Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Informação apática e comentário informativo

por José Mendonça da Cruz, em 29.10.12

Quanto mais os jornalistas insistirem em desempenhar o seu papel como o estão a desempenhar, mais redundante será o seu papel e menos necessidade teremos deles. E, do mesmo passo, mais ilustrarão e tornarão indispensáveis comentadores e colunas de opinião.

Veja-se o que se passou com a expressão «refundação do acordo de entendimento». A ela, os jornalistas não dedicaram um neurónio, sobre ela não tentaram uma interpretação, não tentaram investigar nela um significado. Em vez disso, mal o primeiro-ministro a pronunciou, pegaram apenas na forma e correram numa agitação frenética (que imita o movimento mas retrata a medular apatia), a colocá-la perante outros protagonistas da vida política para dispararem coisas sobre ela. É isto ser pé de microfone: suscitar uns dichotes, umas opiniões pitorescas, em geral coladas com cuspo e apressadas. Dar-se por muito contente. E, de informação, nada.

Chegam, então, pela própria mão dos jornalistas, os comentadores. E, com natural facilidade, visto que ainda por cima lho pedem, envergonham os jornalistas: uns, mais atentos ao tacticismo da política, explicam: deitar fora o acordo de entendimento e dispor-se a negociar outro é dar um brinde ao PS, é suicídio político; outros, olhando mais o fundo e menos a circunstância, informam com mais brutalidade: o Estado social está falido, o que há tem que deixar de haver, foi isso que ele disse.

Os jornalistas cultivam a perplexidade e vestem a pele de estafetas de sound-bytes. Os comentadores informam e explicam. A este ponto se deixaram chegar os orgãos de informação. Depois, como se fossem estranhos ao processo, clamam que estão em risco de vida e que a sua morte seria um atentado à democracia. Sugerem o quê como remédio? Assumirem um papel mais útil ou transformarem-se em mais uma rubrica na despesa do Estado?

Autoria e outros dados (tags, etc)



3 comentários

Sem imagem de perfil

De Tudo certo a 30.10.2012 às 09:19

Tem razão, mas já agora convinha ter explicado aos leitores o que se deve entender por "refundação do acordo de entendimento". Eu não consegui atingir, nem ninguém com quem eu tenha falado.
Sem imagem de perfil

De margarida soares franco a 31.10.2012 às 20:26

Tudo certo, basta consultar o dicionáruio. 


REFUNDAR=tornar mais fundo; aprofundar.


Tire as suas conclusões !!!!!!
Sem imagem de perfil

De LMTV a 01.11.2012 às 17:01

Ora bem..nem todas as palavras que começam com o prefixo "re" significam o mesmo e portanto para tristeza de muitos, refundar ou reformular nao significa renegociar. Se os jornalistas estao num patamar tao desprezivel, a eles proprios o devem. Eu ainda me lembro de parar para ouvir o Carlos Fino e as suas reportagens de Moscovo, ou as entrevistas acutilantes de Margarida Marante. Nesse tempo nao eram pagos a peso de ouro mas sabiam o que era a liberdade de imprensa, respeitavam-na e ao cidadao. Hoje em dia, a privatizaçao dos media que deveria ter trazido a com. social para um patamar de excelencia pois as pessoas deviam ter um grau para exercer a profissao e os canais os meios para a levar à pratica de forma excelente, preocupam-se com shares e em defender os seus interesses pessoais. E foi essa bandalheira, aliada à falta de criterio dos cidadaos e ao seu desinteresse que nos trouxe ate este estado lastimoso. Nao ha um meio de informaçao de referencia em Portugal neste momento, os media trazem erros de portugues de palmatoria, as noticias sao muitas vezes inperceptiveis e espalham a confusao. Tudo porquê? Primeiro porque jornais, revistas e radios estao nas maos dos mesmos e depois porque o tal "povo" gosta de ser enganado e acha que se papaguear os erros que ouve nas noticias so porque sao proferidos pelo comentador A ou B entao é uma verdade absoluta e pode vir para a rua armado em politólogo ou economista. A nossa falta de exigencia abriu espaço à incompetencia por isso em ultima analise, a culpa é nossa. Entao porque continuar a gastar dinheiro a forma-los? Acabe-se com o curso e canalize-se a verba para areas mais necessarias. Ainda vamos a tempo de mudar as coisas mas para isso os nossos criterios têm que mudar. Ja que exigimos tanta coisa desnecessaria, exijamos isto tambem, porque tal representa uma mudança de paradigma, uma evoluçao civica e social urgente nos tempos que correm.

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Épá, que profundo...

  • Anónimo

    lord Byron: This age of cant («estos tiempos de h...

  • Luís Lavoura

    A esmagadora maioria destas queimadas são totalmen...

  • Anónimo

    Pastorícia, segundo parece, não entendi ainda muit...

  • Anónimo

    É tudo muito bonito, mas apresentem soluções alter...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2017
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2016
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2015
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2014
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2013
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2012
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2011
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2010
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2009
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2008
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2007
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2006
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D