Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Da responsabilidade moral e da irresponsabilidade

por henrique pereira dos santos, em 18.06.17

Hesitei em escrever este post, por respeito pelas vítimas e pelo risco de ser entendido como a utilização da morte de terceiros para obter ganho de causa.

Ou melhor, ontem à noite, quando me deitei, não sabendo que havia mortos nos fogos que estão a ocorrer, tinha planeado escrever hoje de manhã um post sobre a responsabilidade moral nas tragédias que ocorram nos incêndios de Verão.

Não porque seja possível evitar todas as tragédias, mas porque estas tragédias, previstas repetidamente por quem estuda seriamente a gestão do fogo, são enormemente potenciadas por uma doutrina de gestão de fogo completamente absurda face ao que hoje se sabe.

Países como os Estados Unidos, a Austrália e outros com territórios no lado Ocidental dos continentes, perto do paralelo 40 (como é o nosso caso), há muito que abandonaram a ideia de suprimir o fogo e insistem em políticas de gestão do fogo através da gestão dos combustíveis.

Mesmo noutros contextos geográficos, há a adopção de mudanças substanciais na doutrina, como fez recentemente o Ontário (depois de um fogo, de características diferentes dos nossos, de meio milhão de hectares).

O problema central é que em Portugal parece ser admissível que um governante diga, como terá dito ontem o secretário de estado da administração interna, que o comportamento do fogo não se prevê, o que há é uns académicos com umas teorias sobre isso.

Tal como parece ser normal o presidente da liga dos bombeiros, que há anos que diz disparates sobre a gestão do fogo (incluindo o clássico "nunca um fogo ficou por apagar"), aparecer sistematicamente nestas situações a repetir a defesa de opções erradas e que estão na base de tragédias como a desta noite.

E que o presidente da AIMMP seja sistematicamente convidado para falar de fogos, com um discurso completamente ignorante e absurdo sobre incendiários, sem qualquer ligação com a realidade conhecida e estudada.

E que o presidente da Protecção Civil diga que correu tudo bem num ano em que há um fogo de trinta mil hectares, tendo como objectivos para o ano seguinte (2017) não ter perdas de vidas.

E que qualquer presidente de Câmara diga que não sabe como é possível o que está a acontecer, quando qualquer curioso que estude o assunto com um mínimo de atenção, e recorrendo a quem sabe do assunto, lhe explica em três tempos que em condições meteorológicas extremas o seu concelho vai ser palco de uma tragédia, mas que isso tem solução se se quiser empenhar nas políticas de gestão de combustíveis a sério, em vez de fazer declarações patetas sobre as origens dos fogos.

Estes senhores são moralmente responsáveis por transformar os bombeiros em carne para canhão, quer defendendo e aplicando a doutrina do Portugal sem fogos, quer mantendo uma estúpida oposição à profissionalização dos bombeiros e respectiva integração entre gestão de combustíveis e combate.

Tal como declarações totalmente irresponsáveis de académicos respeitados, mas que nunca estudaram ecologia e gestão do fogo, bem visíveis neste artigo de 2010 (refiro-me, naturalmente, às declarações irresponsáveis de Helena Freitas, e não à sensatez habitual de Paulo Fernandes, que infelizmente é menos ouvido no país, e pelos decisores, do que seria bom para nós), ajudam a suportar a ideia estúpida de que o fogo é um inimigo que pode ser vencido, em vez de olhar para o fogo como um elemento natural que precisa de ser gerido de forma economicamente sustentável, em que o Estado se empenha em suprimir as falhas de mercado de um sector com graves problemas de competitividade na maior parte do território.

Por respeito e em memória das vítimas decidi pois escrever este post, dizendo que o fogo é previsível, estas tragédias são uma questão de tempo até se repetirem se mantivermos a doutrina do "Portugal sem fogos" e se insistirmos em assentar a gestão do problema em corpos de voluntários sem qualquer ligação com a prevenção estrutural feita no Inverno.

Nada me move contra os corpos de voluntários, são muito úteis e, provavelmente, imprescindíveis, mas precisam de uma estrutura profissional que conheça o território, crie e conheça oportunidades para parar os fogos onde podem ser parados e que enquadre devidamente a generosidade dos voluntários.

Já chega de pura irresponsabilidade e de um discurso obscurantista que desvaloriza o conhecimento existente e a sua aplicação em contexto real.

Autoria e outros dados (tags, etc)



15 comentários

Sem imagem de perfil

De JSP a 18.06.2017 às 12:39

Lapidar.
Cpmts.
Sem imagem de perfil

De PedraNoSapato a 22.06.2017 às 16:22

Concordo com JSP. Lapide-se. Ou melhor, lapidem-se. Foi moda nas 'civilizações' do próximo-oriente e está outra vez muito in.
Sem imagem de perfil

De Tiro ao Alvo a 18.06.2017 às 15:14

Eis o que escrevi noutro Blogue, a propósito deste assunto:

A “indústria” de apagar incêndios que se desenvolveu em Portugal, como grande impulso do nosso actual PM, quando desempenhou as funções de ministro de administração interna, no governo Sócrates, está ao nível do que de melhor existe. O que está mal, muito mal, é a prevenção. Nos últimos dias foi noticiado que uma equipa de sapadores florestais, de Póvoa de Lanhoso, estava com os salários em atraso, e isto diz tudo.
Pelo que se ouve, a origem deste incêndio teve causas naturais – foi provocada por um raio -, mostrando à saciedade que os incêndios florestais não podem ser evitados mas podem, isso sim, ser minimizados, com procedimentos mais do que conhecidos, tal como faziam os pastores antigamente, inclusive pelo uso de fogos controlados, e os lavradores que limpavam as matas.
A solução está no ordenamento da floresta, mas isso não dá votos, antes pelo contrário. Não dá votos nem dá comissões (propina, como dizem os brasileiros), como pode acontecer com a compra/aluguer de helicópteros e outros equipamentos, caríssimos, de combate a incêndios.
Oxalá as coisas mudem e este enorme desastre ajude a que tal aconteça. Essa seria a melhor forma de homenagear as vítimas de ontem, todas inocentes com certeza. Todavia, os responsáveis pelo lamentável estado da nossa floresta, esses vão aparecer ufanos nas televisões, a dizer que tudo foi feito para evitar esta tragédia, mas isso não é verdade. Infelizmente.

Sem imagem de perfil

De Renato a 18.06.2017 às 16:45

Amigo tiro ao alvo, vem de tirar um curso rápido de gestão florestal? Está pronto para se dedicar à pastoricia? Vendo-lhe barato um eucaliptal e coloca isso em prática. Só tem que me dar dois ou três cabritos por ano e uma cabra velha, para a chanfana.
Sem imagem de perfil

De Tiro ao Alvo a 18.06.2017 às 18:33

Amigo Renato, agradeço mas já tenho ovelhas, que utilizo para reduzir as ervas num terreno possuo e que não consigo granjear. 

Fique a saber, todavia, que o combate a incêndios florestais não pode ser feito apenas com ovelhas e cabras. É necessário, é fundamental, fazer o ordenamento do território, expropriar terrenos abandonados, cuidar dos baldios e das florestas estatais, quase todas abandonadas, reduzir a quantidade de matéria combustível que enche a nossa floresta, abrir e conservar em boa ordem aceiros, pagar os salários aos sapadores que já actuam no terreno, ouvir os técnicos portugueses conhecedores da matéria, como é o caso do prof de silvicultura da Universidade de Trás-os-Montes, etc, etc. O que nada adianta é vir para a TV defender que tudo foi feito para evitar a tragédia, quando, no incêndio de ontem, quase nada foi feito. É triste, mas é verdade.

Sem imagem de perfil

De Renato a 19.06.2017 às 09:30

As florestas estatais estão abandonadas? Não faz ideia do que está a dizer. Qual a percentagem de área ardida das matas nacionais? E expropriar terrenos abandonados? Faz ideia da percentagem de solo agricola e florestal que está abandonado? 

Sem imagem de perfil

De Tiro ao Alvo a 19.06.2017 às 12:08

Será que o Renato conhece o Gerês? E nunca ouviu falar de incêndios em terrenos à guarda do Estado? Onde vive o Ricardo?
Nacionalizar os terrenos abandonados, sobretudo os representam risco de incêndio, é isso mesmo que está a ser pensado pelo actual governo, e eu concordo inteiramente com uma medida deste género.
Pela minha parte não vale a pena continuarmos a falar deste assunto. Fique o Ricardo na sua, que eu fico na minha. 
Sem imagem de perfil

De Renato a 19.06.2017 às 16:25

Sabe que o Estado só é dono de cerca de 7% do território do Parque Natural Peneda Gerês? Não sabe. Sabe mesmo quais são as chamadas matas nacionais, as do domínio privado do Estado? Não sabe. Sabe qual a extensão e frequência de incêndios nas matas nacionais? Não sabe. 

Sem imagem de perfil

De Renato a 18.06.2017 às 15:53

Henrique, no meio dessa floresta de insultos e muita adjetivação, num emaranhado que não se percebe (não falta aí limpeza de matos?) vai repetindo essa coisa da gestão de fogos. Isso é adequado nas matas do Estado, quando muito, dependendo do território. Em tempos, colocou aí um video do USFS sobre a virtude dos fogos, esquecendo-se que se refere às florestas nacionais (federais) americanas, por razões ecológicas. Agora, primeiro, olhe para os mapas de cada um dos territórios, incluindo o povoamento, e pense se isso seria razoável nas nossas matas nacionais. Mas, sobretudo, pense se essa filosofia da gestão de fogos se aplicaria às propriedades privadas de municípios como Pedrogão Grande, ou qualquer outro.
Sem imagem de perfil

De carlos gonçalves a 18.06.2017 às 15:54

http://passaparedes.blogspot.pt/2017/06/ordenamento-do-territorio-como-vai-ser.html
Sem imagem de perfil

De AAS a 18.06.2017 às 20:40

Mal vi as notícias deste fogo, de imediato recordei todos os posts que Henrique aqui escreveu sobre o assunto. Algo tem de mudar. Não pode continuar este obacurantismo...
Sem imagem de perfil

De NG a 19.06.2017 às 04:22

Toda a gente sabe que o problema dos incendios só se resolve com a redução e ordenamento do material combustível nas matas. Toda a gente sabe que com os actuais recursos tecnológicos e com a orografia do terreno, na maior parte do território, a limpeza das matas não é economicamente viável, no minifundio, se não for realizada de forma contígua. Vejo algumas soluções possíveis: valorizar os resíduos florestais a um preço que viabilize a sua recolha e transporte a lugares de processamento (paga contribuinte), ou reduzindo os custos de recolha subsidiando o combustível e diminuindo encargos sociais para os sapadores (paga contribuinte), transformar áreas florestais em área de pastagem com viabilização da exploração pecuária (paga contribuinte), implementação de um programa público de limpeza de matas (paga contribuinte). Há uma maneira do contribuinte escapar de pagar em dinheiro a oportunidade de ter o território rural ordenado, gerando empregos, exportações, seguro e atraente para lá viver ou visitar, fixando carbono,... É criar um regime de serviço cívico obrigatório, extensível a voluntariado de outras idades, em que todos os jovens em idade militar ocupariam alguns dias do ano a roçar mato. Julgo que esta última solução traria também alguns benefícios quanto a desenvolvimento de sentido comunitário e cívico na sociedade.
Todas as outras soluções me parecem gastar mais dinheiro e saúde aos contribuintes.
Sem imagem de perfil

De pit a 20.06.2017 às 12:10

NG, não é preciso serviço cívico algum. Portugal tem muitos malta à espera de trabalhar. São pagos por mim e por si. Vivem em hotéis de qualidade. Três pratos por refeição. Autorizados a fumar, Fornecidos de 'drogas' se tal for convenienta. Muita TV à borla. E mais que me envergonho de escrever. Mandem-nos com atiradores a guardá-los (como os EUA fazem há anos) limpar a floresta — e, já agora, a imundície deste país.
Sem imagem de perfil

De NG a 21.06.2017 às 13:25

Acho que não. A limpeza da floresta é uma actividade nobre. Não pode ser nenhum estigma.
Sem imagem de perfil

De pit a 22.06.2017 às 16:31

Perdoe-me, mas não encaro o trabalho como estigma. Os nobres que são nobres, também têm que trabalhar.
Há anos que se legisla por esse mundo, para tirar o estigma do encarcerado, por mais bem tratado que ele tenha sido.
E eu não daria emprego a um tipo socialmente sujo porque não o deixaram 'limpar'.

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Morreram incineradas 47 pessoas numa estrada reple...

  • Vasco Mina

    Amigo João,obviamente não é o ponto relevante. A r...

  • Carneiro

    Convida-se "este" à demissão porque é o candidato ...

  • Renato

    O provedor?... Eu não chego a perceber  se os...

  • xico

    Se o provedor da santa casa deve demitir-se p...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2016
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2015
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2014
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2013
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2012
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2011
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2010
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2009
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2008
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2007
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2006
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D