Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Festas e impostos

por henrique pereira dos santos, em 27.12.17

 

Desde há muitos anos que me pergunto, e pergunto a quem estiver por ali, qual é a razão para se pegar no dinheiro dos impostos - que inclui os impostos dos mais pobres, por exemplo, os 6% de IVA do quilo de arroz que se compra, por menor que seja a percentagem da contribuição dos pobres para os impostos - e o gastar em festas.

Ontem, a propósito das cartolas de plástico (francamente, não há por ali ninguém que tenha um mínimo de noção do que é a sustentabilidade e o consumo responsável?), fiz um comentário curto em que repeti, mais uma vez, a minha pergunta: qual é o benefício social que justifica usar o dinheiro dos impostos para organizar festas?

Consciente do doentio sectarismo que a insegurança tem trazido à esquerda actual, tive o cuidado de acrescentar que o problema não eram as cartolas, Lisboa ou Medina, porque esta panca de gastar dinheiro dos contribuintes a rodos em festas é transversal e é exactamente o facto de quase ninguém se espantar com os 650 mil euros que custará a passagem de ano no Terreiro do Paço, com o milhão do fogo de artifício do Funchal, com as festas da Senhora da Agonia ou da Senhora do Alívio, com o São João no Porto, com as centenas de festas concelhias, das freguesias, das aldeias, etc., pagas, pelo menos parcialmente, com o dinheiro de todos, incluindo os mais pobres, os doentes que não vão à festa, os presos que gostariam de ir mas se limitam a pagar, etc., que me espanta.

Eu sei que as comunidades não podem viver numa Quaresma permanente e que o Carnaval é fundamental para manter equilíbrios, mas qual é a racionalidade de se gastar o dinheiro dos impostos em festas em vez de se fazer o que sempre se fez: os festeiros que paguem a festa.

Ainda me argumentaram com o efeito económico e de promoção da cidade mas, para além de grande parte dos que assim argumentaram coincidirem com os que passam a vida a queixar-se do excesso de turismo em Lisboa, sem aparentemente verem sombra de contradição em usar o dinheiro dos impostos no reforço do problema, a verdade é que se existe retorno económico para alguns sectores, então esses sectores que abram os cordões à bolsa e paguem a festa, os hoteleiros do Funchal que paguem o fogo de artifício, por exemplo e o comerciantes que paguem as iluminações de Natal, para usar outro exemplo.

A sensação com que fico é que uma boa parte das pessoas continuam convencidas de que o dinheiro público sai na farinha Amparo e são incapazes de o relacionar com a retirada coerciva de dinheiro a toda a gente, incluindo os mais pobres.

É a única explicação que encontro para ser tão baixa a exigência ética no seu uso.

Ao ponto de muita gente achar normal estoirar mais de 50 mil euros de dinheiro público em cartolas de plástico, ao mesmo tempo que se indigna com o desperdício de 50 euros de dinheiro privado em bolo rei.

Autoria e outros dados (tags, etc)



12 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 27.12.2017 às 17:10

Ó senhor, os 50 mil euros das cartolas não é de dinheiro público, é patrocínio de uma empresa privada.
Imagem de perfil

De henrique pereira dos santos a 27.12.2017 às 18:37

Pode mostrar-me o contrato de patrocínio?
Perfil Facebook

De Ana Pereira a 27.12.2017 às 18:41

Grande PATROCÍNIO: 
http://www.base.gov.pt/Base/pt/Pesquisa/Contrato?a=3968281


Sem imagem de perfil

De Anónimo a 27.12.2017 às 23:13

Se eu posso mostrar o contrato de patrocínio? Não, confio na explicação da EGEAC que, aliás, vem em todos os jornais. Das duas uma: ou a EGEAC mente, o que é extremamente grave, e o Henrique tem a prova que a EGEAC mente (a mentira deve até ser exposta publicamente pela oposição camarária), ou o Henrique está de má fé, quando dá como certo que o dinheiro é público. 
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 27.12.2017 às 23:26

Já agora, se a sua indignação for sincera, e não mero jogo, sabe que pode exigir à câmara prova do contrato e, se não lho fornecerem, interpor uma acção especial administrativa para isso mesmo, não sabe?
Perfil Facebook

De Ana Pereira a 27.12.2017 às 18:40

Qual patrocínio? Vá à base e está lá bem escarrapachado que foi um ajuste directo a um boy recentemente eleito para a CM Estremoz. Mais: Uma pesquisa mais detalhada e verá como as ditas cartolas no mercado são 1/6 + baratas que as do tal Sr Calhordas. Confira: http://www.base.gov.pt/Base/pt/Pesquisa/Contrato?a=3968281
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 29.12.2017 às 20:53

Por supuesto.
É o valor que a CML podia receber para melhorar o orçamento anual.
Com tal valor, instalar num edifício da autarquia sem uso, um abrigo para os sem-abrigo.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 27.12.2017 às 23:23

Sr. Pereira dos Santos


Plenamente de acordo com o seu excelente texto.
Todavia, a triste notícia que relata é apenas mais uma, na quase infinita série de desperdícios e roubos, repito ROUBOS, nos dinheiros públicos.
Queira fazer o favor de passar regularmente por este Blogue:
http://madespesapublica.blogspot.pt/ 
que é um belo sítio para ficar com os cabelos em pé e a fúria de um possesso.
Sem imagem de perfil

De XisPto a 28.12.2017 às 00:25

Não é a CM que paga é o patrocínio, o Estado não gasta mais com os partidos o IVA é que é devolvido, etc. É tudo tão infantil  manipulador e repetido que a ingenuidade farinha amparo não chega. Compreendo os que por  pudor recusam dizer simplesmente degenerescência ética e corrupção, mas é disso que  realmente se trata.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 28.12.2017 às 12:08

"Não é a CM que paga é o patrocínio, o Estado não gasta mais com os partidos o IVA é que é devolvido, etc"



"degenerescência ética " e manipulação é a confusão que o XisPto deliberadamente cria. Por partes:


1 - O Estado gasta mais com os partidos, o que é errado.
2 - O tal patrocínio, assunto diferente, não é pago pela câmara.

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 28.12.2017 às 23:10

Alvitrando sobre este tema, na TV, a ex-Ministra M. Ferreira Leite afirmou que "sem partidos políticos não há democracia".... Como pediu uma ajudinha aqui vai um lamiré.
O problema em Portugal é uma questão da criação e formato das listas eleitorias.
Por exemplo, no Reino Unido os partidos selecionam, com entrevistas, os candidatos que o partido vai propor. Se não for rejeitado o candidato terá o seu nome no "ballot paper" no boletim do círculo eleitoral a que se candidata. Se aí for o mais votado será o representante de esse círculo eleitoral....
E no seguinte mandato será reeleito, ou rejeitado, conforme a modo como actou no exercício transacto.
Em Portugal o eleitor não pode rejeitar um candidato que não lhe agradou, misturadinhos que estão todos no saco partidário. O resultado está à vista.

http://www.constitution.ms/wp-content/uploads/2017/01/Election-Pamphlet-2017.pdf

Além disso no Parlamento do Reino Unido um deputado quando defende algo no
Parlamento representa cerca de 50.000 a 70.000 eleitores, em média. Na Ilha de Man, o maior círculo eleitoral do R.Un. (100.000 eleitores) prepara-se uma divisão em 2 círculos eleitorais que reponha o equilíbrio de representatividade do(s) seus (MP) deputados....
Talvez desse algum trabalho mas não era nada que não devesse ser feito por cá. Feitas as contas 230 deputados 9.200.000 eleitores = círculos de 40.000 ... 
Em duas ou três eleições teríamos uma classe política a sério....
Sem imagem de perfil

De Tiro ao Alvo a 30.12.2017 às 16:32

Inteiramente de acordo. Mas, infelizmente, não podemos esperar que alterações desta natureza sejam propostas e aprovadas pela actual classe política. Para isso, temos que esperar por uma nova geração. 
E, mesmo assim, não é certo que Portugal, então, consiga dar esse passo. Neste particular estamos muito atrasados. 

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2017
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2016
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2015
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2014
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2013
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2012
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2011
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2010
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2009
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2008
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2007
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2006
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D