Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Serve este post para continuar a crítica ao ensaio publicado por Henrique Raposo no jornal Expresso e que pode ser lido em Clube das Repúblicas Mortas, a propósito da eventual adesão da Turquia à União Europeia. Sendo eu favorável a essa adesão, tal como o autor, penso que ela não deve ser defendida com argumentos ao lado do alvo.

 

O Tratado

A entrada da Turquia nunca será possível sem que a UE se prepare. É, pois, preciso um novo Tratado. No caso do Tratado de Lisboa, faz-se uma alteração de poder onde os países têm um peso equivalente ao da sua população, o que daria uma vantagem importante à Turquia. Dada a dimensão da economia turca e o seu atraso relativo, é também fácil imaginar que este país iria absorver importantes fatias dos fundos estruturais. Além do novo tratado, a UE teria de reformar a sua agricultura, sob o risco de não poder pagar a nova adesão.

Duvido que a UE pudesse suportar esta adesão sem mudar as instituições e aumentar o orçamento; duvido que a Turquia esteja apta a adoptar grande parte da legislação do mercado único. Mas, enfim, vamos ser optimistas: as negociações serão lentas, o Tratado de Lisboa entrará em vigor e, entretanto, os países de leste ficarão mais ricos. A adesão em 2020 será talvez viável…

 

Os laicos

Escreve Henrique Raposo que o “Estado turco é laico. Demasiado laico, aliás”.

A frase deixou-me perplexo. Na realidade, um dos critérios de Copenhaga (condições de adesão) na parte dos direitos humanos que a Turquia não cumpre diz respeito à liberdade religiosa, pois o Estado interfere na escolha e nomeação dos imãs, sendo este um dos temas que mais enerva o partido no poder (AKP, conservadores islâmicos), incapaz de avançar com uma reforma que permita a liberdade de escolha em seminários, mesquitas e sinagogas. Aliás, quando o governo pertence a um partido de raízes religiosas e que teve duas maiorias absolutas consecutivas dificilmente pode ser chamado esse Estado de “excessivamente laico”. O governo do AKP é altamente controlado pela elite (vamos chamar-lhe republicana, em vez de jacobina), que teme a imposição de valores não ocidentais. Daí, por exemplo, a linha vermelha do poder judicial, dominado pelos republicanos, a propósito do lenço islâmico nos edifícios públicos.

  

Conservadores

Acho que o problema da análise do Henrique Raposo vem da circunstância do autor pensar a Turquia como o jogo político da resistência dos jacobinos contra um grupo de modernizadores liberais e democratas.

Na realidade, o AKP é um partido profundamente conservador, com sectores onde se defende a junção de estado e religião. Estão a modernizar e democratizar o país, é justo que se diga, mas também a defender legislação mais rígida nos costumes. Temos de compreender a desconfiança das elites “jacobinas”.

Há uns três anos participei num encontro organizado pela União Europeia onde se juntaram jornalistas ocidentais e turcos, estes últimos divididos em dois grupos, os republicanos e os islâmicos. Para meu espanto, aterrei numa espécie de guerra civil onde não foi possível o mínimo diálogo: os laicos eram jornalistas ocidentais, pró-europeus, articulados e modernos; os islâmicos falavam mal línguas, não se misturavam com os kemalistas e tinham ideias bizarras sobre a Europa, sempre muito hostis. Ultra-conservadores, sem dúvida. Sinceramente, não me pareceu nada idêntico ao Portugal entre 74 e 82.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)



2 comentários

Imagem de perfil

De Tiago Moreira Ramalho a 18.05.2009 às 18:01

Adivinha-se aqui uma excelente polémica, especialmente informativa para quem sabe pouco sobre a Turquia.
Sem imagem de perfil

De pepe a 19.05.2009 às 10:24

Sendo também favorável à entrada da Turquia na CE, não deixo de entender que a situação se complicou um pouco (talvez bastante, até) com a perda de vitalidade da comunidade e com o seu agravamento causado pela crise económica.

A "década perdida" da CE tem razões internas (independentemente das opiniões sobre o (s) Tratado (s), o (s) referendo (s), a Constituição Europeia, etc e tal) que merecem toda a atenção nas vésperas do próximo acto eleitoral europeu.

Os últimos alargamentos vieram agravar a inércia, instabilidade, mediocridade, que já grassavam na Comunidade, creio que por falta duma Constituição e dum sistema de governabilidade política. Como a situação se veio a agravar ainda mais depois, a entrada de mais países acabará por aumentar a confusão. Minha moral da história: primeiro arrumar a casa como está, tendo em vista as futuras adesões.

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2017
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2016
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2015
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2014
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2013
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2012
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2011
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2010
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2009
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2008
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2007
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2006
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D