Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




PedrogãoGrande.jpg

1. O registo emocional em que muita gente prefere permanecer no que à tragédia de Pedrógão Grande diz respeito não é  bom conselheiro: sabemos bem que mais fácil é arranjar um bode expiatório, um alcoólico incendiário para cima de quem canalizar a fúria e a indignação, mas isso não serve para nada – não alivia a dor dos vivos nem ressuscita as vidas tombadas. 

2. Dar ênfase à questão da ignição que deu origem ao fogo, se foi um raio ou um maluquinho, é uma forma de evitar a questão principal, que é a de perceber porque é que Portugal é campeão em fogos florestais para que - de uma vez por todas - se concentrem as políticas na prevenção, promovendo reformas para um ordenamento do território de acordo com o clima que nos coube em sorte.

 

3. “Hoje, através da actuação da Autoridade Nacional de Protecção Civil, verificamos uma enorme evolução em termos da segurança da população e da salvaguarda do património, com melhorias significativas em termos de capacidade de resposta operacional, mas também com o necessário aprofundamento das políticas de prevenção, investindo-se no planeamento de emergência, na minimização de riscos e nos sistemas de alerta e de aviso às populações.” Estas palavras eram proferidas pela ministra da Administração Interna Constança Urbano de Sousa em Março do Ano passado por ocasião do 15º aniversário da Tragédia de Entre-os-Rios. Passado pouco mais de um ano, esse "país das maravilhas" não resistiu à realidade das coisas. 

 

4. Numa democracia avançada todos os factos de uma tragédia desta envergadura têm de ser escrutinados e tiradas as consequências, não é preciso esperar três dias para se questionar tudo o que houver para questionar. Para que é que serve um Estado que não sabe, não consegue, proteger os seus cidadãos? Como bem refere aqui o nosso Henrique Pereira dos Santos, “Aquilo a que na maior parte das vezes se chama “imprevisibilidade” em matéria de fogos é, na verdade, ignorância. Uma das armas mais letais que existem.

 

5. A par da assinalável mobilização da sociedade civil no apoio material às populações afectadas pela tragédia e aos bombeiros acredito na importância da oração. As minhas orações por estes dias vão para as vítimas e para as famílias enlutadas.

 

Fotografia - Observador

 

Autoria e outros dados (tags, etc)



6 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 19.06.2017 às 18:09

Para que é que serve um Estado que não sabe, não consegue, proteger os seus cidadãos?

Como pode o Estado proteger cidadãos que não estão interessados em proteger-se a si mesmos?

Pois, quando as pessoas vivem em aldeolas perdidas no meio de um pinhal contínuo, podem esperar um dia morrer queimadas. Ou não?

A primeira responsabilidade de proteção deveria pertencer às próprias pessoas, que deveriam ter cuidado com o sítio onde habitam.
Imagem de perfil

De João Távora a 19.06.2017 às 21:31

Custa-me qualificar este comentário. Tão imbecil que só podia ser anónimo... 
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 20.06.2017 às 11:43

O comentário não é anónimo de propósito, e quem o escreveu fui eu, Luís Lavoura.
E mantenho a imbecilidade que disse: viver em pequenas aldeolas no meio de plantações intermináveis de árvores é perigoso. As pequenas aldeolas não podem ser efetivamente protegidas. Seria muito mais seguro as pessoas habitarem em grandes vilas, como em Espanha.
Sem imagem de perfil

De Imbécil a 22.06.2017 às 16:18

Se Vexa, anónimo, chama-se Luís Lavoura, da frase de João Távora (Tão imbecil que só podia ser anónimo...) poderá retirar-se, agora e tranquilamente, a palavra «Tão» e escolher outra.

Cumprimentos imbécis...
Sem imagem de perfil

De Carneiro a 19.06.2017 às 23:09

A questão da ignição do incêndio tem a ver mais com a hora do que com o modo. As tais trovoadas parece que só surgiram ao final do dia, - cá em Lisboa, ocorreram após as 20 horas, como é  (empiricamente) normal - enquanto há testemunhos que dizem ter alertado os bombeiros a partir das 14:00 horas. As primeiras horas de ataque ao incêndio são cruciais. Parece que esse ataque não ocorreu. Se a tese oficial assenta nas tais trovoadas que só se verificaram 4 ou 5 horas após os primeiros alertas, isso significa o branqueamento da responsabilidade de quem não actuou naquela  janela temporal. E por isso se recorre ás trovoadas para explicar que o início da noite  comportou uma simultaneo e generalizado inferno   que impediu o socorro. Desde que Marcelo surgiu a desculpabilizar se percebeu que se estava perante manobras de encobrimento. O Cidadão comum, onde me incluo, não pode confiar no governante - seja ele de que partido for. Em especial nesta gajada.
Sem imagem de perfil

De Vasco Silveira a 20.06.2017 às 11:23

Caro João Távora


Felicito-o pela sobriedade e equilíbrio do seu "post", e sobretudo para o seu ponto nº5: uma tragédia desta dimensão só é suportável ( não encontro outra palavra) com fé.
cumprimentos e um abraço


Vasco Silveira

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • José Mendonça da Cruz

    Ao menos aprenda a ler. Está lá escrito «Caixa», n...

  • Anónimo

    Para além das mortes, a maior destruição está nas ...

  • Anónimo

    Governo !!?? foi o Ministro do Governo PSD/CDS que...

  • loisas

    Acreditam que dar donativos ... assim... pelo mult...

  • Anónimo

    as elites!!!??? nadinha...destruíram o mundo rural...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2016
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2015
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2014
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2013
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2012
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2011
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2010
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2009
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2008
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2007
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2006
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D