Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Lutar contra o mal

por José Luís Nunes Martins, em 19.11.11

Muitos são os teóricos que investem todo o seu esforço em tentar explicar porque existe mal no mundo. Os resultados são controversos e obscuros. O que daí resulta? Nada.

 

É claro e simples: o mal existe. Nasce na essência do nosso egoísmo e está na raiz da fome, doença, ignorância, mentira, injustiça, guerra... É necessário um verdadeiro exército de gente disposto a aventurar-se na luta contra o mal, com humildade, e tendo o amor como espada.

 

Há perigos. O de nos deixarmos acabrunhar pela grandeza do mal face à pequenez dos resultados obtidos; o de sermos poucos – o que, se pode animar-nos ainda mais, pelo heroísmo redobrado que protagonizamos, também nos pode atingir fatalmente o ânimo, por sentirmos que afinal aqueles que julgávamos serem os nossos, não o são.

 

Muitos julgam que lutar contra o mal implica o sacrifício da própria vida, uma espécie de dor consentida, assumida, quase desejada, um martírio. Não o é. O sofrimento não é redentor por si, apenas o que conseguirmos fazer através amor o é.

 

Importa lembrar que a crise de valores começou há já muito tempo, atingindo primeiro os mais fundamentais, o amor e todos as suas derivações. Hoje, acreditar que há quem precise de nós, ir ao seu encontro, ajudar, é quanto basta para se produzir um milagre.

 

Mesmo que não acredite em céus, infernos e paraísos não pode negar a evidência de que um homem pode ser um anjo para outro homem. Se isto é claro e o fará feliz, por que espera?

 

(publicado no jornal i - 19 de novembro de 2011)

Autoria e outros dados (tags, etc)




Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Devoto

    Já andamos a rezar em brasileiro? Ao que chegamos....

  • Anónimo

    Não é normal o quê? Lá vem a treta dos incendiário...

  • O SÁTIRO

    Ou seja.esta corajosa senhora DESMENTIU TODAS AS D...

  • Manuel Alves

    "Com uma taxa de natalidade absurdamente baixa e c...

  • Anónimo

    Há uma coisa em que conservadores e extrema-esquer...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2016
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2015
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2014
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2013
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2012
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2011
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2010
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2009
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2008
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2007
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2006
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D