Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Sobre mim, a propósito de outros

por henrique pereira dos santos, em 12.10.17

Em 30 de Janeiro de 2009 escrevi um post sobre Sócrates e a sua forma de actuar.

A data é relevante, porque é muito, muito anterior à sua queda, é mesmo anterior, quase um ano, às segundas eleições que ganhou, é ainda do tempo de apogeu e poder absoluto de Sócrates.

Há nesse post um esforço de contenção racional para impedir a sua contaminação pelas as minhas convicções não fundamentadas em factos verificáveis, e por isso digo claramente "que deixo à polícia o trabalho de seguir o rasto do dinheiro e só quero discutir modelos de decisão pública que vão para além disso".

A conclusão do post, limitada pela expressa vontade de não fazer juízos que estão para lá do que me seria possível demonstrar a partir de factos verificáveis, ainda hoje é o essencial do penso sobre Sócrates, para lá do que a investigação judicial tem vindo a apontar: "A Sócrates cabe a responsabilidade de um método de actuação voluntarista, determinado por objectivos pré-definidos mas que desconsidera a forma da decisão e a sua correcção processual. E cabe também a responsabilidade de criar um clima em seu redor que se funda na fiel aplicação da velha máxima: “Se o príncipe não puder ser amado e temido igualmente, é melhor ser temido” e que inegavelmente contamina a cúpula da administração pública. Estas são responsabilidades políticas com virtudes (há quem defenda que só assim é possível fazer reformas em Portugal).
Mas também com fragilidades ao criar uma informalidade de decisão e uma ausência de escrutínio que permite que qualquer escroque que ganhe a confiança de Sócrates use este clima e a falta de rigor nos procedimentos em proveito próprio."

O que aqui me traz não é exactamente lembrar a minha razão de há quase 9 anos, agora que é fácil dar pontapés em José Sócrates.

O que me traz é constatar que as conclusões a que cheguei não são de quem alguma vez esteve no inner circle de Sócrates, mas de quem, embora tendo tido alguma proximidade funcional a Sócrates (fui eu o responsável pelo parecer negativo ao Freeport, que levou ao meu afastamento imediato do processo e ao bloqueio da minha carreira na função pública até hoje, ao mesmo tempo que os responsáveis por esse tipo de procedimento, ilegítimo, continuam por aí, beneficiando dessa subserviência canina: ainda nestas eleições o responsável mais directo por este exemplo de submissão da administração pública a interesses privados foi o cabeça de lista do PS à Câmara de Bragança), estava longe de ver de perto a actuação de Sócrates.

O que me conduz a uma pergunta legítima: se eu, que de longe, naquele tempo, escrevi o que cito acima, como é possível que quem tenha estado ao lado, dia a dia, não tenha dado por nada?

Não falo da corrupção e do circuito do dinheiro, como é evidente, isso é muito difícil de ver (mesmo tendo indícios claros de desfasamento entre rendimentos e padrão de vida, não é fácil ter a certeza de que exista alguma coisa de ilegítimo nesse desfasamento, normalmente explicado com base em histórias fabulosas em que todos gostamos de acreditar, quando queremos desesperadamente afastar o incómodo de reconhecer que as pessoas de quem gostamos não são perfeitas e, provavelmente, são ainda mais imperfeitas do que queremos admitir).

O que falo é do mesmo que já falava no post que cito: como é que não deram pelos métodos de actuação? Como nunca viram a prepotência? Como nunca viram as entorses aos procedimentos? Como nunca sentiram a clássica ilegitimidade da norma geral de governação das nossas elites: "proteger os amigos, perseguir os inimigos e aplicar a lei aos restantes", classificando-se como inimigos todos os que simplesmente não eram por ele?

Não falo dos mais próximos dos próximos ("when your heart is on fire, smoke gets in your eyes" diriam os Platters) mas sim dos que têm por profissão e obrigação perguntar, investigar, ir à procura para lá das aparências.

O inquietante é saber que esses são os mesmos que ainda hoje são elite do jornalismo, os que escolhem os títulos, os que escolhem a perspectiva das notícias, os que escolhem o que é, ou não é, de interesse jornalístico, os que promovem os Artur Baptista da Silva só porque dizem o que queremos escrever sem comprometer a nossa reputação na profissão ou os que são "generais prussianos".

Ou seja, o que é inquietante é que, até agora, o processo Marquês não serviu absolutamente nada para melhorarmos as nossas defesas em relação a demagogos brilhantes que estejam do lado certo da paisagem política.

Não há nada na nossa imprensa que me dê o alívio de saber que não existe hoje, no topo do Estado, uma rede de cumplicidades e interesses tão densa e profissional como a que criou e sustentou José Sócrates.

"Espero, ardentemente espero" que essa rede não exista, estou convencido de que não existe, mas não é seguramente o jornalismo que temos que me ajuda a ter essa esperança, é a mesma fraqueza humana dos mais próximos de Sócrates que os impediram de ver o que realmente não queriam ver: mesmo sem a absoluta lucidez de que se queixava Álvaro de Campos, as coisas já são suficientemente difíceis.

Autoria e outros dados (tags, etc)



8 comentários

Sem imagem de perfil

De JS a 12.10.2017 às 12:33

Muito bom post. O dedo na ferida, cancerígena, os sistema político actual?.
Mesmo no caso de não haver nenhuma condenação judicial, a nenhum dos acusados, o facto é que existem nestas acusações ocorrências que envolvem o formato do poder político em Portugal e a sua necessária, constitucional, capacidade de fiscalizar consistentemente a coisa pública.
O desenho do poder político português, a Constituição, não está também em causa?.
Se os deputados dos partidos fossem deputados dos eleitores, dos contribuintes, todas estas, semelhantes, acusações alguma vez teriam chegado á Justiça ?.
Imagem de perfil

De monge silésio a 12.10.2017 às 18:42

1.-  O caso representa-nos como povo eleitor. Mas também 


2.- Representa o facto de o sistema judiciário (advogados, funcionários, magistrados) não estar educado/mentalizado para (decidir) processos relevantes. Pois as leis já há muito existem. Mas não podemos mudar de povo, né?!

3.- A presunção de inocência é SÓ para os tribunais, pois os únicos que impõem penas, isto é, consequências publicamente relevantes, comunitariamente exigiveis. De facto, a presunção de inocência impõe que a pena SÓ será de aplicar caso hajam razões (provas) que impliquem a existência de uma acontecimento previsto na hipótese da lei penal.


4.- O achar mais ou menos do jornalista ou do espetador ou do teclista de tuíter/feicebuque é só isso...acha. Ele. Acha.Ele. (não se segue hodierna publicidade)


 
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 12.10.2017 às 18:58

Muito bom artigo mas infelizmente não estou nada convencido de que não exista uma rede a novamente tentar toldar a percepção do cidadão para os jogos da política permitindo que sub-repticiamente a elite continue a controlar e gerir a seu belo prazer e em favorecimento de alguns o bem público mantendo a "corja" do costume satisfeita e calada até quando o resultado começar a resvalar outra vez para o "buraco" e novamente termos que pagar as barbaridades que estes iluminados andam a fazer.  
Sem imagem de perfil

De Alfredo a 12.10.2017 às 19:54


"não serviu absolutamente nada para melhorarmos as nossas defesas em relação a demagogos brilhantes que estejam do lado certo da paisagem política."
Nem preciso de dizer mais, está tudo nesta sua frase.
Os encantados do sistema, são: cegos, surdos e mudos.
Sem imagem de perfil

De Terry Malloy a 12.10.2017 às 20:57

Importante o seu artigo.
Demora muito tempo, mas é com informação como a que dá aqui que vamos conseguindo juntar os pontos.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 12.10.2017 às 21:47




Excelente post. 
O que me deixa estupefacto é ouvir que tudo é falso, pressupondo que os os Srs 
Juízes e outros agentes do M. Público, durante três anos, andaram a " brincar " com os recém-acusados e, sublinho, a vergonhosa contribuição por parte de uma grande franja da nossa Comunicação Social que apoucada lida muito mal com esta trama grave e desprezível. Convictos que todos somos imbecis forjaram esquemas fraudulentos que nos defraudaram. 
Todos os visados nesta acusação deviam pedir desculpa aos seus concidadãos por não se regerem com práticas de verdade e honra.
Imagem de perfil

De José Mendonça da Cruz a 12.10.2017 às 22:16

Lembra-se, por acaso, Henrique, desta cena dos últimos tempos do governo Guterres, estando este já demitido?:  o valoroso secretário de Estado, o que construiu um outlet em zona protegida, convocou umas câmaras de televisão reverentes que o acompanharam enquanto multava pequenos agricultores por terem construído pequenas represas sem licença. Aquela cena era todo um compêndio sobre o carácter.
Imagem de perfil

De cheia a 15.10.2017 às 21:39

Muitos parabéns por este elucidativo artigo. O que me espanta, é a quantidade de apoiantes, com que ainda conta? 

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • José Mendonça da Cruz

    Ao menos aprenda a ler. Está lá escrito «Caixa», n...

  • Anónimo

    Para além das mortes, a maior destruição está nas ...

  • Anónimo

    Governo !!?? foi o Ministro do Governo PSD/CDS que...

  • loisas

    Acreditam que dar donativos ... assim... pelo mult...

  • Anónimo

    as elites!!!??? nadinha...destruíram o mundo rural...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2016
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2015
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2014
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2013
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2012
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2011
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2010
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2009
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2008
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2007
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2006
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D