Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Eu é mais bolos

por henrique pereira dos santos, em 11.12.17

"O que deve plantar agora quem perdeu tudo?

Criámos as entidades de gestão florestal e o Estado vai avançar com uma empresa pública. Para que essas entidades geridas profissionalmente possam apresentar a essas pessoas, por exemplo, a hipótese do arrendamento dessa sua pequena parcela, que passa a ter um rendimento anual garantido. Um exemplo, avançámos com o cadastro nos 10 municípios de Pedrógão que foram atingidos pela tragédia. Há 600 mil prédios rústicos nesses 10 municípios. Ora é impossível executar um plano florestal numa superfície equivalente a um T0. Só é possível de forma agrupada e isso ou se faz por iniciativa dos privados, que forma cooperativas ou empresas ou por empresas que vão comprar ou arrendar esse património. A empresa pública que o Estado vai criar vai avançar de imediato para tentar demonstrar como é possível."

A pergunta é, em si mesma, muito reveladora: a jornalista, a sociedade, e mesmo o Senhor Ministro, acham normal perguntar-se ao Senhor Ministro o que devem as pessoas plantar, como se a função do Senhor Ministro fosse fazer extensão rural.

Felizmente não é essa a função do Senhor Ministro, porque a resposta, não sendo muito clara na forma, é muito clara no conteúdo: não faço a menor ideia do que devem as pessoas plantar e de como devem gerir as suas propriedades.

Na realidade o Senhor Ministro, na pergunta anterior da entrevista, até é um bocadinho mais arrojado tecnicamente e resolve falar mais concretamente de economia florestal: "É natural que quem investe pretenda ter um retorno e esse retorno implica plantação de espécies que tenham valor comercial. As outras [como as autóctones] têm sobretudo valor ambiental, o que sendo muito bom para o conjunto dos cidadãos, não induz ninguém a investir em algo para o qual não tem retorno. A única forma de garantir que há investimento nessas espécies é integrando-as em projectos de florestação".

Vale a pena olhar com atenção para estas respostas do homem que gosta de domesticar mercados.

Em primeiro lugar vale a pena notar a duplicidade de critério: quando o preço do leite não paga a sua produção, Capoulas dos Santos entende que deve domesticar o mercado do leite pegando no dinheiro dos contribuintes e subsidiando o sector, sem que se perceba muito bem que valor social está a ser protegido (para além, naturalmente, da sua base eleitoral, que acredito que Capoulas acredite que é um valor que interessa a todos), mas quando a produção de autóctones não é rentável, o Senhor Ministro entende que o que é preciso é que os produtores florestais se reorganizem de forma diferente, em empresas maiores, melhorando a eficiência e, com isso, libertando recursos para fazer umas flores com as autóctones. Lá o "conjunto dos cidadãos" que o Senhor Ministro entende que beneficiam com a produção de autóctones pagarem os serviços de ecossistema que são produzidos por terceiros, isso é que não, que o Estado não está cá para isso.

O Estado, diz o Senhor Ministro, está cá para fazer uma empresa pública que explique aos privados como se fazem empresas.

E o que fará então essa empresa pública?

Aparentemente, de acordo com as doutrinas de economia florestal expressas pelo Senhor Ministro, a dita empresa pública vai usar espécies florestais com valor comercial (em Portugal isso significa, essencialmente, sobreiro, se em montado gerido pela agricultura e pastorícia, pinheiro e eucalipto) para gerar recursos que permitam plantar o que não tem retorno.

Ou seja, tendo em atenção que dificilmente a tal empresa florestal vai gerir gado para manter montados, e tendo em atenção que o Governo não gosta de eucaliptos e portanto a dita empresa pública não vai plantar eucaliptos (não vale a pena pensar que o conselho de administração da empresa pública se gere por critérios técnico e económicos na sua gestão), quer isso dizer que a dita empresa pública vai plantar pinheiros para ter dinheiro para plantar carvalhos, demonstrando aos privados como se ganha dinheiro a plantar pinheiros, repetindo, pela enésima vez, o modelo florestal de Salazar, cujos resultados são conhecidos, nomeadamente nos milhares de hectares já hoje geridos pelo Estado.

Aparentemente o Senhor Ministro acredita que repetindo incessantemente as opções florestais das últimas décadas não só está a fazer uma reforma do sector, como acredita que vai obter resultados diferentes dos que se conhecem.

Boa sorte, Senhor Ministro.

Autoria e outros dados (tags, etc)



1 comentário

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 11.12.2017 às 10:33

Lá o "conjunto dos cidadãos" que o Senhor Ministro entende que beneficiam com a produção de autóctones pagarem os serviços de ecossistema que são produzidos por terceiros, isso é que não

Eu creio (posso estar enganado) que o Estado subsidia a plantação de algumas espécies não rentáveis, como os sobreiros.

Portanto, não é totalmente verdade que o Estado não subsidie também este setor (tal como faz com a produção de leite).

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2017
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2016
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2015
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2014
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2013
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2012
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2011
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2010
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2009
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2008
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2007
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2006
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D