competente em benefício da parte que desencadeia uma crise política. O que o CDS fez ao ex-Ministro Álvaro Santos Pereira e sua equipa é uma marca que desonra a Direita. O resultado é que a irresponsabilidade pode também entrar pela Direita.
  7. Incrível como muitos julgam gozar de prerrogativas especiais na sua relação com o Estado. É velha a frase “Um partido é um ónibus que leva aos empregos” (Eça de Queiroz dixit). O resultado é a família César e a jactância deste.
  8. Inacreditável como a cobardia se sobrepõe à coragem, ou como a “gestão política” se sobrepõe à Política. O resultado é um Primeiro-ministro em fuga para férias no momento mais duro do governo.


Obviamente impõem-se perguntas. Que gente é esta? Como se desenvolve? Como extrai-los dos partidos por troca de perfis normais? Este é o ajustamento que falta fazer na sociedade portuguesa. Presumo que hercúleo, e sinceramente não sei como terá de ser feito.

Pedro Bazaliza
Convidado Especial

Autoria e outros dados (tags, etc)

A ignorância tem luz verde

por João Távora, em 02.07.17

O incêndio de Pedrogão Grande veio expor uma série de idiossincrasias que marcam de forma iniludível a matéria de que é feita a classe dirigente em Portugal. Já muito foi dito sobre o que as reacções de todos (Presidente, Primeiro-ministro, entidades da Protecção Civil, etc) revelam. Eu gostaria de realçar um aspecto. A facilidade com que a ignorância se sobrepõe ao conhecimento e a resultante falta de visão de longo prazo que impede a escolha de estratégias acertadas.

Não tenho um mínimo conhecimento sobre a gestão de florestas, sobre o fogo, ou sobre como prever ou combater incêndios. Mas sei bem percepcionar quem entende sobre o assunto e quem dele nada entende. O domínio das matérias, o à-vontade e facilidade com que uns discorrem opõem-se outros com máximas de ocasião (do tipo “nem mais um eucalipto”). Ao distanciamento e frieza sobre o objecto em análise tão úteis à compreensão dos fenómenos e potenciação do conhecimento opõem-se outros que falam de alto e de conclusão rápida. Lendo Henrique Pereira dos Santos e o engenheiro social Francisco Louçã ficamos com uma clara noção dos diferentes estilos à disposição do decisor político.

Para mal de Portugal a ignorância tem luz verde. Teve-a no passado e temo bem que nem 64 mortes sejam suficientes para que a deixe de ter no futuro. Ao espaço mediático, onde chafurda a ignorância com as pseudo soluções de curto prazo, opõem-se o espaço discreto, onde melhor floresce o conhecimento. Enquanto este último assusta o nosso decisor político, o primeiro dá-lhe o refúgio e o conforto que o incómodo da situação exige. Até já se promete legislação à pressa e “nem mais um eucalipto”.

Este modelo reactivo e preconceituoso é evidentemente estúpido, pois por definição não ataca os problemas na raiz e tende ainda a produzir outros efeitos nefastos. Mas por os acontecimentos estarem sempre um passo à frente dos ignorantes e todos aqueles que não tem um mínimo de perfil para ocupar cargos de responsabilidade, e por ser da natureza humana a necessidade de ter de fazer qualquer coisa, e sabendo ainda que o desassossego e outros sobressaltos são o calvário do ignorante e o seu socorro é prioritário, este modelo passa como a resposta unitária destas almas.

Nas últimas décadas a ignorância, jactância, e o dinheiro fácil levaram-nos a priorizar o combate ao incêndio em lugar da sua prevenção. Hoje é mais fácil de perceber o porquê. A gestão da floresta implica a adopção de doses elevadas de conhecimento com tradução práctica, estratégia, gestão multidisciplinar, prevenção, e trabalho de bastidores. Tudo tópicos que a classe política não trata propriamente por tu. Já a prioridade ao combate implica meios vistosos, palco, inaugurações, grupos de pressão, e contractos. Tudo aspectos que a classe política não só trata por tu, como são também aqueles que melhor casam com as suas agendas.

Por esta altura, calmada a jactância com a restrição financeira, o incêndio de Pedrogão Grande vem-nos evidenciar a outra faceta que os partidos têm para oferecer, a ignorância. Ou talvez pior, porque a montante, vem-nos revelar a matéria torpe e insuficiente de que são feitos muitos que de lá emanam quando o vento não lhes sopra pelas costas. Quando se precisa de um pedido formal de desculpas políticas por parte do Primeiro-ministro (não confundir com assumir culpas) por o Estado ter falhado, este surge preocupado com a popularidade. Quando se precisa de uma Ministra da Administração Interna forte, surge uma ministra de aparência demasiado frágil e com uma expressão de medo e assaz titubeante.

Nada disto é de estranhar. Falta de carácter e perfis desajustados caminham bem com a ignorância.

 

Pedro Bazaliza
Convidado Especial

Autoria e outros dados (tags, etc)

O Sr. Costa

por João Távora, em 18.06.17

O PS e o Sr. Costa vivem momentos de sonho. Enquanto por essa Europa todos os partidos socialistas levam forte e feio, em Portugal a opção “geringonça“ vem provando ter sido de uma grande utilidade à sobrevivência partidária. Com sondagens favoráveis, esquerdas irresponsáveis domesticadas, e contando com a natural responsabilidade da direita, o Sr. Costa só corre mesmo um risco. De tanto dilatado que anda poder um dia vir a rebentar.

O interessante na história é que o Sr. Costa pouco fez para os resultados que reclama. Pergunte-se:

  1. A papinha toda feita pelo anterior governo foi obra sua?
  2. O petróleo em baixa é da sua responsabilidade?
  3. O euro em baixa contra o dólar é da sua responsabilidade?
  4. BCE a comprar dívida aos pontapés é da sua responsabilidade?
  5. Países islâmicos a perderem turistas é da sua responsabilidade?
  6. Resultados das medidas estruturais no mercado de trabalho e no turismo são da sua responsabilidade?
  7. A Espanha e Irlanda a crescer, e a Grécia domesticada são da sua responsabilidade?
  8. Parceiros europeus mais suaves para com os povos meridionais é da sua responsabilidade?
  9. Todo um país agora numa paranoia exportadora é da sua responsabilidade?
  10. Muitos incompetentes de peso fora de cena (Salgado, Vasconcellos, Bavas, etc) são da sua responsabilidade?

Nada disto é da sua responsabilidade. O Sr. Costa, como equilibrista que é, vai vivendo dos dividendos da herança e dos ventos favoráveis do momento, o que lhe permite ir gerindo a situação a cada momento, distribuindo um amendoim aqui, outro ali, satisfazendo um e outro grupo de pressão mais irrequieto. E parece que ainda com vagares para não se esquecer que é socialista (o poder e lugares públicos são “nossa” propriedade, não é? a César o que é de César). Nada como uma herançazinha a que se junta um vento pelas costas e um povo que não se importa de ser iludido.

Mas seria incúria não reconhecer que o Sr. Costa consegue coisas mirabolantes. Derrotado nas legislativas criou uma fórmula torpe para sobreviver. A criação da geringonça é realmente insólita. Domesticou a esquerda irresponsável e esganiçada a troco de uns amendoins. O preço? Tanto mais caro quanto o engenheiro social (ir)responsável pela educação tiver poder de acção. O que se passa na educação com o fim dos contratos de associação é um filme de terror. E sabe-se lá o que mais virá de exigências da Fenprof.

O Sr. Costa teve ainda o condão de manter inalteradas as políticas do governo anterior no que respeita ao défice! Embora com alguns truques à mistura (socialismo sempre), do género passar a dívida montantes que não passaram por défice, o Sr. Costa provou, embora um pouco mais tarde, que pode também vir a ser radical nesta matéria, desmentido o Sr. Costa pré eleitoral e indo muito para além do Sr. Passos Coelho & Cª se tomarmos em conta o corte radical no investimento público.

Imagine-se que o Sr. Costa até já fala nas virtudes de ter contas externas equilibradas ou mesmo excedentárias! Com sorte, e se as sondagens correrem ainda mais de feição, ainda ouviremos o Sr. Costa a falar das virtudes da taxa de poupança e de como urge fazê-la subir dos míseros 3,5% ou 4% para uns 12% do rendimento disponível, quando sempre apregoou aos quatro ventos que havia que estimular o consumo interno.

O Sr. Costa reclama para si os louros do que vai acontecendo de positivo na nossa economia quando em muito pouco contribuiu para isso, e na parcela que lhe cabe foi onde deu continuidade ao que antes tanto criticou. Não virou nenhuma página da austeridade como prometeu (nem podia). Bizarro? Nem por isso se pensarmos que não tirou a mesma ilação que impôs ao seu antecessor no PS após igual derrota nas eleições.

Não Sr. Costa, Vossa Excelência não é um príncipe da política. E por as coisas serem como são e por não haver como contornar a realidade, não é de estranhar que o apelidem de poucochinho e Xico-esperto. E não, não é azia. É antes o verdadeiro incómodo ter de dizer aos filhos que o Primeiro-ministro de Portugal não é exemplo a seguir, quer pelo carácter que possui, quer por ser cigarra quando o que precisamos é de formigas.

 

Pedro Bazaliza
Convidado Especial

Autoria e outros dados (tags, etc)

A lição do Tetra

por João Távora, em 14.05.17

Os não benfiquistas que me perdoem a sobranceria, mas creio existir alguma lição a aprender com a sucessão de quatro campeonatos ganhos pelo Benfica. Contém muito daquilo que rareia em Portugal, nomeadamente na governação ao mais alto nível. Estratégia de longo prazo, liderança, profissionalismo na gestão de topo, estabilidade, perseverança, e sobreposição do todo sobre a parte. A caminhada iniciou-se no início do século, não ontem.

Com frequência durante esta época fui dizendo aos meus amigos sportinguistas que a conquista destes títulos simbolizam mais a distribuição de dividendos resultantes da estratégia adoptada desde há anos e menos o rasgo de génio deste ou daquele. E que não vislumbro nada de substancial no horizonte que possa mudar o rumo dos acontecimentos. A Norte o passado não quer sair de cena, revelando por um lado o clássico problema de sucessão e a excessiva dependência num indivíduo. Do outro lado da Segunda Circular temos dois galos que se digladiam por objectivos de curtíssimo prazo e por palco, revelando quer o xico espertismo que tanto vilipendiamos mas que tanto premiamos, como também alguma incapacidade de trabalhar em conjunto numa óptica de complementaridade onde o defeito de um é ofuscado pela virtude do outro.

Descontando o calor da vitória que pode diminuir o discernimento, creio que o futebol português contém matéria suficiente para retirar algumas boas lições para os portugueses. Haja para isso frieza e pouca clubite.

Sugiro assim aos sportinguistas e portistas que façam bem o seu trabalho de casa. Não só para garantir campeonatos interessantes no futuro, mas também para dar bom exemplo aos nossos governantes. Não faço esta sugestão em jeito de provocação pois não quero atraiçoar o fair play e o objectivo deste texto, que mais não é que perceber de vez que pensar a longo prazo e com cabeça tende a produzir mais resultados.

E já agora sugiro aos benfiquistas que não embandeirem em arco sob pena de ter um dia de escrever um texto que não me apetece.

 

Pedro Bazaliza

Convidado Especial

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pendurados e agachados

por João Távora, em 24.04.17

No início da década de 90 explodiu em Portugal um tipo de perfil que faleceu no decorrer do programa de ajustamento. Circulavam pelos corredores das grandes empresas dos mercados não transacionáveis (obviamente…), pelos ministérios, bancos, ou ainda por uma qualquer autarquia mais atrevida. Consideravam-se o arauto e a referência do melhor que a gestão e a ambição podiam dar ao país (ou em rigor, a si e aos seus), projectando-se na sociedade como a nata e como sendo aqueles a quem todos deviam dar as graças pelos seus valorosos e inquestionáveis méritos postos ao serviço da Nação.

Falavam de alto, mais pelo que julgavam ser do que pelo que eram. Ele era milhões para aqui e para ali. Discorriam sobre estratégia e negócios com aquele à vontade próprio do parolo que brilha perante uma plateia mais desinformada. Cegos sobre os cenários que iam imaginando e quase sempre muito resolutos, viam-se como aqueles a quem a providência se lembrara para tomar em mãos os destinos estratégicos do país, e, por inerência, aqueles a quem o topo lhes deveria pertencer como consequência da sua condição.

Para muitos representavam aquilo que, erroneamente, muita esquerda sempre quis fazer acreditar como sendo a Direita. Desmedidamente ambiciosa, arrogante, inculta, impreparada, e sanguessuga. Nem faltava o fiel séquito que costuma gravitar à volta destes círculos, sempre bajulador e refém da sua ambição mais pequenina, embora útil. Desfilava também uma meia gente agachada que aceitava a troca do princípio pela prebenda, ao que não seria alheia a influência do sabor dos amendoins para a indistinção entre miragem e realidade.

Quis pois a realidade, esse incómodo dos ilusionistas, desmontar os mitos que andavam à solta. Com o baixar da maré muitos daqueles que outrora se passeavam alteados e davam entrevistas passaram a viver ou detidos, ou a solicitar perdões de dívida, ou ainda a fazer figuras tristes em comissões de inquérito.

Eram a Direita? Não. Eram Pendurados. Ou numa família, como Ricardo Salgado, ou num partido, como José Sócrates, ou num monte de dívida, como Nuno Vasconcellos, ou numa empresa leiteira, como Zeinal Bava e Henrique Granadeiro. A lista é infindável.

Esta matéria mal organizada e desacreditada sugou muito ao país. Até naquilo onde provavelmente os próprios nunca se darão conta. Subtrairam à Direita, onde por perfil eles não cabem, argumentos para convencer a maioria dos Portugueses que existe uma Direita consciente, responsável, recta, que responde pelos seus actos, livre no pensamento, pouco dada a ilusões e outros jogos, e que pode ser bastante útil para a libertação de Portugal.

 

Pedro Bazaliza
Convidado Especial

Autoria e outros dados (tags, etc)

As perigosas crianças do BE

por Corta-fitas, em 07.04.17

be-arruada.jpg

A agremiação do BE é um fenómeno que espelha bem um certo tipo de diletantismo que invadiu a sociedade portuguesa. Vida facilitada, com poucos constrangimentos do género “levar filhos à escola”, com acesso abundante a informação processada na mecha e a muita oferta cool disponível por aí, esta desarranjada mole urbana permite-se emitir doutrina à velocidade dos acontecimentos. Na abundância destes com a arrogância daqueles medra um imenso ruído e confusão que serve bem o diletantismo de quem ousa tudo julgar sem nada ter de provar, o que, aliado à condescendência como são tratados, resulta num grupo demasiado curto no argumento e excessivamente largo no berro. A desvinculação na prestação de contas e correspondente falta de escrutínio que aos outros se exige não é mais do que a zona de conforto onde o BE respira.

Assim como certas crianças urbanas mal-educadas a quem tudo se permite, não é de estranhar que o tom arrogante e estridente de que o bloquista se socorre sejam o seu norte, pois que à escassez de Nãos (não vá o petiz traumatizar-se) por oposição abundam infinitos Sins. Para tentar acalmar o rebelde, mesmo que fugazmente, há que o fornecer com muitos brinquedos e satisfazer todos os seus caprichos sempre que a reclamação emirja. Como resultado, a malta do Bloco, como qualquer ser a quem pouco se exige e tudo pode, moldou-se para a satisfação do imediato e efémero, olhando para o “sistema” que o criou mas que ele desvaloriza como um pote sem fundo que deve estar sempre disponível para saciar o apetite do momento, ainda que este esteja em conflito com as melhores prácticas ou com o desejo da maioria. No fundo o bloquista é uma criança estragada.

O momento de ouro do BE já foi. Corria o ano de 2015 aquando da vitória do Syriza e a grande ascensão do Podemos. Aquela imagem de Marisa Matias na primeira fila da grelha a bater palmas a Tsipras quando este entrava em palco aquando da aparição após a sua vitória nas eleições de 2015 simbolizava para o BE o início de uma nova era que afinal não o foi: submeter as decisões dos crescidos à vontade das crianças. Perdendo um aliado de peso, e vendo o outro mesmo aqui ao lado perder gás e representatividade, o BE tarde percebeu que só fora do Euro terá espaço para respirar e poder brincar às revoluções. E é aqui que o BE pode ser perigoso.

Como na transição de um adolescente para a vida adulta se desembrulham algumas questões, é incontornável saber agora se o BE se syriza ou se bloqueia? E o BE já respondeu, bloqueia-se. Por ter visto que a Europa não cedeu ao Syriza e que este cedeu, logo interiorizou que dentro da zona Euro nunca poderá dar largas aos seus dislates. Só com escudos e máquinas que os possam imprimir a seu bel-prazer o BE tem futuro no recreio a que se destinou, tendo até já consultor no Banco de Portugal para o efeito.

Até à geringonça o BE tinha o seu raio de acção muito limitado, mas agora tem influência significativa no orçamento. Lá encontra-se de tudo numa pérfida união de interesses. Para além destas crianças que se estão nas tintas para o défice, encontramos os ilusionistas do PS que procuram maquilhá-lo o melhor que podem para não seguirem o caminho do PSOE e PASOK, passando pelos jurássicos do PCP que há muito só querem o escudo e que só se preocupa com os redutos sindicalistas mais arcaicos de que se alimenta. É nesta união egoísta e estroina que o BE pode fazer valer o seu objectivo. Por isso a geringonça serve o BE na perfeição, por isso o BE se agacha a tudo a que outrora berraria. E é por isto o BE pode ser perigoso. A tudo está disposto para sairmos da zona Euro.

 

Pedro Bazaliza

Convidado especial

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Boa-fé

por Corta-fitas, em 27.03.17

Dijsselbloem14.jpg

Muita alma por este país se ofendeu com as declarações do Sr. Dijsselbloem. Pois eu achei-as bem-vindas. Acontece que, para variar, desde 2011 que o argumento não anda a surtir o efeito desejado, e, como tal, o esgotamento da paciência de quem é de boas contas utilizou agora a metáfora como método. Felizmente esta chegou de uma forma directa e incisiva, não fosse o ilusionista invocar uma qualquer dificuldade de interpretação para fugir ao assunto. Embora a espuma do acontecimento ainda não permita bem digerir o que está em causa, a verdade é que em algum ponto não muito distante a infantilidade reinante nalguns países vai ter de ser posta à prova. E o que está em causa é ver quem fica e quem sai da zona euro.

A zona euro é uma parada muito alta e exige aos seus aderentes um comportamento nórdico. O euro não foi criado para servir os propósitos dos países do sul em atingir o nível de vida dos países do norte por via da ilusão à boleia da falsificação de contas, e à custa de viver pendurado nos outros por via de perdões de dívida. O euro foi criado com o objectivo de aprofundar a EU e de criar laços fortes entre os seus constituintes. Convém ainda reter que o Euro não tem o propósito de ser utilizado como arma concorrencial para satisfazer os dislates e as estroinices de povos menos ajuizados.

Como num casamento, os países também se vão conhecendo com o tempo. E também como num casamento existem altos e baixos. Os consecutivos resgates e programas foram uma boa resposta à crise conjugal do Euro, provando que o norte se solidarizou bem com o sul. Compete ao sul cuidar-se e aproveitar a ajuda, tomando a si a responsabilidade de fazer o que lhe compete para merecer confiança no futuro. O caminho pode ser mais ou menos sinuoso e apresentar mais ou menos dificuldades inesperadas. Mas nada que a persistência e a boa conduta não possa vencer.

Algum tempo passou, e nesta fase é crucial perceber bem que existe um ponto fundamental que se não for cumprido tem a ruptura como resultado final. Esse ponto chama-se: boa-fé. Ou percebemos e interiorizamos isto, e depois agimos em conformidade, ou então o resultado e o todo o processo serão muito penosos.

Muitos julgaram que o Euro seria um instrumento formal e eterno de uns viverem pendurados nos outros, um verdadeiro idílio para o socialista meridional. Esqueceram-se que os parceiros com quem corremos na pista andam muitos avisados, conhecem-nos melhor do que imaginamos, e sabem muito bem distinguir quem necessita de solidariedade e quem quer viver pendurado. Por outras palavras, topam-nos à distância.

Mas muito mais do que esquerda e direita, o que está em causa nesta matéria é distinguir de entre todos aqueles que julgam que viver à conta dos outros é um modo de vida e aqueles que entendem essa postura como perversa e contrária ao bom convívio entre os diferentes povos.

 

Pedro Bazaliza
Convidado Especial

Autoria e outros dados (tags, etc)

Não nos iluda!

por Corta-fitas, em 20.03.17

O Presidente da República adopta a política dos afectos. É legítimo? É. Não ocultou o facto antes das eleições, bem pelo contrário. Está carregado de legitimidade para isso.

Aparece a toda a hora e em toda a parte! É legítimo? É. Era expectável? Era.

Comenta tudo e mais alguma coisa! É legítimo? Humm, algumas doses de contenção seriam bem-vindas. É prudente? Não, longe disso.

Apoia o Governo de Portugal contrário à sua família política de origem e de onde obteve a maioria dos votos que o elegeu. É legítimo? É, e ainda bem que o faz. Exijo respeito pelo Governo da Portugal que, diga-se, tem tanta legitimidade política quanta fraqueza democrática e incompetência. Acima de tudo não espero, tão pouco quero, que o Presidente faça de oposição. Compete à oposição essa práctica. É o Presidente de todos os Portugueses.

Parece que por vezes se intromete no governo, chegando por vezes a parecer que faz parte dele. Deve fazê-lo? Não. Mas como está em sintonia com o Primeiro-Ministro só espero que haja mais cuidado para não abrir maus precedentes. É que Portugal continua.

Pessoalmente não concordo com este estilo de presidência, mas como democrata aceito, respeito e tolero tudo isto, embora com muito incómodo.

Agora vejo o Presidente da República regozijar-se perante as câmaras da TV que Portugal emitiu dívida a juros negativos. Perdão!?

 Primeiro, e muito objectivamente, exijo que não me tome por parvo. Não existe legitimidade para tomar as pessoas por parvas. Sabe muito bem o significado de emissões de curto prazo e emissões a 10 anos, pelo que valerá a pena recordar que são estas últimas a referência para estados de espírito, que já agora adianto, convêm ser de discrição por parte da Presidência, ainda que a evolução das taxas no mercado secundário fossem favoráveis, o que está muito, muito longe de ser o caso.

Segundo, não existe legitimidade na ilusão com que se pretendeu encharcar o espaço público. Este aspecto, embora subjectivo por natureza, é na minha opinião crucial nesta fase da vida de Portugal. A ilusão, como muitas vezes tenho dito, é a maior doença que grassa em Portugal, e embora sabendo que não é legítimo esperar que venha da Presidência acção directa para a cura, considero ilegítimo que de lá surjam sinais para manter os Portugueses amarrados à maleita, senão mesmo em agravar a mesma.

Porque é este assunto tão importante? Porque este é o indicador que nos conduz, ou não, a pedir outro resgate. Aqui não se brinca, é o ringue dos crescidos. É onde deixou de haver espaço para ilusões, intrigas e outros esquemas (embora antes de 2008 não fosse assim). O escrutínio nos mercados secundários de dívida a 10 anos agora fia demasiado fino. É para peixe graúdo. Champions League.

Quando recentemente emitimos dívida a 10 anos a cerca de 4% vi o Presidente contente com a cotação dos juros a 3,8% no mercado secundário logo após essa emissão! Agora que cotam a 4,3% vejo regozijo sobre emissões de curto prazo! Não nos iluda.

 Nota final: A espuma do dia-a-dia é o terreno da politiquice do político de segunda linha mais fracote. Os bons políticos de primeira linha falam de tendências. Do presidente espera-se que se esforce para que os últimos não sejam tentados a ir para o terreno dos primeiros. Muito menos que monte lá arraiais.

 

Pedro Bazaliza
Convidado Especial

Autoria e outros dados (tags, etc)

A infantilidade anda à solta

por Corta-fitas, em 08.03.17

Lullaby-Land-film-images-ce928f06-e729-43cb-b3e9-e

Por vezes vou-me questionando sobre as razões porque nestes tempos os nossos políticos de serviço insistem na ilusão e no vício como forma de condução dos assuntos sérios. Vejo pessoas com cabelos brancos, engravatados, uns com ares distintos e outros a acharem-se, professores universitários, semblantes graves, engenheiros sociais, resolutos, ministros, doutores, especialistas, vendedores de banha da cobra, sindicalistas, etc, a passarem sinais de que o crescimento económico é função da dimensão do coração de quem tem poder para decretar amanhãs que cantam a partir de um qualquer ministério. Olho para toda esta mole humana viciada, espessa e inerte, qual pedregulho intransponível, e não consigo entender como tantos que já deviam ter mais do que idade para ter juízo ainda aprovam e convivem com mentiras, esquemas, infantilidades, patranhas, malícias, e outras velhacarias ao serviço de uma quimera que não tem pernas para andar. Porquê?

Por não existir racionalidade que explique a inconsciência que nos querem vender, creio bem que é na ilusão que reside a explicação para o charco onde estes inúmeros batráquios chafurdam e brincam. Na impossibilidade de conviverem com a realidade sob pena de atraiçoarem os seus credos que falharam, os intérpretes de serviço servem-se de qualquer margem de manobra deixada pela sensatez para tentarem salvar o seu ego e acautelarem o tempo que lhes resta, numa clara atitude egoísta para com as gerações futuras.

Um caso revela bem a infantilidade de termos vendedores de ilusões como principais actores políticos. A inconsciência com que se aceita a diminuição do investimento e a subida acelerada dos juros com que nos financiamos por troca de benefícios imediatos sem garantias de continuidade, bem como a abdicação em empreender uma qualquer reforma, por mais urgente que ela seja, é prova que a tolice marca o ritmo. Este princípio, a que usualmente na vida privada associamos a pessoas mais vulneráveis e sem capacidade de discernimento, está em vigor na intelligentsia que se julga.

 Outro caso, o da CGD, é revelador do mundo em que vivem os representantes de serviço. O amadorismo com que o assunto foi conduzido e o argumentário do chefe da banda para justificar todas as trapalhadas subsequentes diz bem sobre a impunidade reinante, aspecto típico de quem se sente livre como um passarinho para a práctica de ilusionismo sem limites.

 Temos ainda a gabarolice patética com que o distribuidor de amendoins cantou vitória sobre o crescimento de 1,4% para 2016 quando para um mesmo nível de crescimento em 2015 desdenhou o número. Mais uma vez praticou “poucochinho”, o que aliás vai sendo um clássico e bem revelador da falta de vergonha da peça. Estes contorcionismos com que se baba permitem-lhe achar-se um príncipe da política, e o silêncio cúmplice e agachado do resto da banda e o interesse vindo de além-fronteiras só lhe consolida o vício. Nada que não sirva de grande inspiração aos chicos espertos espalhados por aí.

E por fim, como aliás não poderia deixar de ser, temos o fatal consumo interno. Num país com uma escassez dramática de capital, endividado até ao pescoço, seja o Estado, Empresas ou Famílias, falar em consumo interno como factor dinamizador de crescimento económico num mercado de 10 milhões quando a taxa de poupança sobre o rendimento disponível é de cerca de 3,5% raia a loucura. Só uma grande dose de inconsciência não permite desafiar esta ilusão do consumo interno. Mas como é aqui que moram os votos até na direita isto não é ainda muito bem compreendido.

Assim vai o Portugal em 2017. Mas para que o Portugal de 2018 e seguintes dê continuidade a estas e outras ilusões há que começar a preparar o afastamento daqueles que podem atrapalhar a brincadeira. Não é por acaso que os órgãos institucionais menos receptivos a entrar no jardim-de-infância como os tutelados por Teodora Cardoso e Carlos Costa estão agora sobre escrutínio dos mais radicais da seita. Nem que para isso se tenha de atropelar a democracia, o que receio venhamos a testemunhar.

 No turbilhão natural dos acontecimentos, a que a falta de rumo e o excesso de ilusões tratam complicar, não vão faltar ocasiões para que se revele com mais detalhe a matéria de que é feita esta tribo impreparada que nos pastoreia. Tudo isto é evidentemente perigoso senão mesmo meio amalucado, e temo mais uma vez não ser com argumentos que se altere o caminho para o precipício.

 Julgava eu que pessoas experimentadas e em lugares de responsabilidade não se exporiam a reincidir no erro e aprenderiam com a experiência. Senão com a deles, pelo menos com a dos outros. E nem era difícil. Bastava para isso não trazer de volta os ilusionistas para o palco. Mas não é assim. Há qualquer coisa de psicótico em vigor neste Portugal que impede que se aprenda com os erros e que por oposição teima em dar constantemente luz verde ao vício.

Desde o início da década de 90 do século passado que Portugal vive no mundo de ilusão, mas parece que o sobressalto de 2011 não foi suficiente para pôr as almas em sintonia com a realidade. Na primeira oportunidade isso revelou-se.

Pedro Bazaliza
Convidado Especial

Autoria e outros dados (tags, etc)

Psicologia para lidar com ilusionistas

por Corta-fitas, em 17.01.17

Costa e Marcelo.jpg

Como julgo já ser consensual, a doença profunda de que Portugal padece chama-se ilusão. Ela manifesta-se de múltiplas formas. Dívida, baixa taxa de poupança, arrogância, desproporção entre direitos adquiridos e deveres practicados, amanhãs que cantam, fuga para a frente, incapacidade de racionalizar e argumentar, e acima de tudo negação. Com esta listagem creio que, qual psicólogo, o primeiro passo a interiorizar é perceber que não é com pura racionalidade que se convence o doente, nomeadamente se utilizarmos um estilo assertivo recheado de argumentos. Adoptar esta postura só leva a que o iludido se feche e adopte uma atitude defensiva, tornando impossível a sua cura. Preferível é deixar o doente falar e facultar-lhe espaço suficiente para se espalhar, algo que só o tempo e as circunstâncias que a realidade vai impondo conseguem fazer valer. Sobra assim ao lúcido socorrer-se da paciência que este exercício impõe, o que convenhamos não é a atitude mais fácil para o actor político que no dia-a-dia é chamado ao combate político.


A prova de que a racionalidade é ineficaz pode ser encontrada na forma leviana como o nosso (des)governo* encara a evolução da taxa de juro a que Portugal se financia nos mercados. Não admite que a mesma possa reflectir a opinião racional de inúmeros agentes que, embora outrora não tenham dado mostras de total racionalidade, têm tido nos anos mais recentes atitude bem mais alerta perante as diferenças entre cada devedor. Quando confrontado com o facto o ilusionista de serviço desorienta-se e responde de modo ludibrioso e por vezes até acintoso, tal é a diferença entre o que é e o que deveria ser. Com a agravante de que na cabeça de um socialista é uma contradição dos termos o facto de serem os mercados a regularem governos desmiolados e não o seu contrário. Direi pois que mais vale flanquear o ilusionista não o confrontando directamente, uma absoluta perda de tempo, antes falando para o povo sobre as consequências das ilusões. No caso das taxas de juro, e só relativamente à última emissão, é bom ter presente que a ilusão vai ter um custo adicional para os portugueses de cerca de 660 milhões de euros (ME), ou seja, 3000 ME * 2,2% * 10 anos. Simpaticamente para as luminárias de serviço assume-se que 2,2% é a diferença entre o que pagaria um governo de qualidade mediana em comparação com o actual (des)governo. Para isso recordamos que em Fevereiro de 2015 Portugal financiou-se a cerca de 2%.


*Para o BE e PCP isto nem sequer é tema porque as dívidas para estas cabeças não devem ser pagas

 

Pedro Bazaliza
Convidado Especial

Fotografia Observador

Autoria e outros dados (tags, etc)



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2016
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2015
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2014
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2013
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2012
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2011
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2010
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2009
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2008
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2007
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2006
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D