Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O Estado que também rapta menores

por José Mendonça da Cruz, em 24.01.13

O caso de Liliana Melo, a mãe que o Estado português quis esterilizar, a mãe a que o Estado português raptou 7 filhos menores, a mãe de 7 filhos menores que o Estado português quis privar de mãe, não é um caso excêntrico, raro ou improvável. É, sim, uma mera manifestação do carácter e métodos do Estado português.  É, sim, a mera normalidade para um Estado omnipresente, conformador, abusivo, sufocante, que se habituou a impôr a sua presença onde não é útil nem desejada (como nas empresas públicas deficitárias e nos entraves às empresas privadas), a desconfiar dos cidadãos (a burocracia é isso: criar entraves para taxar soluções; e as exigências de cédulas, cartões, certidões, certificações, requerimentos, licenças e provas não são outra coisa), a tomá-los em geral como aldrabões salvo extenuante e onerosa prova em contrário (é o modus operandi do fisco), a vigiá-los incansavelmente (coisa que as facturas identificadas tanto facilitam), a meter-se na nossa vida privada (decidindo até quanto sal tem o nosso pão).

Liliana Melo é apenas mais uma vítima.

De que a acusa o Estado português através de um seu orgão de soberania, um tribunal?

De que acusa o Estado português a mãe Liliana Melo para lhe raptar 7 filhos e impedir a comunicação entre filhos e mãe?  

O Estado português acusa-a de estar desempregada, de ter problemas graves de habitação, de haver vacinas em atraso, de falta de higiene, das faltas das crianças mais novas ao infantário, de carências económicas e desorganização.

Em resumo, o Estado português acusa Liliana Melo de ser desempregada e pobre.

E mais: acusa-a de revoltosa. É que o Estado português mandou que Liliana Melo laqueasse as trompas, se esterilizasse, e ela não se esterilizou. E o Estado português acha que quando manda uma pessoa esterilizar-se ela tem que se esterilizar. E se não esteriliza, fica sem 7 dos 11 filhos. Porque é desobediente, e pobre, e tem filhos a mais, e é porca, desempregada, e vive mal num tugúrio qualquer.

Mas não será, ainda assim, excessivo rasgar os vínculos entre 7 filhos e uma mãe? Não, não é, responde o Estado Português. Mesmo sabendo, como soube, que a relação entre Liliana, o marido e os filhos era boa e próxima, o Estado português defende que «a família biológica» está muito sobrevalorizada (defende, afinal, o mesmo que o Estado de Hitler ou Estaline, que os Estados cujo desejo supremo é controlar).

Os reaccionários que exigem que o Estado português fique como está, os que recusam aos gritos qualquer corte na despesa, funções e dimensão do Estado, querem, ao mesmo tempo, convencer-nos de que casos como o de Liliane de Melo nada têm a ver com esse seu adorado Estado dos gastos insustentáveis e das revoltantes intrusões. Mas têm tudo a ver. São exactamente farinha do mesmo saco.  

Autoria e outros dados (tags, etc)



10 comentários

Sem imagem de perfil

De O Falso Rei das Pampas a 24.01.2013 às 18:11

Porque é que não dizes, como o Gaspar: Não há dinheiro. Qual das três palavras não percebeu?
Ou queres continuar a ter "esse seu adorado Estado dos gastos insustentáveis e das revoltantes intrusões"?
Imagem de perfil

De José Mendonça da Cruz a 24.01.2013 às 18:15

Esse comentário é sobre este post?
Sem imagem de perfil

De O Falso Rei das Pampas a 24.01.2013 às 22:18

Talvez não tenhas percebido que assistência Social em vez de tentar criar condições para que a mãe pudesse ficar com os filhos preferiu poupar nos "gastos insustentáveis" do Estado enviando as crianças para um orfanato.
Imagem de perfil

De José Mendonça da Cruz a 25.01.2013 às 02:17

Segundo o seu raciocínio, foi, portanto, uma questão de poupança, e, ainda na sua preclara visão, a forma de a assistência social poupar consistiu em tomar à sua guarda 7 crianças...
Sem imagem de perfil

De Bruno Cristóvão a 08.03.2013 às 22:54

Não se trata de uma questão de poupança porque a SS paga €978/mês por cada criança a uma IPSS quando à mãe pagava €170 de abono de família. A isto chama-se de tráfico humano.
Sem imagem de perfil

De IsabelPS a 25.01.2013 às 22:20

A mim parece-me uma história muitííííssimo mal contada.
Sem imagem de perfil

De vasco silveira a 28.01.2013 às 12:36

O "Estado" , que cuida tão bem das crianças. Como na Casa Pia.

E se fizéssemos alguma coisa?

Não se trata apenas de um estado gastador e omnipresaente: é uma burocracia prepotente, que se sente apoiado por aquele estado, e que pretende mutilar por imposição de chefe de serviços, retirar os filhos aos pais contra vontade destes ( não há pais biológicos- há apenas Pais!), por uma birra de serviços, caprichos de regulamentos que constantemente mudam, e arrogãncia  pretensamente clarividente dos serviços de que sabem o que é melhor para as pessoas desprotegidas pelas circunstãncias da vida.

E se fizéssemos alguma coisa?!!!
Sem imagem de perfil

De Paulo Monteiro a 08.03.2013 às 11:46

Subscrevo cada linha, cada palavra, cada sinal de pontuação. Este país está entregue a uma associação de malfeitores chamada Estado.
Sem imagem de perfil

De Vasco (da) Gama a 08.03.2013 às 15:41

Creio que este estado (do qual fazemos parte) considera que os pobres estão proibidos de ter filhos.

É triste e revoltante

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • henrique pereira dos santos

    Um dia encontrei o teu irmão João por acaso, mas a...

  • Anónimo

    "Ala" irresponsável do PS?*"O primeiro erro é semp...

  • jo

    " passam a ter o mesmo grau de credibilidade que d...

  • Ze lima

    Grande Henrique!(de um amigo da primária)

  • antonio

    Devem ir à missa, e se quiserem convertem-se


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2016
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2015
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2014
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2013
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2012
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2011
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2010
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2009
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2008
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2007
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2006
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D