Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




O mau candidato do Porto

por henrique pereira dos santos, em 05.10.17

Tendo o PSD perdido as eleições, a verdade é que a percepção da dimensão dessa derrota foi muito condicionada pelos resultados de Lisboa e Porto (que foram de facto muito maus para o PSD e mauzitos para o PS).

Em Lisboa o PSD tinha uma má candidata (em que votei por razões de política geral), no sentido em que não demonstrou grande preparação, já era vereadora sem que se lhe conheça grande intervenção ou interesse no governo da cidade, não tem um curriculum que a recomendasse especialmente para a função, para além das questões pessoais sobre empatia e etc., que são relativamente relevantes mas que não me interessam muito.

No entanto, tem-me espantado muito a qualificação, sem mais, de Álvaro Almeida como um mau candidato.

Álvaro Almeida é um profissional qualificado, com um longo curriculum que envolve muita dedicação à causa pública, com experiência de gestão de topo na administração pública (e bom desempenho, dizem-me) e genericamente bem considerado pelos seus pares. Sim, também tem handicaps nessas áreas da empatia e tal, mas considerar esse o principal critério para definir um bom candidato é dar razão ao PS na escolha de Inês de Medeiros para Almada, ou à escolha de Ventura, Isaltino, Valentim Loureiro ou Ágata.

Ou seja, aceitar, sem mais, que uma pessoa qualificada, sem grande envolvimento partidário e uma vida profissional consistente e sem dependência partidária é um mau candidato, é correr o risco de termos cada vez mais cromos mediáticos como candidatos a cargos para cujo o exercício não demonstraram previamente a menor qualificação.

Note-se que isto não significa que depois, no exercício dos cargos, alguns não se venham a revelar muito melhores que a encomenda, como me parece claro que foi o caso de Passos Coelho em 2011, mas essas são as excepções. Também acontecem às vezes nas empresas, em que os filhos estroinas do dono ganham juízo e se fazem empresários competentes, mas basear a sucessão das empresas nessas lotarias é um risco enorme que, na maior parte dos casos, tem consequências dramáticas para as empresas e os seus trabalhadores.

No momento da escolha de Álvaro Almeida, o PS ia apoiar Rui Moreira e portanto faria sentido ter um candidato que é a sua antítese, concentrando os votos dos que não se reconhecessem em Moreira, o que, em princípio, garantiria uns 30% de votos, mais que suficientes para uma leitura positiva dessa votação na noite eleitoral.

Estaria preparado o caminho para uma futura candidatura ganhadora, se o desempenho concreto de Álvaro Almeida fosse, como seria de esperar pelo seu curriculum e preparação, um bom desempenho na vereação. Ou seja, admitindo estes pressupostos, Álvaro Almeida era seguramente um bom candidato, demonstrando capacidade de renovação do PSD, capacidade de alargamento da base de apoio com a captação de pessoas qualificadas não oriundas do partido e sua envolvente, etc..

Aparentemente o que aconteceu foi que o PS se apercebeu do risco de aparecer na noite eleitoral a perder 10% (dez pontos percentuais, para os puristas da linguagem que têm dificuldade em perceber que o rigor mal aplicado pode gerar problemas de comunicação) em Lisboa e desaparecer no Porto, diluído na vitória de Rui Moreira.

Inventou por isso uma querela, deitou às malvas tudo o que tinha feito e dito sobre Rui Moreira e, como de costume, preferiu garantir o ganho político de curto prazo sobre a decência, rompendo acordos estabelecidos, com pretextos infantis, sem o menor problema em destratar o parceiro do dia anterior.

Pensei que a votação no PS seria uma votação residual (eu sou um ingénuo que persisto em ter uma visão moral do mundo) porque qualquer pessoa decente se recusaria a caucionar isto.

Mas aos poucos fui vendo gente decente a caucionar esta forma de actuação política, a candidatura foi crescendo à boleia do apoio ao governo actual, ao ponto da eleição de Rui Moreira ficar em risco, o que teve o efeito de concentrar nele todos os votos das pessoas que não queriam que o PS ganhasse.

A vítima (sim, é verdade que um candidato excepcionalmente dotado para a intriga palaciana poderia contrariar melhor o carácter florentino deste processo, por exemplo, um António Costa, e nesse sentido "vítima" é um pouco excessivo) disto tudo foi Álvaro Almeida, que se revelou um mau candidato para contrariar esta forma canalha de fazer política.

Mas isso não faz dele um mau candidato, é apenas um bom candidato que teve um mau resultado por não ter sabido, ou podido, responder politicamente a um processo amoral que não previu.

Francamente acho que é bom que se apresentem bons candidatos, mesmo que tenham maus resultados em processos deste tipo, mas será um esforço vão se não forem utilizados, a partir de agora, para reforçar as possibilidades de pessoas decentes ganharem as eleições, empenhando-se seriamente no governo da cidade nos próximos quatro anos.

As golpadas são normais em política, com frequência dão muitos bons resultados eleitorais no curto prazo, mas há mais marés que marinheiros.

E isso permite manter a fé de que umas vezes ganhará o arranjinho, outras vezes ganhará a decência, sendo bom que se possa dizer, por ser verdade, que Álvaro Almeida foi um bom candidato, com algum desfasamento em relação às circunstâncias em que decorreu aquela eleição específica, é certo, mas com possibilidade de obter melhores resultados noutras circunstâncias.

A bem da decência, espero não estar totalmente enganado.

Autoria e outros dados (tags, etc)




Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • José Mendonça da Cruz

    Ao menos aprenda a ler. Está lá escrito «Caixa», n...

  • Anónimo

    Para além das mortes, a maior destruição está nas ...

  • Anónimo

    Governo !!?? foi o Ministro do Governo PSD/CDS que...

  • loisas

    Acreditam que dar donativos ... assim... pelo mult...

  • Anónimo

    as elites!!!??? nadinha...destruíram o mundo rural...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2016
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2015
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2014
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2013
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2012
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2011
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2010
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2009
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2008
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2007
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2006
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D