Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Mandato manchado até ao fim

por Pedro Correia, em 25.09.08

À beira do fim do mandato, George W. Bush confirmou a sentença de morte de um militar – o primeiro a ser executado desde 1957 nos Estados Unidos, onde é necessária a expressa autorização presidencial para consumar uma sentença capital de um membro das forças armadas, tenha cometido o crime que tiver. Bush desenterra assim uma tradição que estava suspensa desde o mandato do Presidente Eisenhower, o último militar a habitar a Casa Branca.

O soldado em causa cometeu quatro assassinatos e cinco violações nos anos 80. São cinco crimes inaceitáveis e repugnantes, ninguém discute. Mas nenhuma das vítimas será redimida com a sua execução, espécie de vingança primária cometida com o aval do Estado americano.
Acaba por não surpreender ninguém que Bush a tenha autorizado. Já quando era governador do Texas, o actual inquilino da Casa Branca confirmou 152 sentenças de morte – triste cifra, lamentável cifra, que põe a vida humana à mercê dos caprichos momentâneos de um governante qualquer. Não era preciso mais nada para o desqualificar em termos éticos. Como pode reclamar-se da fé cristã quem actua desta forma?

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:



32 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 25.09.2008 às 15:58

Resta saber que percentagem de tugas concordaria nos dias que correm com a execução de alguém que tivesse cometido por cá quatro assassinatos e cinco violações...
Sem imagem de perfil

De Luís a 25.09.2008 às 16:29

Não há aí um exagero? Quem condena ou não, é o tribunal, o governador comuta ou não a sentença. E porquê caprichos? O homem pode muito bem acreditar que assim é que deve ser, aliás ele e muitos mais. Eu, em casos destes e afins, se não há dúvida sobre o culpado, apoio a pena de morte; bem sei que não é justiça mas sim vingança, mas as famílias das vítimas merecem-no. Depois ajustam contas com Deus.
Sem imagem de perfil

De Manuel Leão a 25.09.2008 às 16:41

Pedro Correia:

«Como pode reclamar-se da fé cristã quem actua desta forma?»

Ele pode dizer o que quiser e eu não acredito.

Ele também diz que fala com Deus, mas nunca ninguém o internou.

Se este homem não tivesse sido trágico para humanidade eu diria que ele era um grande brincalhão. Mas infelizmente, para todos, não é.
Sem imagem de perfil

De ana duarte a 25.09.2008 às 17:29

Concordo em absoluto consigo em relação a Bush, mas olhe que a giraça da Palin, ao que consta, também pensa assim...
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 25.09.2008 às 22:28

Deixe lá "a giraça da Palin" (as palavras são suas), caríssima Ana Duarte, que não tem a ver com este assunto muito concreto.
Sem imagem de perfil

De Ana Pereira a 25.09.2008 às 17:37

Sempre me custou a perceber como é que pessoas que condenam o aborto,o que para mim faz sentido,independentemente da lei o permitir ou não,porque penso que só Deus é que pode dar a vida e tira-la e nunca os homens,estão a favor da pena de morte.É claro que as familias das vitimas estão em choque e temos que as amparar e compreender,agora quem condena,apoia e executa a pena de morte não tem o direito de evocar Deus ou de se considerar cristão.
Sem imagem de perfil

De rms a 25.09.2008 às 18:35

E o perdão, senhores, o perdão? Daremos a outra face! Amen.
Sem imagem de perfil

De Antifascista de Gema a 25.09.2008 às 20:11

Um post típico do politicamente correcto.
Comentário leonino roçando a indigência mental...
Que se há-de fazer?
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 25.09.2008 às 20:15

Em compensação, o seu comentário foi extremamente inteligente. Presto-lhe homenagem por isso.
Sem imagem de perfil

De Antifascista de Gema a 25.09.2008 às 20:21

E eu agradeço-lhe a homenagem, que presumo sincera.
Que tal reflectir um pouco antes de...?
Fazia-lhe bem.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 25.09.2008 às 21:01

Farei os possíveis por seguir o seu sábio conselho.
Sem imagem de perfil

De Antifascista de Gema a 25.09.2008 às 22:02

Só lhe ficam bem esses sentimentos.
Parabéns!
Sem imagem de perfil

De Manuel Leão a 25.09.2008 às 22:26

E não é que o idiota ficou convencido?
Sem imagem de perfil

De Manuel Leão a 25.09.2008 às 22:25

Antifascista de Gema:

Sim, indigência mental é coisa que você nunca terá. Pela simples razão que para isso é necessário ter mente. Que é coisa que, comprovadamente, você não tem, seu idiota!
Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 25.09.2008 às 21:08

País civilizado, sem dúvida. Já agora, já repararam que o homem que assinou a abolição da pena de morte, merece apenas o nome numa discreta praça (com a estátua de outro fulano) e um mero medalhão nos píncaros da fachada da Estação de comboios do Rossio? O D. Luís está apenas avançado 140 anos relativamente aos Bushes, Obamas e Comp. Lda.
Imagem de perfil

De Paulo Cunha Porto a 25.09.2008 às 21:32

Meu Caro Pedro,
estive para não intervir, mas a Consideração que me mereces nãp permite que, por qualquer motivo, da facilidade à sobranceria, cale a minha discordância. Antes do mais a questão do Cristianismo. Por que será que todas as sociedades para quem essa fé era importante na condução da coisa pública tinham pena de morte e as que fogem da Cruz mais do que, diz-se - o faz o Diabo decidiram suprimi-la?
Aquando do aborto disse o que pensava aqui:
misantropoenjaulado.blogspot.com/2007/02/minha-heterodoxia.html
A culpa, tudo está nela! É muito diferente assassinar uma vida humana inocente e eliminar o que, pela sua conduta se revelou o mais desumano dos seres. E o Perdão que o Evangelho nos manda praticar é o dos nossos inimigos, o que é prova de força, não os dos outros, sobretudo os que de nós dependem, o que é a mais infame das fraquezas.
Defendo a pena de morte apenas para crimes de homicídio qualificado, o que se aplica ao caso, pois são qualificadíssimas as enunciadas condutas corerelatas dos tiipos. Dizes que não devolveria a vida aos que morreram. Pois não, mas seria grande consolo para muitos familiares deles - e é-o em todo o caso, para mim - saber que um determinado Poder tem a coragem necessária para determinar que a mais incomensurável desumanidade não tem direito de existência ou cidade entre nós. Não se trata de restabelecimento ou pagamento, trata-se da Dignidade de eliminar a face visível do Mal.
Falas em redenção das vítimas? Mas de que redenção precisam esses à nossa vida desarmada, Santo Deus? Quem dela precisará, e muito, é o criminoso. Mas só a Misericórdia Divina lha pode conceder, tão arrepiante foi a sua acção, que está fora do alcance da humana. Ou deverá estar, sob pena de cumplicidade
*
Nos EUA, durante os Anos 1970´s, o Supremo Tribunal proibiu a pena de morte. Tamanha foi a desaprovação popular que foi obrigado a voltar atrás, sendo restabelecida em aproximadamente quatro quintos dos estados. É fácil invectivar Bush, mas tanto Obama como McCain são favoráveis a ela e o Senador do Illinois defende mesmo a possibilidade de os Estados virem a estendê-la a outros crimes, muito mais do que eu apoio.
Hoje, é muito popular, ao nível da Federação. Tanto que um Analista honesto como Manuel de Lucena, em princípio a ela contrário, reconhece que naquele País tem de ser assim. Como sabes estou imune ao virus de cantar hossanas à Democracia. Mas não vejo como um entusiasta dos sistemas de maiorias poderá fugir daí.
Por isso. meu Caro Pedro, não me pude calar. Qando o monstro for executado, não sentirei a alegria por uma morte, mas ascenderei à momentânea paz de espírito de ver umas instituições capazes de demarcar-se do Absoluto Maligno.
Abraço e não me queiras mal. Acredito que a tua posição Te torne melhor do que eu consigo ser. Mas nunca conseguirei deixar de querer consequência na desaprovação do que é vil. Até às últimas!
Abraço
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 25.09.2008 às 22:06

Registado o nosso desacordo em tão relevante matéria. Abraço, Paulo
Sem imagem de perfil

De mc a 25.09.2008 às 22:28

Subscrevo o sentido do post . A abolição da pena de morte por vários países foi, e é, uma conquista civilizacional .



Sem imagem de perfil

De João Pedro a 25.09.2008 às 22:58

Totalmente de acordo com a Ana Pereira e o Nuno Castelo Branco. E, Paulo Cunha Porto, a pena de morte estava longe de ser um exclusivo dos países cristãos: era-o praticado em todos, e começou-o a deixar de ser precisamente nas sociedades cristãs, com Portugal À cabeça. Uma lição de civilização e misericórdia que demos a tanto "país do 3º mundo", como a Inglaterra, a França, e, claro, osEUA.
Imagem de perfil

De Paulo Cunha Porto a 25.09.2008 às 23:08

Meu Caro João Pedro,
mas quem é que disse que a pena de morte era exclusivo das sociedades Cristãs? O que afirmei é que estava presentes em todas elas.
A segunda parte do que afirma parece-me correcta e é o que me repugna - foi em pleno processo de descristianização, se tivermos em mente o que precedeu - que a abolição deflagrou.
Abraço

Comentar post


Pág. 1/2



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Denúncias feitas desde Agosto de 2017Quer-me parec...

  • Anónimo

    Sabe o que é que me irrita tanto em Portugal? Toda...

  • Terry Malloy

    "O facto de [...] não ter comprado gambas no Corte...

  • João Sousa

    Mais do que lobby, a palavra que encaixa perfeitam...

  • henrique pereira dos santos

    Leia melhor o post, o que o post diz é que exactam...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2016
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2015
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2014
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2013
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2012
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2011
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2010
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2009
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2008
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2007
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2006
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D