Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Seis milhões de euros

por henrique pereira dos santos, em 29.12.17

Este é o valor mínimo que o Público diz que foi gasto pelas Câmaras Municipais no Natal.

Só o almoço de Natal dos funcionários da Câmara de Oeiras custou 100 mil euros, mas há muito mais coisas nestes seis milhões, com destaque para as iluminações de Natal.

Se o Público fizer a mesma investigação para as festas de fim de ano, facilmente este valor duplica (só a festa das cartolas, em Lisboa, custa 650 mil euros, se se preferir, 450 mil euros de dinheiro público mas 200 mil de uma marca de cerveja, e o Funchal gasta seguramente mais de um milhão de euros).

Se a isto se juntar os carnavais, se se juntar as festas concelhias, se se juntar as festas das freguesias e aldeias, facilmente se percebe o valor astronómico que gastamos em festas e festarolas.

Não me preocupa o dinheiro privado envolvido, os donativos que os mordomos das festas da aldeia recolhem na comunidade para celebrar os dias que a comunidade entende serem importantes, o que me interessa discutir é o dinheiro público envolvido.

Fiz um comentário ligeiro sobre a elevada exigência ética que forçosamente está associada ao gasto de dinheiro público na medida em que, por mais pequena que seja a percentagem daí resultante, a verdade é que todo o dinheiro público tem uma parte que foi tirada coercivamente a pessoas que recebem o RSI, o ordenado mínimo ou pensões de sobrevivência de poucas centenas de euros.

As respostas a comentários deste tipo são desarmantes, desvalorizando o critério base que deveria estar associado a qualquer gasto público: a aplicação deste dinheiro nesta despesa justifica que tenhamos retirado dinheiro a quem recebe o RSI?

Se houver dúvidas na resposta, a despesa deve ser simplesmente eliminada porque é uma aberração ética retirar coercivamente dinheiro aos muito pobres para pagar almoços de Natal aos funcionários da Câmara Municipal de Oeiras.

Que esta aberração ética não provoque a mínima sombra de dúvida sobre a legitimidade deste tipo de despesas, e todos achemos normal gastar milhões de dinheiro público em festas, é um bom sintoma da forma como normalizámos a captura do Estado pelos grupos de interesse, mesmo nas coisas mais pequeninas como um simples almoço, uma distribuição de bolo rei ou uma cartolada.

Autoria e outros dados (tags, etc)



3 comentários

Imagem de perfil

De João Sousa a 29.12.2017 às 17:44

Os eleitores elegeram Isaltino Morais com maioria absoluta. Acha realmente que estes mesmos eleitores se vão preocupar com um almoço de meros cem mil euros?
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 29.12.2017 às 20:47

Loonge vai o tempo dos vampiros.
Democratizaram-se.
O meu amigo dos sem abrigo que o diga.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 30.12.2017 às 22:46

O Povão quer Pão e Circo.
Até que um dia... vai acordar sem pão nem circo.
Vai passar por um mau bocado. 
Todos a ralhar e ninguém terá razão.
O pior vai ser para as criancinhas que vão nascer ou acabam agora de nascer.
Vão ter apenas côdeas rijas e bolorentas e amaldiçoarão os seus antepassados esbanjadores que, nessa altura já estão em cinzas.
Na História de Portugal, só consigo comparar a época presente, à 2ª metade do séc. XVI. As consequências daquele tempo foram as que bem sabemos.  

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2017
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2016
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2015
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2014
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2013
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2012
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2011
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2010
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2009
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2008
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2007
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2006
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D