Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Ilustrações

por henrique pereira dos santos, em 10.05.17

Diz Clara Barata, no Público de ontem: "Uma manifestação contra o novo Presidente logo no dia a seguir a ser eleito, ilustra a dificuldade do seu caminho".

Para mim ilustra muito melhor as dificuldades dos promotores da manifestação em conviver com a Democracia e a ideia de que a legitimidade do poder lhe advém do voto das pessoas comuns e não do consentimento dos iluminados que dizem defender os interesses do povo.

Autoria e outros dados (tags, etc)



6 comentários

Sem imagem de perfil

De maria a 10.05.2017 às 09:24

Absolutamente verdade.Há muitas mentes enviezadas não pelo conhecimento da vida mas sim pelas facilidades que dela têm sacado.
Sem imagem de perfil

De Renato a 10.05.2017 às 10:36

Acho que não. Ilustra é a liberdade de manifestação e protesto, coisa essencial e, por isso, legitima, em democracia.
Sem imagem de perfil

De Fernando S a 10.05.2017 às 15:11

As manifestações que se sucederam ao conhecimento do resultado das eleições, logo no próprio dia e no dia seguinte, com alguns actos de intimidação de pessoas, destruição de bens públicos e privados, violência contra as forças policiais, são obra da extrema-esquerda.
O legitimo direito à manifestação nunca esteve em causa.
O que é próprio destes grupos extremistas e minoritários é a vontade de impor nas ruas aquilo que não conseguem obter através de eleições livres.
O que menos lhes interessa é precisamente a democracia e o respeito pelas diferentes opiniões, muito menos as mais representativas. 
A única opinião que conta é a deles e a única liberdade que querem ver respeitada é a deles poderem fazer o que querem contra a liberdade dos outros.
São opiniões totalitárias ! 

O novo presidente francês vai certamente ter muitas dificuldades no seu caminho.
Mas, as principais não têm que ver em particular com as manifestações de protesto destes sectores extremistas, que sempre existem e existirão, mas sim com o que se vai passar politicamente com os sectores moderados e que representam a maioria da população, do centro, do centro-direita, do centro-esquerda : até que ponto é que Emmanuel Macron, que foi eleito com votos provenientes destas diferentes áreas politico-partidárias, vai conseguir assegurar uma maioria parlamentar minimamente coesa para um governo com força e autoridade para levar a cabo as reformas de que o pais precisa e para se afirmar a nivel europeu e internacional ?...  
Sem imagem de perfil

De Renato a 11.05.2017 às 09:47

Queimaram Paris? Não vi em lado nenhum esse relato apocalíptico, Fernando. Gritaram muito e terão estragado algum mobiliário público, mas prefiro isso aos desfiles ordenados em passo de ganso da extrema direita. Foi uma manifestação de gente insatisfeita com o Macron e se a nossa sociedade não pode absorver este tipo de manifestação, estamos muito mal. Sobretudo, não embarco na comparação entre os militantes do Melenchon e os militantes da Le Pen. Deve ser muito confortável ficar pelo “devemos portar-nos bem e não estragar coisas e não ser extremista” e, com base nisso, partir para o “estão bem uns para os outros”. Mas se calhar, alguém tem de fazer aqui o papel que eu faço, que é o de fazer escolhas morais, com base em coisas um pouco mais profundas, como é a empatia por um dos pólos opostos. O Fernando tem uma sensatez assinalável. Eu não consigo e realmente não conheço mais ninguém que a tenha assim.

Mas não entendi muito bem se é com base nos gritos e correrias que o Fernando diz que eles não respeitam a democracia. É isso?  

De qualquer forma, o Henrique não se refere aos estragos, mas sim a uma espécie de legitimidade. Há um presidente eleito, há que respeitar. Manifes são uma falta de respeito pela vontade do povo. Isto, para mim, é uma coisa original. Mas obviamente, como é habitual, percebi tudo mal. 

Sem imagem de perfil

De Fernando S a 11.05.2017 às 12:58

Renato,
Efectivamente, não "queimaram Paris".... Também era só o que faltava ... Mas, se os deixassem, queimavam mesmo, faziam "a revolução", destruiam, saqueavam, prendiam, agrediam, matavam,... lançavam o caos nas ruas que deveria permitir a tomada e a usurpação do poder institucional pela força. A história está repleta de exemplos que começaram com uma pequena agitação e acabaram na tragédia da ditadura e do totalitarismo
Mas, mesmo sem os deixarem tomar completamente conta das ruas, para além de manifestarem e protestarem pacificamente, o que é um direito legitimo, quase sempre fazem estragos e condicionam a tranquilidade e a liberdade dos outros, o que é ilegitimo e moralmente (sim, Renato, "moralmente" !...) inaceitável.
Desde há muito que não há "desfiles ordenados em passo de ganso da extrema direita." O que é mais frequente são os "desfiles de punho erguido da extrema esquerda". Em geral, a extrema direita é antes vitima de contra-manifestações da extrema-esquerda, a tal que se auto-proclama "anti-facho" e que se atribui a missão de impedir aquela de existir e manifestar. Apesar de, em democracia, a extrema-direita ter tanto direito como a extrema-esquerda de fazer manifestações e de exprimir a sua insatisfação e o seu protesto.
O problema é que pessoas como o Renato têm uma dualidade ideológica de critérios relativamente às manifestações e às violências que eventualmente as acompanham : se as manifestações são de esquerda, mesmo que da mais extrema e herdeira do totalitarismo comunista, são legitimas, e se os manifestantes se "portam menos bem" não é grave e é até salutar do ponto de vista da democracia ; se as manifestações são de direita, e nem sequer é preciso esta ser muito extrema, já são ilegitimas e qualquer desordem e violência, por limitada que seja, já é uma grave ameaça para a democracia.
Esta é a sua "escolha moral" ?!...
Em matéria de democracia a "moral" é o respeito por todas as manifestações de protesto, incluindo as da extrema-direita, e é a condenação da violência, mesmo a da extrema esquerda, ou seja, independentemente de se estar mais ou menos de acordo com as opiniões dos manifestantes   
Portanto, os manifestantes, sejam eles de que lado forem, que ultrapassam o carácter pacifico e legal que é suposto presidir às manifestações em espaços públicos, não respeitam a democracia ... na prática !
Mas, diz o Renato que o Henrique Pereira dos Santos considera que, pelo simples facto de manifestarem contra Macron, os manifestantes mostram que não respeitam a democracia, a "vontade do povo".
Mas é evidente que é assim !...
O que é que o Renato acharia se a Frente Nacional e os seus militantes tivessem vindo para as ruas, para mais "portando-se mal e destruindo mobiliário publico", contestar a legitimidade da vitória de Macron (ou de Mélenchon, ou de Hammond,...) ?!...
Ou seja, o que é contrario ao espirito da democracia não é manifestar a sua oposição a quem ganha eleições mas sim contestar a legimidade dessa vitória invocando hipotéticos "intrêsses do povo", e foi exactamente isso que fizeram os ditos manifestantes (basta ver as palavras de ordem).
Dito isto, mantém-se o facto de mesmo essas manifestações serem legitimas em democracia ... desde que e na medida em que não descambem para a desordem e a violência, por pouco que seja, mesmo que sejam "apenas" estragos em mobiliário publico e arremeços de objectos letais contra as forças policiais.    
Sem imagem de perfil

De Renato a 11.05.2017 às 16:28

Fernando, eu não esperei que a extrema-direita partisse candeeiros na rua para fazer uma opinião sobre eles. E o Fernando? Diz que eu tenho uma dualidade de critérios? Não, faço uma escolha política, como qualquer outra pessoa. E os estragos materiais em manifestações são um dos factores menos relevantes nessa minha escolha. Ou teria de considerar o Orban da Hungria o máximo da decência, porque nunca ouvi falar que partisse sequer um copo de água. Mas se o critério passar a ser esse, seria então melhor que a análise politica viesse acompanhada de um relatório pormenorizado de estragos, do género dos autos de medições de obras: quantidades e valores (é uma coisa em que tenho experiência, por acaso). Eu, por exemplo, ainda não sei bem qual a dimensão e quantidade de estragos que fizeram esses manifestantes em Paris.

Diz o Fernando:

“Mas, diz o Renato que o Henrique Pereira dos Santos considera que, pelo simples facto de manifestarem contra Macron, os manifestantes mostram que não respeitam a democracia, a "vontade do povo".
Mas é evidente que é assim !... “

É evidente? Extraordinário. Não posso protestar contra os governos eleitos do meu país? Mas em que manual ou texto teórico sobre a democracia está isso escrito?

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Renato

    Tem ideia de que, nestas condições, metade do país...

  • Luís

    O problema aqui não são as condições climatéricas ...

  • Anónimo

    É óbvio que os modelos e a computação não permitem...

  • Rui Almeida

    Tem razão a srª jornalista! Em Portugal, como aliá...

  • Renato

    Vamos aqui separar a questão politica, da questão ...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2016
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2015
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2014
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2013
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2012
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2011
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2010
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2009
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2008
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2007
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2006
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D