Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O esplendor do silêncio

por José Luís Nunes Martins, em 13.11.12

 

Não será difícil compreender que não há verdade sem silêncio; que é na paz de quem aprendeu a calar-se que residem as forças que dão vida à vida; que os egoísmos falam muito, nunca se calam, precisam de atenção e julgam-se capazes de ensinar tudo a todos... não se dão conta que o seu discurso é tremendamente vazio e barulhento. Sujo.

 

As palavras são importantes instrumentos de comunicação, mas são, na esmagadora maioria dos casos, meios pelos quais nos desviamos do essencial, nos distraímos do que vale mesmo a pena, nos entretemos na preguiça de não lutar pelo que devemos ser. Hoje fala-se demais. Bastam poucas palavras para dizer tudo o que há a dizer. O que é realmente importante dá-se no silêncio.

 

Há um enorme e constante barulho no mundo. Ruídos que corroem a paz que se deseja. Torrentes de palavras que prometem sempre tudo. Cumprem pouco, muito pouco. Será pois muito importante voltar ao simples, dar tempo e espaço ao que de valioso há no mundo para que ele se revele... Para que estejamos atentos quando, no gritante desassossego dos dias, a descoberta do sentido silencioso de tudo nos ilumine a construção do nosso caminho.

 

Toda a palavra é um nada. Algumas merecem o respeito de serem destacadas das demais, de não as contarmos como apenas mais umas, resgatando-as da lixeira onde se encontram as demais. Por isso quem fala com propriedade tem de se empenhar no silêncio que deve envolver abundantemente o que há a dizer.

 

Nomear; dar nomes às coisas é um movimento da inteligência, um momento em que a racionalidade pretende apropriar-se do que lhe é exterior. Mas não se poderá nomear ou pensar nada enquanto não se houver dominado a própria inteligência; enquanto não se for capaz de compreender e aceitar o silêncio que existe antes e depois das coisas; enquanto não se compreender com o coração que a inteligência é uma parte dele. Talvez a mais rebelde. Quem sabe uma das mais belas!

 

A coragem da esperança testa-se no longo silêncio. É fundamental aprender a calar, a escutar, a pensar e a sentir, antes de começar a... palavrear.

O silêncio é poético. Poesia pura. Nele se criam e alimentam os sonhos, nascem e crescem as forças que os hão de fazer reais, nele se sofre e nele se rejubila. Só no silêncio se vive verdadeiramente.

 

Mas há muitos que temem a autenticidade. Por isso são tantos os que fogem do silêncio. Nele a mentira encontra o mais eficaz dos seus contravenenos. Mas enquanto uns dele fogem como inimigo, outros é no silêncio que encontram o seu refúgio. Encontram-se a si mesmos... e a quem interessa encontrar.

 

Ao silêncio caberá sempre a última palavra. Nele o vazio de sentido não existe, porque a solidão do repouso, onde o tempo passa sem pressas, permite que a paciência alcance a sabedoria de conhecer o ser de cada coisa, o todo de cada detalhe... só o silêncio possibilita o tempo e o espaço onde o sentido se revela.

 

Uma palavra calada pode sempre ser dita. Mas o que foi já dito, não poderá jamais ser calado. Aprender o silêncio é um dos segredos da sabedoria. Afinal, todos os segredos se guardam no silêncio.

 

Com a paz dos silêncios, a verdadeira esperança faz-se coragem. Força capaz de vencer longos vazios de sentido. Fé pura – quase sem sinais. Solidão de quem sente, perante a infinidade dos horizontes, que não está só, nunca, apesar de tudo. Apesar do nada.

 

Até os desertos e as altas montanhas se fazem ouvir... Em silêncio, com paz e paciência, escuta-se tudo, até Deus.

 

 

 

(publicado no jornal i - 10 de novembro de 2012)

 

ilustração de Carlos Ribeiro

Autoria e outros dados (tags, etc)



2 comentários

Sem imagem de perfil

De schiu a 13.11.2012 às 11:29

Pronto, então cale-se lá um bocadinho, homem. Vá contemplar o deserto e as estrelas.
Sem imagem de perfil

De Já lá diz o povo a 13.11.2012 às 15:29

O calado é o melhor.

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Morreram incineradas 47 pessoas numa estrada reple...

  • Vasco Mina

    Amigo João,obviamente não é o ponto relevante. A r...

  • Carneiro

    Convida-se "este" à demissão porque é o candidato ...

  • Renato

    O provedor?... Eu não chego a perceber  se os...

  • xico

    Se o provedor da santa casa deve demitir-se p...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2016
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2015
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2014
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2013
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2012
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2011
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2010
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2009
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2008
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2007
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2006
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D