Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Fogos, eucaliptos e vacas sagradas

por henrique pereira dos santos, em 20.01.17

Para quem não tenha dado por isso, arderam 800 hectares, em fogos de mais de 30 hectares, em Novembro. Em Dezembro/ Janeiro, mais 1700 hectares. Ou seja, tendo em atenção o desfasamento conhecido entre estas medidas de satélite e a realidade, Paulo Fernandes estima que, grosseiramente, se poderá falar de cerca de três mil hectares ardidos desde 1 de Novembro até hoje.

E continuará a arder enquanto se mantiverem estas condições meteorológicas, excelentes para fogos de Inverno. Ainda recentemente, em Espanha, estava a arder, há quase uma semana, numa zona em que as temperaturas estavam seis graus abaixo de zero.

Como comentava o Laboratório de Fogos Florestais da UTAD, confirma-se que as baixas humidades podem anular o efeito das baixas temperaturas na propensão para arder, não sendo a inversa verdadeira: por mais alta que seja a temperatura, não arde grande coisa com humidades altas.

Como um destes fogos foi às portas de Vila Real, logo alguém filmou e deu origem a umas notícias de jornal e comentários inflamados nas redes sociais, por parte de quem acha um drama arderem 300, 400 ou 500 hectares de mato nas actuais circunstâncias.

Tentei explicar que a notícia destes fogos era excelente, a única parte negativa é a mania de se porem bombeiros a apagar estes fogos, em vez de simplesmente os acompanhar e conduzir, para eliminar a probabilidade, aliás baixa, de haver perdas económicas (nestas circunstâncias não há grande probabilidade de haver perdas sociais e não há perdas ambientais).

Rapidamente me estavam a chamar nomes, a ironizar sobre o que eu sabia sobre o assunto, a fazer ataques de carácter, etc..

E, inevitavelmente, a falar de eucaliptos (a arder no cimo de Montemuro e do Alvão, áreas de pastagens pobres sem aptidão para eucaliptos e os pobres de espírito a repetir mantras sobre eucaliptos e fogos, como quem reza a Santa Bárbara de cada vez que troveja).

Eu já fui um feroz opositor da plantação e da expansão do eucalipto, mas fui lendo, fui falando com quem estuda o assunto e fui verificando que grande parte do que eu julgava saber sobre o assunto não se confirmava em lado nenhum. Continuo a não gostar de eucaliptos, mas escrevo livros que  gosto que sejam lidos em papel.

Mais que isso, comecei a notar que os mais destacados militantes anti-eucalipto nunca tinham trabalhado sobre o assunto, tinham áreas de conhecimento, no máximo, próximas, mas mesmo quando eram investigadores o facto é que nunca tinham investigado nada sobre o assunto. Podiam ser, por exemplo, eminentes especialistas de solos, explicavam que sabiam muito de solos (quem diz solos pode dizer alterações climáticas, lobos, paisagem, enfim, o que se queira), usavam as suas credenciais académicas como argumento de autoridade mas, por acaso, nunca tinham mesmo estudado o assunto e os dados empíricos que usavam raramente eram abrangentes, normalmente eram sobre um pequeno factor (por exemplo, os óleos presentes nos tecidos dos eucaliptos são muito inflamáveis) para fazer generalizações e tirar conclusões totalmente abusivas. E a quantidade de asneiras por parágrafo atingia números exorbitantes sem que isso afectasse minimimente a credibilidade desses vendedores de banha da cobra.

Nada disto seria muito importante se a larga maioria dos que de facto estudam o assunto não fosse ostracizada no debate público.

Quer nos fogos, quer nos eucaliptos (mas poderia ser com o glifosato) há uma regra simples: para se ser ouvido é preciso dizer-se o que é permitido, argumentar que todos os que dizem o contrário estão vendidos aos interesses e que o mundo acaba já amanhã se não se parar a destruição a que se assiste e todos podemos ver facilmente.

Por acaso até sou presidente de uma associação de conservação da natureza, até faço trabalho concreto em matéria de conservação, até escrevo contra o mau uso de dinheiros públicos no apoio à produção (incluindo de eucalipto) em vez do pagamento dos serviços de ecossistema, mas nada do que eu faça tem a menor importância a partir do momento em que me recuso a entrar na histeria, não fundamentada, quando não mesmo errada, sobre os fogos, sobre a produção de eucalipto, sobre o glifosato e outros símbolos de pureza a que é preciso prestar vassalagem se se quiser ser considerado um bom ambientalista.

O que me parece perigoso nisto tudo não é a pequena minoria radical, muito vocal, que vocifera contra toda a heterodoxia, isso é da natureza das coisas e os sectários tendem a ser polícias do pensamento dos outros. E quanto menos importância têm, mais cultivam a pureza da linha justa e mais sectários são (o verdadeiro caso de estudo na matéria são os trotskistas clássicos).

O que é perigoso, e não se verificava de forma tão evidente há uns anos atrás, é o silêncio da grande maioria dos sabem, que pode ser voluntário (como eu os percebo, realmente há mais para fazer na vida que aturar parvos radicais e radicais parvos que não têm qualquer pejo em reduzir toda a argumentação a acusações de corrupção) mas é também, e muito, um bloqueio real que os jornalistas fazem a quem não pensar da forma certa.

E no fim queixam-se todos dos populismos que vamos alimentando com a condescendência social para com os ignorantes atrevidos a quem damos o direito de definir o que está certo e errado, não porque não saibamos que estão errados, mas porque não queremos lidar com a sua evidente agressividade e intolerância e não queremos acabar a ser acusados de corruptos, de estar ao serviço dos interesses, de ser pagos pelos malandros a quem só interessa o lucro.

Por mim, tolerância zero para o obscurantismo que me prentender impôr um pensamento único seja em que matéria for: o direito à asneira é sagrado e eu não tenho a menor intenção de abdicar desse direito só porque há uns tontos a quem as acusações saem mais facilmente que os argumentos.

Ide ver se está a chover.

Autoria e outros dados (tags, etc)



14 comentários

Sem imagem de perfil

De Manuel branco a 21.01.2017 às 08:12

Metralha tudo e todos de bobos da corte, de espalhafatosos, de censura social e âs tantas até pode ter razão


Todavia não explica porque é que o eucalipto até nem é tão mau como dizem.


Nota: percebo zero do assunto, não aprecio ambientalistas, ecologistas e outros istas da seita, mas até gostaria de perceber a fundamentação da sua posição.
 O mais que encontrei na net com a sua participação foram guerras de sacristia entre devotos. E não me sugira que compre a sua obra ou de outros de pregação da boa nova.
Imagem de perfil

De henrique pereira dos santos a 21.01.2017 às 14:02


Deixe-me ver se entendo: não percebe nada do assunto, não quer ler para aprender sobre o assunto mas pede-me que eu explique a fundamentação que demonstra que afirmações de terceiros não fundamentadas estão erradas?
É simples, faça uma procura, só no google scholar para evitar grande parte da literatura cinzenta sobre o assunto sobre eucalipto e gestão da água, eucalitpto e gestão do solo, eucalipto e fogos, eucalipto e biodiversidade, que serão os principais problemas levantados, e verificará facilmente que não encontra evidências dos principais efeitos negativos que são atribuídos ao eucalipto.

Espero que chegue.
Sem imagem de perfil

De Renato a 21.01.2017 às 10:24

Henrique, eu tenho como regra nunca chamar idiotas ou vendedores de banha da cobra a quem estuda de forma profissional assuntos de que sou apenas amador, ainda que amador dedicado. O que verifico é que, neste caso, há opiniões diversas. O Professor Jorge Paiva, por exemplo, é contra a proliferação dos eucaliptos e talvez preferisse, já agora, que lhe chamasse vendedor de banha da cobra na cara. Ou, pelo menos, colocar-lhe aqui o nome e dos outros. 
Um dos que discorda do professor Jorge Paiva, ainda que noutros termos, é o professor Paulo Fernandes, que não deixa, ainda assim, de dizer isto:

http://rr.sapo.pt/noticia/64536/vidoeiros_carvalhos_e_castanheiros_as_arvores_bombeiras_que_podem_travar_fogos

Isto tudo para dizer que se calhar afinal o Henrique tem ainda muito a aprender sobre eucaliptos e espécies vegetais em geral e talvez fosse aconselhável, por isso, menos soberba. Eu acho que pode aproveitar para protestar junto do professor Paulo Fernandes contra essa coisa da florestação com "árvores bombeiras", com que não se faz um papel de jornal decente e ainda por cima atrasa as rotativas ;

Imagem de perfil

De henrique pereira dos santos a 21.01.2017 às 14:23


Jorge Paiva (e pode acrescentar Ribeiro Telles e muitos outros) tem opiniões muito fortes sobre eucaliptos (ou sobre pastoreio, ou sobre evolução recente da paisagem rural) mas não tem um único trabalho científico sobre estes assuntos (suponho, mas não posso garantir, que o trabalho que esteve a fazer em Moçambique para plantações de eucaliptos foram trabalhos de inventariação botânica, que é aquilo em que Jorge Paiva é realmente bom).
Já lho disse pessoalmente, em especial quando os dois apanhávamos o alfa das seis da manhã, pedi-lhe para identificar os erros do meu primeiro livro (que lhe dei e sei que leu) mas escusou-se a concretizar.
Jorge Paiva é um excelente comunicador, um bom sistemata, um bom botânico, mas nunca produziu trabalho científico relevante como ecólogo, que nunca foi.
Quanto aos viduais, em algumas circunstâncias, promoverem a auto-extinção do fogo, não vejo o que tenha com o post.
É pena que os jornalistas que escreveram essas parvoíces sobre um pequeno comentário que Paulo Fernandes fez no facebook (como ele disse, trinta anos de investigação e torna-se instantaneamente famoso com uma curiosidade irrelevante) não tenham querido acompanhar o nosso último passeio do fogo, por áreas ardidas, que o Paulo acompanhou e onde até houve um vidual em que discutimos as circunstâncias em que se favorece essa auto-extinção do fogo.
Um bom exemplo que como se distorce o debate público.
Sem imagem de perfil

De Renato a 21.01.2017 às 15:00


Eu não citei parvoíces de jornalistas, mas um link da RR, sobre declarações do próprio Paulo Fernandes. Pelo que me está a dizer, não foi ouvido pela rádio; parece que lhe tiraram isso do facebook. Mas, das duas uma, ou o citaram mal, ou citaram bem. Se citaram mal, o próprio Paulo Fernandes já terá protestado veementemente. É perguntar-lhe. Mas o Henrique, curiosamente, não diz que são declarações falsificadas, mas que são irrelevantes, terá dito o próprio  professor Paulo Fernandes. Se é como diz, fico também a saber que é irrelevante dizer-se que "Os vidoeiros, carvalhos e castanheiros são umas das principais “árvores bombeiras”, porque são folhosas e mantêm o ambiente “relativamente” húmido, abrigado do vento durante o Verão"
Ou que “a aposta nestas árvores permitirá, a longo prazo, limitar o flagelo dos incêndios” Ou isto: “raríssimo encontrar um fogo cuja origem ocorra numa área com estas espécies e, quando acontece, as árvores mantêm-se verdes”. E é irrelevante dizer que "Para as zonas com “piores condições de solo”, se aconselha o uso do “sobreiro, espécie que, embora arda com maior facilidade, consegue recuperar”? E que “No extremo, temos aquelas espécies que ardem muito bem, como por exemplo os eucaliptos e os pinheiros. A natureza da espécie impõe o fogo, e com a acumulação de biomassa há sempre um potencial risco”?
Se isto é irrelevante, convinha que o professor Paulo Fernandes (ou o Henrique por ele), nos elucidasse sobre quais as suas declarações que devem ser levadas a sério e quais as não devem ser levadas a sério. 
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 21.01.2017 às 20:40

Renato, não percebi a relação entre as minhas declarações sobre árvores "bombeiras" e o post do Henrique. Para a próxima terei o cuidado de pôr água na fervura e informar que 36% de toda a área de carvalhal ardeu entre 1996 e 2014, ao nível do pinheiro bravo (35%) mas pior q o eucalipto (30%). Aliás se analisarmos isto como deve ser, com um índice de seleção pelo fogo, somente as acácias são mais preferidas pelo fogo que os carvalhos. Ou seja, em termos de comunicação terei q ter o cuidado de dizer que as árvores só são bombeiras em determinadas circunstâncias de estrutura e acumulação de combustível, e isto é válido para qualquer espécie. Sim, os eucaliptos tb podem ser árvores bombeiras.
Sem imagem de perfil

De Renato a 22.01.2017 às 10:34

É o Paulo Fernandes? O seu texto é sobre espécies mais ou menos adequadas, por causa dos fogos.  Portanto, a aposta nos vidoeiros, carvalhos e castanheiros permitiria, a longo prazo, limitar o flagelo dos incêndios, porque é raríssimo encontrar um fogo cuja origem ocorra numa área com estas espécies. Do outro lado estariam os eucaliptos e os pinheiros, cuja natureza impõe o fogo. 
Ora bem, é o Paulo Fernandes que, de acordo com a natureza de cada uma, aconselha quais as espécies melhores para evitar os fogos. Julgo não ser preciso um curso avançado de hermenêutica para perceber o que disse.
Eu estou aqui para aprender, se me quiser ensinar. Dependendo da sua resposta, se a quiser dar, terei outras perguntas. Por acaso, sou um pequeno proprietário agrícola, uns eucaliptais e um pinhalzinho. Apenas estou cansado da pesporrência agressiva de amadores que tratam os outros como imbecis. 
Sem imagem de perfil

De Lucas Galuxo a 22.01.2017 às 13:58

É raro encontrar um fogo cuja origem ocorra numa área de carvalhos, vidoeiros e castanheiros porque essa área é muito menor e porque se encontra em regiões  cujas condições de temperatura e humidade já conduzem a menor risco de incêndio. O eucalipto, a partir dos 2-3 anos de idade, se for evitada acumulação de matos sobre o solo, resiste aos incêndios (na maior parte dos casos, excepto num fogo de copa, com vento). A folha é combustível mas fica lá no alto e o incendio até pode ser benéfico, completando a limpeza do solo. Só na presença de grande acumulação de mato, o calor sobre o pé provocará danos severos sobre a árvore (que de qualquer modo regenera, não seca).
Sem imagem de perfil

De Tiro ao Alvo a 21.01.2017 às 13:42

Caro Henrique, parabéns pela sua postura. Não desanime e, sempre que possa, desmascare essa gente que vive à custa da "indústria" de apagar fogos. Bem sei que vai ter muitos aborrecimentos pela vida fora, uma vez que "toda a gente" acha que sabe do assunto e tem uma palavra a dizer, como se pode ver nos comentários que, de imediato, por aqui apareceram.
Sem imagem de perfil

De Manuel branco a 21.01.2017 às 14:27

Não, não vou, não me interessa, tenho mais que fazer.


Agora, tanta arrogância, tanta sobranceria, tanta injunção aos outros sem dizer porque é que estão errados leva a desconfiar. Cheira a negócio.


Em todo o caso, eu estou como Aquilino, o campo é bom para os bois.
Imagem de perfil

De henrique pereira dos santos a 21.01.2017 às 22:11


Caro Manuel, agradeço-lhe do fundo do coração, a demonstração prática do que é dito no post: tem uma opinião sobre o assunto, não sabe nada do assunto e não tem a menor intenção de fazer o menor esforço para saber mais sobre o assunto.

Se eu tenho uma opinião diferente da sua não é porque me informei e tenho mais informação, ou mesmo porque tendo a mesma informação olho para ela de forma diferente, é porque lhe cheira a negócio.

Agradeço a maravilhosa demonstração prática do que eu digo no post, mesmo tentando, eu nunca conseguiria encontrar demonstração melhor.
Sem imagem de perfil

De Ricardo a 21.01.2017 às 21:34

BoaBoa noite,
Em em relação a vocês tenho poucos estudos e poucos conhecimento sobre esses blogs e essas notícias. Mas o que venho aqui dizer é que vocês muitas vezes só vêem esses estudos e essas estatísticas. Mas o que se passa realmente no terreno não é visto. O estado está a dar incentivos à plantação do eucalipto e isso está a ser usado como uma mais valia para muitos. Pois em modo geral o que se tem visto e as pessoas abandonar cada vez mais seus terrenos, como por exemplo, hortas, vinhas, olivais e tudo a fazer plantação de eucalipto. Pois muitos só não os põem até as casas e estradas porque não podem. Mas as regras que deviam seguir para a plantação não são respeitadas. E uma árvore de crescimento rápido e as pessoas pensam no rendimento que dá em poucos anos. E pouca mão de obra. E preferem abandonar outras culturas e por eucaliptos. Agora digo vem um incêndio e uma árvore altamente inflamável, óptima pare destruir solos e linhas de água e não produz oxigénio para que servem??? Para dar madeira para as fábricas e andar enxer os bolsos a muitos gente!!! Isso acredito que sim que por de trás deve existir muita coisa. As pessoas hoje em dia só pensam numa coisa €€€ e o dia delas de amanhã? Existem conselhos que a pouco e pouco só se vêem rodeados de eucaliptos depois quando vêem um incêndio tem dado no que dá. Porque o estado não dá incentivos às pessoas para voltar a fazer criação de gado e patagens permanentes, plantações de árvores que sejam fortes para renovar os ecosistemas e pensar no nosso futuro. Eu ca até gostava ter uma actividade assim só que não tenho €€ para isso é o estado não dá ajudas. Fico a ver os outros plantando eucaliptos enquanto eu lá vou tendo 2 ou 3 animais para limpar as terras porque não tenho capital pra mais. E não quero ver o que é meu destruído por essas árvores. Já para não dizer que depois do corte o que fica para trás por limpar óptimo para incêndios. Axo que o estado devia impor mais regras sobre esse tipo árvore e apertar a vigilância pela limpeza durante e depois do corte. E sim dar os incentivos à terras que sejam só mato mesmo. Mas essas são tão pobres que ninguém planta pois aí demora muito mais a criação. As pessoas preferem abandonar as terras boas que tem muito mais rendimentos. Era bom que o alto poder visse realmente que anda fazer e não olhasem só para os papéis vissem realmente no que estão transformar nosso pais!!!!
Sem imagem de perfil

De Lucas Galuxo a 22.01.2017 às 05:11

Excelente post. Não conheço muitos trabalhos científicos sobre o tema. Conheço bem o território português. Sei que numa grande parte não existe nenhuma outra cultura que, executada de forma racional, seja capaz de gerar mais rendimento para proprietários, para a economia nacional, divisas, impostos, empregos, combate a erosão, prevenção de incendios e preservação de solos. Se alguém souber de outra que diga qual é. Acho que vai contra o interesse de todos os portugueses, da economia e das populações que vivem em zonas desfavorecidas a aprovação da lei que impede a cultura em áreas aptas para o efeito. Acho espatafúrdia a desculpa de atirar dinheiro para aumentar a produtividade nas actuais áreas, como se isso não pudesse ser feito de igualmente em novas áreas com aptidão. Será trágico para o país não ter movimentos sociais, academia, sindicatos, organizações, partidos políticos, capazes de se mobilizar para combater o capricho de um pequeno partido que as circunstancias elevaram à condição de moeda de troca à viabilidade parlamentar do actual governo. É hora de acabar com a fobia do eucalipto.
Sem imagem de perfil

De Manuel branco a 22.01.2017 às 14:06

Se é assim que trata os outros estamos bem.
Não, não tem opinião diferente da minha pela simples razão de que eu não tenho mesmo opinião.
Como o que escreve vai contra muito do que por aí se diz fiquei com curiosidade.
Quando perguntei mandou-me ver na NET. Não vou. Porém, também aqui já deu para ver que ambientalistas e companhia são outro saco de gatos bravos à unhada - e bastou associar o seu nome a outras palavras chave para perceber que a missionação não é franciscana.
Entenda-se com os seus pares e se possível náo crie associações ambientalistas cá pelas minhas bandas no sul. Já nos basta a malta de cascais ataviados de verde oliveira e montes tipo rancho folclórico. Só nos faltava agora ter ratinhos armados em terratenentes. Galegos, como por cá se diz.

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • José Mendonça da Cruz

    Ao menos aprenda a ler. Está lá escrito «Caixa», n...

  • Anónimo

    Para além das mortes, a maior destruição está nas ...

  • Anónimo

    Governo !!?? foi o Ministro do Governo PSD/CDS que...

  • loisas

    Acreditam que dar donativos ... assim... pelo mult...

  • Anónimo

    as elites!!!??? nadinha...destruíram o mundo rural...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2016
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2015
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2014
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2013
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2012
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2011
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2010
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2009
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2008
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2007
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2006
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D