Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Socorro, salvem as gravatas!

por João Távora, em 11.08.08

 

Assumido monárquico, católico, conservador e sportinguista, com muita experiência e larga ascendência de derrotados pela história pelo menos desde o século xviii, estou há muito habituado ao sentimento de perdedor. Mesmo assim, ainda é com apreensão que leio no Diário de Notícias o ameaçador prognóstico do fim da gravata, esse ancestral e elegante artefacto de moda masculina. É uma questão de “eficiência energética”, dizem eles... Naturalmente estou preparado para resistir, e se o seu comércio vier um dia a ser proibido, julgo possuir bastantes para muitos anos de luta.

Sobrevivente nesta sociedade massificada e igualitária, considero a gravata um dos últimos redutos da distinção no trajar masculino formal, um subtil e gracioso indício da personalidade de quem a usa. Durante a semana de trabalho gosto muito de a vestir com um discreto fatinho de bom corte, escolhida a preceito, e que com gosto irei despir ao final do dia num impulso libertador. Do mesmo modo, agrada-me ao fim-de-semana usar roupa descontraída, umas calças coçadas e umas sapatilhas. Cada coisa no seu lugar, que para mim a roupa é um espelho da alma e das circunstâncias que vivo: por exemplo, detesto às quartas-feiras europeias ir enfarpelado ver a bola, capricho que me obriga a trazer uma muda de roupa para Lisboa.

Aqui nas Amoreiras, onde trabalho, há muito que observo a moda da “camisa aberta” afectar principalmente os mais jovens executivos. Parece-me que essa adesão provém não só da necessidade de se sentirem aceites, mas duma clara inexperiência de vida, que não lhes ensinou a técnica de, na loja,  provar uma camisa com um colarinho de medidas adequadas, que não os estrafegue se estiver abotoado. Assim, até acredito que se sintam muito in, democráticos e ecológicos, encafuados em fatos de marca, com camisa de gola aberta, mais parecendo empregados de restaurante sem laçarote, como quando estão a conferir a caixa ou a fazer a mise en place para o turno seguinte.

Autoria e outros dados (tags, etc)



19 comentários

Sem imagem de perfil

De Tiago Moreira Ramalho a 11.08.2008 às 16:57

Só por curiosidade, é mesmo descendente dos Távoras? Aqueles do Marquês...
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 11.08.2008 às 17:28

Não percebi o post... mas quem é que o quer impedir de usar gravata?

Pedro
Sem imagem de perfil

De Luís Bonifácio a 11.08.2008 às 17:55

Caro João

Já reparou que a noticia tem dois sentidos!

Se no Verão não usar gravatas pode trazer poupanças ao nivel do consumo energético do ar condicionado, aumentando dois graus a temperatura, então no inverno a utilização obrigatória de gravatas fará com que seja desnecessário colocar o mesmo ar condicionado a aquecer mais o ambiente.
Se a ONU estiver correcta a utilização obrigatória de gravatas no inverno fará com que o ar condicionado estaeja dois graus mais baixo que o usual, poupando assim muita energia, sobretudo pois no Inverno é que ocorrem os maiores consumos de energia.
Sem imagem de perfil

De Manuel Leão a 11.08.2008 às 20:17

João Távora:


Assumido republicano, de esquerda, Cristão e sportinguista, também eu gosto de gravatas. Hoje, já reformado, só as uso raramente quando vou a cerimónias ou ao teatro.

Todavia, acredito que quem ler o seu "post" não vai ter a coragem de promulgar qualquer lei no sentido de ilegalizar a venda de gravatas. Mas, se tal tragédia vier a acontecer, desde já pode contar com o meu modesto "stock", para melhor resistir ao cerco. Esta é uma guerra que eu não quero que perca. O único problema será, porventura, o meu gosto não estar à altura da sua exigência.

Quanto ao resto, disponha.
Sem imagem de perfil

De empregado de mesa nas amoreiras a 11.08.2008 às 21:58

Hádes vir cá almoçar que até te limpas à gravata
Sem imagem de perfil

De Dutilleul a 11.08.2008 às 23:06

ehehehehehehehehehehehehe....
Sem imagem de perfil

De Anónimo Veneziano a 12.08.2008 às 04:49

Hádes, hádes...
Sem imagem de perfil

De Anónimo Veneziano a 12.08.2008 às 04:55

Recorda-me um desses experientes "derrotados pela História" que pouco antes da execução pedia ao carrasco que tivesse cuidado para não amachucar o seu colarinho de folhos...
Cá por mim, prefiro o laço à gravata. Muito mais fresco (como é que o SG da ONU não se lembrou disso?) e denotando sempre muito maior personalidade.
Sem imagem de perfil

De Carlos Barbosa de Oliveira a 12.08.2008 às 10:52

Sou do tempo em que não podia asssistir a uma aula na Faculdade de Direito, sem gravata e, talvez por isso, tornei-me adepto do "papillon"

Apesar de não ter ascendência nobiliárquica, também sempre dispensei com agrado o ar condicionado ( a única excepção, foi mesmo quando vivi em Macau).

Imagem de perfil

De João Távora a 12.08.2008 às 11:05

Caro Carlos, a questão da genealogia foi apenas uma tentativa de fazer humor. Obrigado pela visita :-) .
Imagem de perfil

De João Távora a 12.08.2008 às 10:59

Agradeço os comentários.
Sim caro Tiago, sou um magnífico objecto museológico.
Caro Luis Bonifácio gosto em vê-lo por cá! Desse fabuloso argumento não me lembrei eu!
Caro Manuel Leão: Teremos muitos mais pontos que nos unem do que aqueles que nos separam... mas de facto as gravatas são escolhas muito pessoais.
Não entendo o melindre do empregado de mesa, pois eu jamais o desconsiderei.
Sem imagem de perfil

De fcl a 12.08.2008 às 15:51

O meu profundo asco por gravatas - e por tudo qto me possa apertar o pescoço! - impede q possa oferecer uma a um certo aniversariante... Ganda chatice e desculpa, ó JT!!
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 26.06.2012 às 17:54

gostei do artigo e também sou descendente dos mesmos. No entanto, com o calor que faz, admito que não faz sentido andar de gravata só para satisfazer o meu ego.

há que ser pragmático e saber perder para ganhar noutras coisa. Pai de numerosa prole, de várias idades, há de tudo desde os engravatados aos que não usam e fixar regras pode...(não as das gravatas) fazer perder filhos!

É preciso ser-se do tempo, nosso e do deles, e nada melhor do que mesmo engravatado...mas chic, senão é uma pepineira, saber ser-se olhado com modernidade e aceitação.

Danam-se às vezes por encontrar Cd's de músicas actuais de que eu gosto, ter iPad, iPhone e quejandos que, reconheço mesmo me dão um jeitão, mas são fruto de uma decisão há muito tomada: diminuir o máximo que puder do gap geracional entre os meus filhos, sobrinhos, amigos deles, etc e eu! Porquê? por amor e por orgulho de os ter.
Sem imagem de perfil

De Pedro de Noronha a 26.06.2012 às 23:03

Olá Manel !
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 27.06.2012 às 18:18

o meu nome é Bond, James Bond. O cavalheiro deve-se ter enganado.
Imagem de perfil

De Corta-fitas a 27.06.2012 às 09:37

Faço questão de ouvir música com critério, num moderno gira-discos de vínil. Os miúdos sabem apreciar a qualidade de boa música no som analógico. De resto a boa música não tem idade. E com a literatura também lá vão - não me meto em modernices que a vida é curta! Não faço concessões e não discuto gravatas, trata-se de uma metáfora. 

Cordeais cumprimentos.
Sem imagem de perfil

De Pedro de Noronha a 26.06.2012 às 21:56


Caro parente,

Antes do mais gostaria de expressar o meu profundo agrado pelas linhas que escreveu.
Com efeito, a problemática da gravata numa sociedade de boné na cabeça e rabo ao léu, é, seguramente a derradeira luta das pessoas que, como nós, continuam a pugnar pela ostenção de simbolos sociais a quem já muito poucos dão importancia.
Vivemos na sociedade do facilitismo, do fast-food, das acções fracturantes (seja lá isso o que fôr), da falta de normas e de regras comportamentáis, cuja (des)implementação, obrigatóriamente obriga que a gravata seja infelizmente tratada como objecto a desnodar e a desaparecer trancada na porta do guarda-fatos.
Mas o hábito - convenhamos - estranho, de usar um pedaço de tecido atado em nó à volta do pescoço, no fundo é, parece-me, uma espécie de profissão de fé de quem, sem ter, como os militares, galões para ostentar, ou como os médicos, estetoscópios displiscentes ao pescoço, pretende transmitir a quem passa um status, uma ordem social, uma determinada responsabilidade de atitudes que já a quase ninguem apetece.
Sobramos nós, monárquicos, conservadores e sportinguistas para, caída sobre a barriguinha saliente, ou escorrida, sem tocar, nos abdominais ginasticados, a usar como simbolos vivos de um presente quase, quase a passar de moda.
E, verdade seja dita, muito os politicos têm contribuido para o mundo fique mais pobre com as gravatas com que os laçam. É que,  por modismo ou falta de gosto (principalmente este), ostentam desde a época Socratina, uma gravatas pirosas, monocromáticas, pífias, sem o garbo dos brasões, sem a elegancias de umas riscas bem combinadas, sem a gentileza de uma bolinhas singelas ...
Abaixo portanto as gravatas dos políticos !

Tenho dito.
Imagem de perfil

De Corta-fitas a 27.06.2012 às 09:39

Terá certamente entendido que o tema é um pretexto, uma metáfora.


Cordeais cumprimentos,  
Sem imagem de perfil

De Pedro de Noronha a 27.06.2012 às 12:35

Entedi sim e assim igualmente tentei escrever.
Provávelmente com pouco sucesso ... :-)

Cordiais cumprimentos

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Renato

    Tem ideia de que, nestas condições, metade do país...

  • Luís

    O problema aqui não são as condições climatéricas ...

  • Anónimo

    É óbvio que os modelos e a computação não permitem...

  • Rui Almeida

    Tem razão a srª jornalista! Em Portugal, como aliá...

  • Renato

    Vamos aqui separar a questão politica, da questão ...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2016
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2015
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2014
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2013
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2012
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2011
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2010
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2009
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2008
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2007
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2006
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D