Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Duplo-pensar (2)

por Tiago Moreira Ramalho, em 31.01.09

Para além de curioso, gosto de distribuir o mal pelas aldeias, por isso, não me fico pelo líder blogosférico dos socialistas, 'atiro-me' também ao líder blogosférico dos social-democratas: José Pacheco Pereira (sem link, para lhe dar um bocadinho do seu veneno).

JPP tem andado numa roda viva a fazer recortes de jornais, tendo uma especial obsessão com o Jornal de Notícias. Pelos vistos, o paladino de Manuela Ferreira Leite que se indignava com o facto de os jornais não mostrarem o melhor lado da sua 'Dama', indigna-se agora por os jornais não falarem mal que chegue de José Sócrates.

Tal como fiz com Vital Moreira, fui aos arquivos de JPP e eis o que encontrei:

 
(13.12.08) COISAS DA SÁBADO: AXIOMA
 

Tudo o que apareça nos jornais sobre Dias Loureiro e os seus negócios cai em cima do Presidente Cavaco Silva, do PSD e só em último lugar de Dias Loureiro. Por esta ordem. Ninguém sabe isso melhor do que o PS e o governo.
 

Pelos vistos, no caso de Dias Loureiro, havia uma cabala para enfraquecer o PSD e o Presidente. No caso de José Sócrates a cabala é amadora e o JN devia de se aplicar mais. Orwell, orwell... o que eu não dava para voltares e veres o que por aqui se passa.

 

Adenda: tal como o Voador disse na caixa de comentários, JPP defendeu a demissão de Dias Loureiro na altura do 'caso BPN' (que ainda não acabou, diga-se). No entanto, e apesar de isto ser verdade, o que eu quis mostrar foi a dualidade de critérios na análise do senhor. Ele que sustenta que a comunicação social faz uma "campanha negra" contra o seu partido, queixa-se agora que a "campanha negra" contra o PS não é suficiente. É a incoerência no seu estado puro. Para além disso, gostaria de deixar aqui escrito que não me posicionei, tal como qualquer leitor atento poderá constatar, em relação a esta questão. Não digo se há ou não campanha negra, simplesmente porque não sei. Não digo se há servilismo ou o que quer que seja por parte de qualquer jornal porque não me interessa. Os jornais ainda são empresas privadas e se o Sol tem o direito de investigar os podres do primeiro-ministro por conta própria, o JN tem o direito de os "esquecer". É para isso que temos diversidade na oferta e é por isso que cada um lê o que quer. Espero que agora não façam as acusações da praxe da "falta de seriedade".

Autoria e outros dados (tags, etc)

Duplo-pensar

por Tiago Moreira Ramalho, em 31.01.09

George Orwell adivinhou, como já li em algum sítio que não me lembro, quase tudo. E no seu 1984 trouxe uma expressão nova, mas plena de significado, ao meu vocabulário: duplo-pensar. O termo significa, em novilíngua, basicamente que as mesmas acções devem ter avaliações diferentes consoante a nossa relação com o agente. É a dualidade de critérios levada ao extremo. Com toda esta história do caso Freeport, algumas individualidades têm-se mostrado belos exemplos do duplo-pensar. Já falei aqui de alguns, mas agora vou falar do chefe supremo dos socialistas na blogosfera: Vital Moreira.

Vital Moreira escreve, e bem, no seu blogue que não cabe aos órgãos de comunicação social investigar e que «quanto aos "factos", a generalidade dos média tem-se limitado a servir de "barriga de aluguer" de alegadas informações selectivamente filtradas por alguém de dentro do processo». Como sou um tipo curioso, fui à pesquisa do Causa Nossa ver se esta postura tão correcta de Vital Moreira tinha sido a mesma há dois meses na altura em que se dizia que Dias Loureiro deveria demitir-se de Conselheiro de Estado. Não me admirei com o resultado da pesquisa.

 

 

Sábado, 6 de Dezembro de 2008

Confiança

 

Face às últimas notícias (e o mais que está para vir...) sobre os esconsos negócios e as equívocas ligações financeiras de Dias Loureiro, o Presidente da República mantém a confiança pessoal e política no seu conselheiro institucional (que tão precipitadamente avalizou em público)?
Para além das amizades e das fidelidades pessoais, há a dignidade das instituições...

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Estava mesmo à espera

por Tiago Moreira Ramalho, em 31.01.09

O ministro da Agricultura tem sido, já há imenso tempo, acusado de ter desperdiçado fundos comunitários. Muitas candidaturas não foram a tempo e muito dinheiro ficou por atribui, mesmo dentro do Ministério. Como os problemas que têm surgido têm eclipsado esta questão, Jaime Silva mexeu-se como bem entendeu. Tal como era de esperar, aliás qual é o propósito sempre?, o ministro veio 'anunciar' que a agricultura vai receber a maior quantidade de dinheiro de sempre. Sou só eu que já estou farto desta politiquice barata de quem se ofereceu para fazer política?

Autoria e outros dados (tags, etc)

«You boys have had your fun»

por João Villalobos, em 30.01.09

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pensamento da noite

por João Villalobos, em 30.01.09

Antes Zézito que Zézinho

Autoria e outros dados (tags, etc)

Excentricidade minha

por Tiago Moreira Ramalho, em 30.01.09

Que se me perdoe a interrupção na emissão FreeportGate, mas aconteceu hoje algo de grande importância que foi "esquecido". Toda a oposição votou contra o "Orçamento Suplementar" e contra as medidas nele previstas, proposto pelo governo. Desde o Paulo Portas ao Jerónimo de Sousa, todos consideram as medidas más ou insuficientes. Isto mostra, de forma evidente, o clima que se vive no Parlamento: o de uma ditadura da maioria. O PS vota favoravelmente qualquer proposta do governo e a discussão séria e aberta sobre as questões fica para os cafés. Não há a percepção que aquilo não é um jogo, mas sim a construção de um país. A teimosia suplanta a busca da verdade e é preferível avançar com algo mau a discutir para chegar a uma coisa melhor. As maiorias absolutas apodrecem o sistema.

Autoria e outros dados (tags, etc)

RAP e o caso 'Freepor'

por Tiago Moreira Ramalho, em 30.01.09

Na sua crónica da Visão desta semana, Ricardo Araújo Pereira deixa-nos três pontos menosprezados em todo o caso Freeport.

 

1. "Analistas atrás de analistas têm vindo a ignorar o facto central de todo este processo: Sócrates diz Freepor. Este é o primeiro ponto essencial que ninguém referiu. Toda a gente diz Freeport, menos José Sócrates, que diz Freepor."

2. "A quem interessa um outlet com lojas de roupa de marca mais barata perto de Lisboa? Ao sexto homem mais elegante do mundo, certamente. O Freeport permite-lhe manter a mesma elegância, mas a preços mais baixos."

3. "Ao que parece, o juiz desconfiou do modo como o projecto foi licenciado. De acordo com a descrição do magistrado, tudo se passou de forma impecável, célere e competente. Estava à vista de todos que alguma coisa estava mal."

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

O que seria deste país sem tios?

por Nilton, em 30.01.09

Não sei se por culpa do distanciamento criado pelo Salazarismo ou por simples burrice, mas o Português tem alguma dificuldade em perceber que o Estado é uma empresa em que os accionistas somos todos nós.
No pós 25 de Abril acrescem ainda mais dois péssimos hábitos, o de achar que o Estado tem dinheiro para pagar tudo e o de se impacientar com a burocracia, fazendo de tudo para arrepiar caminho em qualquer coisa que envolvesse decisões públicas.

Começa assim a terrível mania das cunhas. Quem tenha um tio, primo, amigo ou conhecido que por sua vez é primo não sei de quem é favorecido em concursos, nomeações, adjudicações e demais despachos. Durante anos, a maioria dos empregos no estado eram decididos consoante o grau de parentesco entre o candidato e o decisor. Um tio bem colocado valia entrada directa para a tap, cp, rtp ou qualquer outra grande empresa Estatal. Uma boa cunha safava mancebos da tropa, da mesma forma que o número certo de notas permitia (o tempo verbal não invalida que não permita nos dias de hoje), qualquer construção mesmo que em cima da praia e a destruir a orla marítima. E vamos parar de falar do Algarve.

Que atire a primeira pedra quem não conhece alguém que foi nomeado através de uma cunha ou quem nunca pensou “arranjo mas é um tacho no Estado e não tenho de me chatear mais”.

O lado perverso disto é que se instaurou na sociedade a ideia de que é uma coisa boa  ter um emprego no Estado. Acto contínuo baixa-se o grau de exigência, perde-se a iniciativa privada e abre-se caminho aos patos bravos sedentos de tirar proveito da situação.

Se alguém pode ser gnr com a quarta classe por que razão irá estudar ou abrir uma empresa? A corrupção começa quando esse mesmo gnr (é apenas um exemplo, serve qualquer outra profissão onde se ganhe uns míseros 500€), começa a fazer contas e a ver que somente com o ordenado jamais conseguirá comprar uma jante do Ferrari que o seu jogador da bola preferido estampou numa manhã de nevoeiro.

Em que falhámos nós como povo para que em apenas trinta e poucos anos de democracia tenhamos conseguido fazer com que os Pais das crianças que nascem hoje já não queiram que os filhos sejam médicos ou empresários inovadores, mas jogadores da bola?

O efeito de toda a corrupção e más governações de que temos sido vítimas é ainda mais perverso. Parte-se do princípio de que se nos estão a assaltar a casa, corremos atrás dos ladrões, mas desenvolveu-se na cabeça do Português a ideia de que não liga à politica porque eles são todos iguais. Um grunho que diz isto devia ser automaticamente expulso do país, mas a verdade é que daí ao abstencionismo passa uma linha demasiado ténue.

Aproveitando este desprendimento os decisores fazem lei o facto de que se forem sacados milhões em instituições públicas não é roubo, mas sim gestão danosa. E curiosamente neste país gestão danosa não faz ninguém ir para a cadeia.
Vemo-nos assim num beco sem saída, a maioria dos políticos está no poder apenas para se servir a si ou para favorecer grandes grupos económicos que findo o mandato irão retribuir com um cargo altamente remunerado (como disse Almeida Santos “em Portugal o importante não é ser Ministro, mas ter sido”). Os outros, intercalam na dança das cadeiras entre o Governo, Parlamento Europeu e Empresas Públicas. O certo é que dá para todos, governo e oposição e raramente alguém fica de fora.

As politicas são as mesmas e os cidadãos não percebem que está nas suas mãos mudar tudo isto.

Os tios, primos e conhecidos são o cancro do burgo. Solução? Faça-se reset ao país porque nem todos temos tios.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sexta-feira no sofá (2)

por João Villalobos, em 30.01.09

Click the image to open in full size.

 

Gemma Atkinson

Autoria e outros dados (tags, etc)

Grandes títulos

por Tiago Moreira Ramalho, em 30.01.09

Ex-director da Judiciária demitido por este Governo diz ter dado prioridade à investigação do caso Freeport

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

É hoje

por Tiago Moreira Ramalho, em 30.01.09

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pensamento do Dia

por Joao Tordo, em 30.01.09

Andar na crista da onda é um gajo demitir-se antes de ser demitido.

Autoria e outros dados (tags, etc)

O que (realmente) interessa às pessoas

por Filipa Martins, em 30.01.09

 

Ouvido, ontem, no Chafariz do Vinho (que recomendo):
 
 
- Já percebeste o Freeport? O Sócrates ia falar hoje…
- Mais ou menos… Mas a Toshiba vai despedir 4500 pessoas.
- E a Qimonda?
- Mas isso o Governo está a negociar…
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

A ler

por Francisco Almeida Leite, em 30.01.09

"O alvoroço que por aí levantou o 'caso Freeport' não é inócuo. As coisas passaram o limite do que pode ser esquecido e arrumado" - Vasco Pulido Valente, Público.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Leituras

por Tiago Moreira Ramalho, em 30.01.09
«Sócrates disse ontem ao PSD, na Assembleia da República, a propósito do célebre relatório da DCOE (chamemos-lhe assim): "Os senhores não suportam o sucesso do país."
Há alguma coisa que vai mal com Sócrates, para lhe sair uma destas. Dá a sensação que se está nas tintas para o país.»

 

Paulo Tunhas, no Cachimbo de Magritte

 

 

«Eu sei que a frase já não causa grande efeito, mas vou tentar outra vez: o Primeiro-Ministro usou o dinheiro dos nossos impostos para nos mentir.
Sou suspeito, também sei: tenho a vaga mania de não gostar de impostos. Mas acreditem que pago os meus e, portanto, tenho igualmente o direito de não gostar que o Estado os use para me aldrabar. OK, é outra mania, esta de não gostar de ser aldrabado.»
 

Pedro Picoito, também no Cachimbo de Magritte

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Graças do twitter (8)

por João Villalobos, em 29.01.09

A última vez que fiquei tt tempo a olhar pa uma porta eram 5 e meia da manhã e eu não conseguia lembrar-me do que era uma chave SergioBastos

Autoria e outros dados (tags, etc)

O futuro da informação, (pre)visto em 1981

por João Villalobos, em 29.01.09

Autoria e outros dados (tags, etc)

E depois do adeus

por João Villalobos, em 29.01.09

Escreve o Rodrigo: «Ou Sócrates demite-se, e antecipa as eleições, ou Sócrates não se demite e arrisca-se a perder as eleições». Pois sim. Mas se as eleições forem antecipadas e Sócrates pedir um voto de confiança recandidatando-se, alguém lho dará? Ou perde igualmente as eleições?

Ainda vamos ter um Governo de salvação nacional, é o que vos digo. E o FMI outra vez para financiar a nacionalização da Banca. Como escreve o nosso FAL aqui em baixo, o PREC está de volta. 

A ler também o João Távora, «A crise da crise da crise». 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sinais dos tempos

por Francisco Almeida Leite, em 29.01.09

Não pude deixar de ouvir a conversa na mesa ao lado da minha no restaurante onde almocei hoje - a esplanada (coberta) do Museu da Fundação Medeiros de Almeida.

 

Diz um avô, senhor de oitenta e tal anos, muito bem vestido, para o neto, nos seus trintas: 

- "Parece que voltámos ao PREC".

Resposta do neto:

- "O quê, avô?"

O senhor mais velho:

- "É melhor nem falarmos nisso, não quero lembrar o Vasco Gonçalves"...

Autoria e outros dados (tags, etc)

É já Amanhã... Dia da Saudade

por Maria Inês de Almeida, em 29.01.09

 

 

 Há quem diga que: " A saudade não tem graça nenhuma sem os devidos reencontros..."  

 
  

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


Pág. 1/14



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Josephvss

    Faz me Lembrar O Papa Bergolio & a FSSPXPS: So...

  • Fernando S

    Muito bem visto, ehehehe !!...A educação, os estud...

  • A mim não me engodas...

    Finalmente, os defeitos que atribui aos monárquico...

  • Renato

    JS, mas onde é que vai buscar essas frases? Note q...

  • Fernando S

    O governo Passos Coelho governou um pais na bancar...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2016
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2015
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2014
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2013
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2012
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2011
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2010
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2009
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2008
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2007
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2006
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D

    subscrever feeds