Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Para que não restem dúvidas

por henrique pereira dos santos, em 09.11.17

A Caixa Geral de Depósitos respondeu à minha reclamação sobre o desvio de fundos do apoio directo às vítimas do incêndio de Pedrogão para o apoio ao Estado que apoia as vítimas dos incêndios de Pedrogão.

O essencial da resposta é absolutamente clara na opção da Gulbenkian (com acordo da CGD) tratar o dinheiro dos doadores como se fosse seu.

"A Caixa foi a primeira instituição bancária a abrir uma conta de solidariedade para com as vítimas dos incêndios de Pedrogão. Angariou donativos que atingiram os 2,6 milhões de euros".

A primeira preocupação da resposta da CGD é informar-me que estão muito à frente da concorrência. Informação inútil para o que à reclamação diz respeito, mas bem demonstrativa das prioridades da Caixa nesta matéria.

"Na comunicação pública que fez, num primeiro momento, a Caixa identificou como prioritários a reconstrução das primeiras habitações, reconstrução de anexos agrícolas, recuperação dos meios de subsistência das famílias afectadas e o apoio aos apicultores que viram a sua produção destruída".

Mais uma vez a Caixa e as suas opiniões são o centro da informação que me é prestada, omitindo por completo que o que está em causa não é o que a Caixa identifica ou não como prioritário, mas sim o que os doadores perceberam que ia ser feito com o dinheiro que decidiram doar, partindo naturalmente do que a Caixa definiu como os objectivos da angariação de donativos.

Segue-se um parágrafo sobre o acordo com a Gulbenkian que resulta num outro parágrafo "A Gulbenkian concluiu haver necessidades de reforço da capacidade de resposta do SNS na emergência e pós emergência às populações afectadas, nomeadamente para a aquisição de equipamentos para munir as unidades de queimados. Isto mesmo ficou estatuído em anexo ao protocolo de cooperação com a Caixa".

É então claro o que desde o princípio das críticas foi dito que era inaceitável: a Gulbenkian e a Caixa acham normal pedir dinheiro para o apoio directo às necessidades imediatas das pessoas afectadas e, posteriormente, tendo identificado falhas do Estado no cumprimento das suas obrigações (poderiam ser falhas de quaisquer entidades privadas, como a Misericórdias, que o problema era praticamente igual), desviar o dinheiro doado para apoio directo aos afectados para o apoio ao Estado no cumprimento das suas obrigações de socorro às populações.

A conclusão da resposta mantém a arrogância típica de entidades majestáticas como a Caixa e a Gulbenkian: "A finalidade do protocolo é muito clara: O montante doado através da Caixa destina-se a ser utilizado na satisfação das necessidades das populações afectadas pelos incêndios. É o que está a acontecer".

Nem por um minuto a Caixa perde tempo a discutir se os doadores foram informados, em algum momento, que o seu dinheiro seria gerido desta forma e poderia ser usado para financiar a resolução dos problemas do Estado no socorro às populações, basta-lhe o que escreveu nos protocolos com a Gulbenkian.

Não admira por isso que seja tão difícil saber exactamente como tem vindo a ser aplicado o dinheiro doado através deste mecanismo: a Gulbenkian (e a Caixa, por omissão), pelos vistos, acha que tem mais que fazer que prestar contas sobre a utilização de dinheiro que não é seu.

O Oservador, por exemplo, angariou (penso que não com uma campanha pública, mas se o fosse, desde que o objectivo da angariação fosse claro desde o início, a questão seria igual) dinheiro para fazer um plano de intervenção no território de uma freguesia, nada contra o seu uso dessa forma, com as instituições que entender.

Qualquer pessoa poderia ter feito uma campanha de angariação de doações para entregar bolas de berlim às pessoas afectadas, nada contra o uso do produto da campanha nessa finalidade.

O que está em causa nesta questão da Caixa e da Gulbenkian é que o dinheiro foi angariado para o apoio directo às populações e acabou a ser usado no apoio ao Estado para que o Estado cumprisse as obrigações que já tinha e não cumpria.

Que a Gulbenkian e a Caixa não percebam isto, é triste, mas que todos nós, a imprensa, os advogados que poderiam pôr um processo por burla (ou, no mínimo, publicidade enganosa), etc., engulamos isto sem sobressalto, é muito, muito triste e um bom contributo para a destruição da confiança das pessoas comuns nas instituições e nas elites que nos governam.

Autoria e outros dados (tags, etc)



4 comentários

Sem imagem de perfil

De DL a 09.11.2017 às 09:54

Era util saber se a CGD ou outras instituições não vão enquadrar as doações como mecenato para obterem um benefício fiscal no âmbito de IRC por exemplo. É que as doações ao Estado são majoradas para este efeito por exemplo em IRS...
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 09.11.2017 às 13:17

o ultimo boletim do STEC refere em titulo " Terror social na CGD". Os trabalhadores estão a sofrer uma campnha de perseguição e intimidação para venderem crédito habitação, seguros novas contas. Dizem-lhes na cara que se não venderem mensalmente levam nota zero e serão despedidos. Quem se atreve a dizer a verdade ( o caos burocrático e falta de empregados nas agências impedem um serviço de qualidade ) é ameaçado e enviado para agencias a mais de 30km do sitio onde estava. Infelizmente a Administração tem as costas quentes. Os sindicatos estão mudos. A opinião pública em vez de perseguir a Administração paga a peso ouro e os anteriores responsáveis por perdas incalculáveis entretém-se nos jornais a comentar contra os malandros dos funcionário públicos da CGD.
Imagem de perfil

De Beia Folques a 09.11.2017 às 14:22

É tudo tão lamentável, vergonhoso que me falham as palavras para me indignar
Sem imagem de perfil

De Pedro Cruz a 13.11.2017 às 00:30

Para que conste, subscrevo inteiramente a S/ opinião, e indignação.
Pedro Cruz

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Vasco Lobo Xavier

    Agradeço por corroborar o meu ponto. Ainda não aca...

  • Vasco Lobo Xavier

    Informe-se primeiro sobre a realidade que discute....

  • Vasco Lobo Xavier

    Este anónimo deve ser funcionário público, com ord...

  • Anónimo

    Eu acho que o país devia mobilizar-se em protesto ...

  • Anónimo

    Considere-se pessoa de sorte! Só encontra 1 mentir...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2016
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2015
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2014
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2013
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2012
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2011
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2010
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2009
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2008
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2007
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2006
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D