Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Reflexões

por João Távora, em 11.10.08

Dramático é como em Portugal, um pequeno país tendencialmente iletrado e com pouca tradição democrática, o espectro ideológico se nos apresente tão afunilado. Nos “media” dominantes, no meio intelectual estabelecido, impera o pensamento uniformizado e cinzento, viciado em meia dúzia de lugares comuns. Os nossos escritores, políticos e jornalistas da moda raramente reflectem efectivas diferenças ideológicas, ou um pensamento original. Quase sempre as suas mais profundas divergências revelam-se tão só nas suas cores clubísticas, ou por meros caprichos de circunstância.

A efectiva democracia só existe se nela organicamente imperar a diferença.
E depois, ser democrata não deveria jamais ser um conceito vazio, uma abstracção, uma teoria; antes uma prática, um desafio vivido – exige maturidade, civilização.
O democrata ultrapassa os seus preconceitos, domina as suas emoções, e escuta, aceita o Outro. Mesmo que esse Outro seja adversário na disputa do seu mais  ansiado objecto. Numa civilização adulta, o pensamento e as ideias coexistem na sua diferença, de um extremo ao outro, sem preconceitos, sem amputações.
Livremente como se vai observando nalguma da boa blogosfera.

Autoria e outros dados (tags, etc)



16 comentários

Sem imagem de perfil

De PALAVROSSAVRVS REX a 11.10.2008 às 20:04

Oportuníssima reflexão, João. Eu dou braço a torcer: por vezes interpelo com alguma rudeza e liberdade expressiva gente que admiro e acompanho pela imensa e riquíssima bloga. Depois retrocedo ou dos arroubos ou dos excessos havidos e a amizade acontece. Picardias são normais, mas superáveis. Acima de tudo tem de ficar uma coisa mais intensa que a indiferença.

Estigmatizar é que não. Fechar os canais e recluir-se nas ideias feitas é que não. Uma coisa é radicalizar e enlouquecer o discurso ocasionalmente, muitas vezes em função de horas pessoais negras e hoje há muitas que só o estecisimo expressionista e exibicionista acalmará.

Outra, bem diversa, é ser, seja em que matéria for, radical e hermético. Bato-me contra o hermetismo relacional e contra a lógica corporativista no plano da bloga, da imprensa. É preciso abrir bem os olhos e compreender que os outros não são parvos.

Um abraço para ti.
Outro para o Pedro Correia, que anda sensível
e precisa de intérprete para me sentir melhor.

PALAVROSSAVRVS REX
Imagem de perfil

De João Távora a 12.10.2008 às 11:56

Refere bem "o estigma", caro PALAVROSSAVRVS: os assuntos "que não interessam a ninguém"; as ideias "perigosas". Perigoso mesmo é a ignorância e a sofocante agenda do jornalismo avassalado. Abraço
Imagem de perfil

De Cristina Ribeiro a 11.10.2008 às 20:11

Gostei da reflexão: ter a mente e o coração aberto para o Outro, respeitar e aceitar a diferença: ainda estamos longe disso, como também podemos ver na blogosfera.
Imagem de perfil

De João Távora a 12.10.2008 às 12:00

Muito longe, Cristina. O mais difícil de mudar é por dentro. Fácil é "falar". Beijinho,
Sem imagem de perfil

De Leonor a 11.10.2008 às 23:15

Concordo inteiramente, João.
Imagem de perfil

De João Távora a 12.10.2008 às 11:39

Gosto de a ver por aqui, Leonor. :-)
Sem imagem de perfil

De carlosbarbosaoli a 11.10.2008 às 23:54

Concordo plenamente, João. Como jornalista entristece-me ver que há uma tendência crescente para o pensamento único e para a abordagem em cadeia de temas que estão na moda. Falta rasgo e, por vezes, lucidez para reflectir.
Imagem de perfil

De João Távora a 12.10.2008 às 11:43

Caro Carlos: E como tudo seria mais simples num mundo a preto e branco, composto exclusivamente de bons e de maus. Principalmente para o jornalismo.
Sem imagem de perfil

De mike a 12.10.2008 às 00:22

Cirúrgica a sua última frase, caro João Távora, ao referir com propósito, e adjectivando alguma da blogosfera. Eu vejo-a como um espelho do que fala. Em muita blogosfera escreve-se o que se adivinha ser apreciado por quem lê. Não sou contra os consensos, mas raramente eles nos projectam mais além, apenas ajudam a resolver o momento. Não é o caso do João e da esmagadora maioria dos Corta-Fiteiros. E ainda bem, digo eu.
Abraço.
Imagem de perfil

De João Távora a 12.10.2008 às 11:39

Isso mesmo caro Mike , a blogosfera tem que ser um espaço de inconformismo. Se não, não faz sentido.
Imagem de perfil

De Paulo Cunha Porto a 12.10.2008 às 11:56

Meu Caro João,
concordo contigo a 100%: A DEMOCRACIA ESTIMÁVEL É A QUE NÃO EXISTE.
Salvo no «Corta-Fitas», em que com grande generosidade e panache acolheram um calejado, embora risonho, adeversário dela, este pobre amigo que tanto Te estima.
Abraço
Imagem de perfil

De João Távora a 12.10.2008 às 12:04

Mas estamos a lutar por Ela, caro Paulo. :-) Abraço apertado.
Imagem de perfil

De Ana Vidal a 12.10.2008 às 16:29

Quanta lucidez, João... não posso estar mais de acordo! Viva o pluralismo e a discussão de ideias, que exige diferenças e cedências, e não o pensamento único.

(agora reparo que se gerou aqui um consenso geral, o que não deixa de ter a sua graça) :-)
Sem imagem de perfil

De maria a 12.10.2008 às 21:04

Nem mais. Exige empatia , o saber colocar-se no lugar do Outro e ter como objectivo o chegar a consensos discutidos em que todos ganham . Eu penso que democracia não é só um sistema político , é uma forma respeitadora do Outro , como ser humano igualzinho a nós , de estar na vida. É que não pode haver Democracia , com D grande, sem homens e mulheres democráticos na vida de todos os dias.
Gosto muito de Habermas , da importância que dá ao autoconhecimento para a construção de um homem livre ( a vontade - socialmente imposta ?- de poder e dinheiro também aprisiona e muitos nem sequer percebem como a sua procura , e depois da obtenção , a manutenção , os limita e os transforma em seres ridículos e vazios ) e ao diálogo na esfera pública para a consolidação da Democracia.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 13.10.2008 às 18:45

João Távora:

Boa e oportuna reflexão.

Escreve-se muito em "blogs", mas existem temas em que as posições estão completamente cristalizadas. Impera o pensamento único. É o caso do pensamento económico. O discurso é quase decalcado de comentador para comentador.

Foi necessário o aparecimento, à superfície, desta crise para começar a aparecer um certo contraditório. As posições auto-suficientes da generalidade dos economistas e jornalistas, ditos especializados, parece um coro a uma só voz.

Outro traço muito vincado é a intolerância.

Este, ainda é dos poucos "blogs" onde existe respeito pelas posições divergentes, com algumas excepções.

Mais uma vez, o meu apreço pelo "post".
Sem imagem de perfil

De Manuel Leão a 13.10.2008 às 19:11

João Távora:

Esqueci-me de me identificar.

O Anónimo das 18:45 sou eu.

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • O SÁTIRO

    a extrema esquerda....pois é isso que são PCP..BE ...

  • xico

    Um texto que me causa alguma perplexidade.

  • Anónimo

    O Salazar morreu como um sem abrigo?HAHAHA Eu nunc...

  • Renato

    "opções de gestão"? Mas não é o próprio Henrique q...

  • Manuel Moço

    Ele nunca deixou de ter razão. É das pessoas mais ...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2016
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2015
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2014
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2013
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2012
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2011
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2010
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2009
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2008
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2007
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2006
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D