Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




As sondagens, os jornalistas e a qualidade do debate público

por henrique pereira dos santos, em 09.11.16

As sondagens falharam, mais uma vez.

Têm falhado em muito lado, apesar de feitas com as melhores técnicas disponíveis, pelos melhores centros de investigação.
Não parece ser, no essencial, um problema das sondagens, embora nos ajude a relativizá-las saudavelmente.

Talvez o desfasamento muito pronunciado entre as classes dominantes e as pessoas comuns, de tal maneira que as classes dominantes impõem um discurso politicamente correcto no espaço público, leve as pessoas comuns a sentirem-se mais seguras calando o que pensam, guardando as suas verdadeiras opiniões para o segredo das cabines de voto.

A imprensa está do lado das classes dominantes, preferindo olhar arrogantemente para os sinais de preocupação das pessoas comuns como atavismos reaccionários a tentar compreender o mundo à sua volta.

Temos uma jornalista no Público a propor esquemas estranhos para financiar os jornais que garantam que pode escrever livremente sem ter de ter leitores, temos directores de jornais que se apresentam como generais prussianos de políticos populistas e continuam a dirigir jornais, jornalistas que mantêm a sua posição e influência mesmo depois de até eles reconhecerem ter sido embarretados por aldrabões de feira, apenas porque a vontade de ouvir o que queriam foi mais forte que a necessidade de cumprir procedimentos básicos de verificação dos factos.

Não, meus caros jornalistas, o problema não é o Correio da Manhã ser o jornal que mais vende e o mais lido, o problema é que, preguiçosamente, preferem dizer que é por ser um jornal sensacionalista, esquecendo as dezenas de jornais sensacionalistas que faliram.

Por muito que vos doa, o Correio da Manhã escreve para as pessoas comuns e, no essencial, tem mais factos que doutrinação, não pretende ser mais que o que é: um jornal que reflecte o mundo das pessoas comuns que o pagam.

Ao contrário dos jornais de referência, cheios de cromos supostamente influentes e bem pensantes, todos falando e escrevendo do mundo das classes dominantes, em circuito fechado. São os jornalistas que afastam dos holofotes tudo o que sejam as inquietações politicamente incorrectas dos matarruanos reaccionários que se interrogam sobre o efeito dos choques de cultura a que assistem todos os dias. Comunidades que não se compreendem, apesar de viverem no mesmo espaço, questões de costumes que abalam convicções profundas, ou simplesmente a perplexidade pela forma e as razões que fazem com que uma miúda que diz disparates colossais dia sim, dia não, como Mariana Mortágua, tenha um nível de vida com que a grande maioria das pessoas comuns não pode sequer sonhar, mesmo trabalhando duramente em actividades produtivas que todos os dias são escrutinadas pelos seus clientes.

Estão incomodados com o BREXIT, com a vitória do PP em Espanha, com o resultado as eleições americanas, com o risco de Le Pen ser a próxima presidente de França, ou mesmo com o facto da PAF ter ganho as últimas eleições em Portugal?

Também eu, também a mim me incomodam muitas destas coisas, mas talvez seja altura de pensarem um bocadinho sobre a vossa responsabilidade na transformação do debate público naquilo que hoje é e pensarem nos que excluem desse debate em função da vossa visão do mundo.

Não querem experimentar saltar do mundo das classes dominantes em que se instalaram e voltarem para o mundo das pessoas comuns de onde vieram?

Autoria e outros dados (tags, etc)



10 comentários

Sem imagem de perfil

De JC a 09.11.2016 às 09:47

Excelente artigo.
Os seus comentários são de outra dimensão.
Bem haja.
Sem imagem de perfil

De Joao a 09.11.2016 às 10:35

Na mouche!
Sem imagem de perfil

De aalmeidah a 09.11.2016 às 11:02

As sondagens só existem mesmo para falhar. Mas continuamos a confiar nelas como a confiar que nos vai sair o primeiro prémio do Euromilhões mesmo que com a probabilidade de 1 para 116 milhões e picos. Continuamos a insistir a dar para esse peditório.
Sem imagem de perfil

De Rui Reis Pereira a 09.11.2016 às 13:23

Não o conhecia e passei a conhecer. E a admirar. Concordo consigo: o grande mal é haver tantos comentadores, muitos deles com preconceito. A política deve ser feita por "pessoas", uma vez que se destina a pessoas.
Os iluminados devem continuar na Phillips!.
Obrigado pela simplicidade de leitura.
Sem imagem de perfil

De antónio a 09.11.2016 às 15:14

A propósito dos jornalistas está absolutamente correcto o seu raciocínio entre factos e doutrinação. Depois do 25 de Abril a comunicação social Portuguesa ficou exclusivamente ao serviço da doutrinação por sinal socialista, comunista e Marxista. Basta hoje em dia folhear um ou dois jornais para nos darmos conta que os mesmos não dão noticias servindo apenas como autênticos manifestos de difusão socialista, comunista e Marxista recorrendo a opinadores arregimentados ou a entrevistas a políticos imaturos sem qualquer experiência de vida. Esta técnica de autêntica formatação para um pensamento de esquerda de amanhãs que nunca cantaram tem vindo a funcionar durante os últimos quarenta anos mas isso não será de estranhar num país em que a franja dos cidadãos de reduzida sensibilidade intelectual é a mais numerosa.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 09.11.2016 às 15:25

Brilhante!
Sem imagem de perfil

De MIC a 09.11.2016 às 15:27

Brilhante!
Imagem de perfil

De simplesmente avô a 09.11.2016 às 18:06



Como todos bem sabemos, "o futuro a Deus pertence".
As "sondagens" são uma pequena "aldrabice", forjada para vender papel de jornal e ocupar espaço nas tvs.
Quanto às escolhas "democráticas", o "seu a seu dono".
Por outras palavras: Os eleitores norte-americanos que se entendam...
E, bem vistas as coisas, eles, no decurso das décadas, têm-se entendido bastante bem.
E ... a gente do lado de cá paga as facturas.
Parabéns pelo seu excelente artigo.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 09.11.2016 às 23:01

Muito bem. Concordo plenamente com o que escreveu.
Maria
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 10.11.2016 às 10:57

A crónica mais lúcida que li nos últimos tempos. 

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • XisPto

    " a questão do cadastro, sendo relevante para muit...

  • henrique pereira dos santos

    Hesitei quando escrevi essa frase, exactamente por...

  • carlos gonçalves

    Mais uma pergunta (até porque estou cheio de curio...

  • monge silésio

    ...e há aqueles que constroem pela amizade ao fisc...

  • JS

    Bem exposto. O dedo na ferida esta, meritória, inf...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2016
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2015
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2014
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2013
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2012
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2011
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2010
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2009
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2008
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2007
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2006
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D