Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




De acordo com João Galamba

por henrique pereira dos santos, em 12.12.17

"Um dos problemas do sector social que recebe financi pub é n ter o mesmo escrutínio que as admin pub. Na alteração da lei de bases da economia social, Mota Mota Soares isentou as IPSS de obrigatoriedade de ROC (num 3 do artigo 14 do dec-lei 172 de 2015). Isto deve ser alterado".

O parcialmente em que estou de acordo é na necessidade de todos os que recebem apoio público (sejamos realistas, acima de um valor a definir) terem mecanismos de transparência contabilística fortes: 1) contabilidade organizada; 2) contas auditadas por ROC; 3) necessidade de publicitação de forma a que qualquer pessoa entenda o essencial; 4) auditorias específicas para o acompanhamento de projectos acima de um determiando valor, que auditam as contas do projecto de forma autónoma à auditoria de contas à organização.

No que evidentemente não estou de acordo com João Galamba é na ideia implícita no comentário acima de que o escrutínio que é feito às administrações públicas seja eficaz e suficiente.

Mas eu percebo que haja uma diferença de opinião nesta matéria: João Galamba nunca ouviu falar de gambas compradas no Corte Inglés para um tal José Sócrates, o que penso que demonstra bem como o escrutínio nas administrações públicas é mais que suficiente para o Estado estar totalmente a salvo de abusos financeiros por parte dos seus dirigentes.

Autoria e outros dados (tags, etc)



4 comentários

Sem imagem de perfil

De jo a 12.12.2017 às 10:30


Pelo menos há algum escrutínio.
Há governos que se preocupam em fazer uma análise profunda aos recebedores do Rendimento Mínimo, que incluí contas bancárias e bens móveis, para receberem 70€/mês, mas não controlam minimamente as IPSS que recebem milhões.
O que é lógico: Essas são dirigidas pelos amigos que são gente séria, o RM é para pobres, que todos sabemos que não são de confiança.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 12.12.2017 às 12:14

Não sei quando e de que forma é que Sócrates comprou gambas no Corte Inglês. A que se refere o Henrique?
Em todo o caso, nada há de mal em Sócrates comprar gambas no Corte Inglês. Só é mal se essas gambas tiverem sido pagas pelo Estado. Foram?
Imagem de perfil

De henrique pereira dos santos a 12.12.2017 às 16:47


Leia melhor o post, o que o post diz é que exactamente o facto de Sócrates não ter comprado gambas no Corte Inglês é a demonstração de que os mecanismos de escrutínio do Estado são muito fortes e situações de abuso são praticamente impossíveis de acontecer.
Sem imagem de perfil

De Terry Malloy a 13.12.2017 às 00:07

"O facto de [...] não ter comprado gambas no Corte Inglês é a demonstração de que os mecanismos de escrutínio do Estado são muito fortes".



Eu não apostaria demasiadas fichas nessa conclusão.


Não porque o engenheiro possa ou não ter ido às gambas ao El Corte Inglés, mas porque me lembro de um processo-crime iniciado com uma denúncia da ASJP relativa ao uso de cartões de crédito (de contas públicas) pelo membros dos gabinetes dos diferentes ministérios dos governos 2005-2011, que marinou e marinou sem que se saiba como ficou.


E como recordo recentemente um processo semelhante no Reino-Unido, que deu origem a uma série de demissões de MPs, com despesas em lavandarias e SPAs pagas pelo erário público...


E como não acredito na superior (relativamente aos britânicos) honestidade dos políticos portugueses, diria novamente: eu não apostaria demasiadas fichas nessa conclusão.

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2017
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2016
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2015
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2014
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2013
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2012
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2011
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2010
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2009
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2008
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2007
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2006
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D