Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O regresso da Europa (II)

por Corta-fitas, em 07.11.06

O grande debate europeu actual é sobre a próxima adesão da Turquia. Por causa de Chipre, o processo parece preparado para descarrilar. Acho que a adesão de Chipre foi um erro histórico, pelo menos sem que fosse resolvida a divisão do território. Agora, a UE está a esforçar-se por encontrar uma solução que permita salvar a face dos turcos e não obrigar um dos lados a encerrar negociações. Parece muito difícil.
O território de Chipre norte (turco), apoiado pela Turquia, não tem legalidade internacional e, por isso, não há ligações comerciais. Quando do referendo de unificação patrocinado pela ONU, e que antecedeu o alargamento, em 2004, os cipriotas turcos votaram a favor da reunificação e os cipriotas gregos contra. Mas o lado turco (supostamente o bem comportado) ficou isolado e o grego (que inviabilizou a reunificação) aderiu à UE.
Para prosseguir as negociações de adesão, a Turquia tem de cumprir um acordo que assinou e permitir o acesso de navios e aviões cipriotas aos seus portos e aeroportos. Trata-se de cumprir o protocolo que alarga a 25 o acordo comercial existente entre a Turquia e 15 membros da UE.
Mas a abertura aos cipriotas sem o recomeço do comércio entre UE e Chipre Norte será uma humilhação para qualquer governo turco. E os europeus não podem ligar os dois assuntos, pois isso equivale a reconhecer Chipre Norte.
Como sair do impasse? Bruxelas tenta ganhar tempo e negociar devagarinho a questão, tentando que ninguém bata com a porta. Um compromisso finlandês poderá ser aceite na próxima cimeira europeia, em Dezembro.
Mas o resultado pode também ser uma suspensão do processo de adesão, um “cartão amarelo”, que travaria o processo por tempo indefinido.
Os europeus sabem que a entrada da Turquia só será possível se houver anos de economia europeia robusta e após a difícil suavização das opiniões públicas alemã, francesa e católica. Estamos a falar de um prazo de anos, talvez uma década.
Mas os custos da não-Turquia são demasiado elevados: imaginem a Europa com um vizinho daquele tamanho instável e possivelmente hostil. Haveria também uma importante minoria muçulmana dentro da UE a sentir-se excluída, agravando um problema social interno que já parece complicado, o da integração dos muçulmanos nas sociedades laicas. Outra implicação seria o fim das ambições externas da UE, a falta de controlo sobre importantes rotas de energia, a perda de influência no Médio Oriente, no Cáucaso, na Ásia Central.
Sem a Turquia, a UE não passará de um projecto com forte componente étnica e religiosa. Com a Turquia dentro, acabarão definitivamente as veleidades dos directórios e outras ideias elitistas. É esta a verdadeira razão da hostilidade de alguns países à ideia do novo membro, na origem do eufemismo da “capacidade de absorção”.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:



5 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 07.11.2006 às 23:07

União Europeia ou plutocracia transeuropeia? Os cidadãos ainda têm uma palavra a dizer, ou não?
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 07.11.2006 às 23:00

OK, o próximo passo será a Venezuela?
Sem imagem de perfil

De luisnaves a 07.11.2006 às 20:29

Estas questões estão ultrapassadas. Cabo Verde não faz parte dos planos da UE, pois seria inevitável que entrasse também Marrocos, por exemplo. E a Turquia já está a negociar a sua entrada. A UE aceitou lançar negociações de adesão e os capítulos estão definidos. Ninguém pode invocar o argumento das fronteiras
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 07.11.2006 às 18:43

A Turquia difcilmente se poderá considerar como fazendo parte da Europa...
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 07.11.2006 às 18:39

Bem, o nosso Adriano Moreira até já propôs que Cabo Verde pertencesse à UE...

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • henrique pereira dos santos

    Um dia encontrei o teu irmão João por acaso, mas a...

  • Anónimo

    "Ala" irresponsável do PS?*"O primeiro erro é semp...

  • jo

    " passam a ter o mesmo grau de credibilidade que d...

  • Ze lima

    Grande Henrique!(de um amigo da primária)

  • antonio

    Devem ir à missa, e se quiserem convertem-se


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2016
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2015
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2014
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2013
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2012
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2011
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2010
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2009
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2008
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2007
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2006
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D