Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Um país adiado (parte II)

por Pedro Correia, em 31.07.08

Tanta expectativa afinal para isto. Foi preciso esperar pelas oito da noite para quê?

Autoria e outros dados (tags, etc)

Blog da semana

por Luís Naves, em 31.07.08

É difícil escolher um blog da semana. Há muita qualidade na blogosfera e tenho um grave problema com decisões.

Gosto de blogs individuais e aqui segue uma escolha clássica, a Senhora Sócrates. Tem posts curtos onde a autora, Adriana Freire Nogueira, escreve sobre pequenas coisas, com surpreendente cultura.

É difícil obter um equilíbrio entre o moderno e o antigo. Mais difícil ainda escrever sobre clássicos (que lemos tão pouco) sem se ser aborrecido ou parecer diletante.

Adriana criou um blog com sentido de humor, sabedoria e muita simplicidade. Um blog onde se pensa.

Esta é uma visita que vale a pena.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Mãos largas

por Francisco Almeida Leite, em 31.07.08

Enquanto o Presidente da República fala e não fala - à hora que escrevo já falta menos de uma hora - gostava de perguntar aqui se alguém sabe a razão que levou Manuel Pinho, o nosso desastrado ministro da Economia, a dar duas entrevistas para serem publicadas no mesmo dia e em revistas concorrentes? Confesso que só li a da Visão, onde o ministro revela, em primeiríssima mão, que "o Governo vai oferecer 4,5 milhões de lâmpadas". O quê? Depois dos computadores a preço de amigo para os estudantes, depois do Magalhães e dos grandes negócios com a Líbia, a Venezuela e Angola, agora vamos ter lâmpadas à borla? E ninguém se espanta? O major Valentim Loureiro, coitado, foi acusado de populismo por oferecer electrodomésticos nas autárquicas de Gondomar, mas Sócrates desata a oferecer bens de consumo doméstico privado em período pré-eleitoral e fica tudo mudo e quedo? Isto começa a não ser normal.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Embirrações 3

por Teresa Ribeiro, em 31.07.08

Detesto objectos com vontade própria. É contra-natura. Os objectos têm como característica essencial a inanidade. É essa condição que os torna facilmente manipuláveis e constantes. Um objecto digno desse nome dá-me segurança e conforto, pode mesmo tornar-se uma referência na minha vida (acontece tanto com certas peças de mobília) ou até numa dependência, como as minhas almofadas, tão queridas, sempre prontas a amaciar-me quando ao fim do dia me encosto a elas, cheia de contracturas musculares.
Os livros, apesar de saberem mais do que eu, nunca me fazem sentir diminuída. Passam-me todos os seus conhecimentos sem hesitações com uma generosidade enternecedora. E até da televisão nada tenho a dizer. A caixa que mudou o mundo é, se formos a ver, uma simplória que obedece a um simples toque de comando.
Gosto de olhar à volta e de me sentir senhora da situação. De os ter à minha disposição vulneráveis e submissos, de os tiranizar, se me apetecer. Os objectos nasceram para isto. Estão na base da nossa “cadeia alimentar”. É por isso que odeio aquele idiota, que se nega quando mais preciso dele, que me questiona, exige conhecimentos e até – onde já se viu?! – me dá ordens! Tem a mania que é gente: bloqueia, tem quebras de tensão e apanha vírus. Qualquer dia ainda descubro que sofre de asma. O meu amigo, especialista em informática, diz que ele tem tudo para me fazer feliz. Não concordo. Ao meu computador falta aquilo que mais aprecio num objecto: humildade.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Vítor Dias, Tempo das Cerejas (aplausos e assobios)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Um país adiado

por Pedro Correia, em 31.07.08

O Presidente da República manda anunciar, por interposto jornal, que falará às oito da noite. Compreende-se: é a essa hora que o país político começa a funcionar, de olhos postos nos telediários. É um retrato perfeito do atraso português. Até lá, ficamos todos em suspense. Até lá, não sucede nada. Até lá, adiamos - matéria em que nos tornámos especialistas.

Somos da Europa só no mapa. Em tudo o resto, estamos ainda muito longe de lá chegar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Palavras que odeio (169)

por Pedro Correia, em 31.07.08

Ajaezado

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Já agora

por João Villalobos, em 31.07.08

Queria recordar a quem comenta a notícia no site do Público que, uma hora depois da comunicação ao País na televisão, Cavaco vai discursar perante uma plateia de talentos nacionais espalhados pelo mundo (rede à qual aliás pertenço e por isso lá estarei também com mais 700) no Campo Pequeno. Não é crível que, sem ter retirado da sua agenda este último discurso, o PR vá minutos antes anunciar algo de bombástico, muito menos que está doente, que vai retirar-se ou outros cenários apocalípticos sugeridos pela rapaziada. Tenham juízo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

A não perder

por João Villalobos, em 31.07.08

O dia em que os jornalistas da Sábado tentaram ir aos Jogos Olímpicos. (Os resultados são publicados na edição de hoje da revista)

Autoria e outros dados (tags, etc)

O coice do dia

por João Villalobos, em 31.07.08

«Maioria socialista já legislou tudo e o seu contrário». Título do DN para notícia de João Pedro Henriques sobre a discriminação de pessoas com deficiência no acesso a seguros de vida.

Autoria e outros dados (tags, etc)

O suspense de Cavaco

por João Villalobos, em 31.07.08

Vamos ficar em suspenso até às oito da noite? Eu aposto, dobrado contra singelo, em como o discurso vai ser a resposta do PR à descrença histórica dos portugueses na melhoria das suas condições de vida, revelada pelo INE ontem mesmo. Confirmando o que diz o assessor da Presidência não identificado (leia-se muito provavelmente Fernando Lima), essa seria no meu entender a única «razão verdadeiramente importante».

No entanto, há um outro assunto na agenda que quanto a mim justificaria inclusão no discurso do presidente: A pressão dos grupos de interesses no dossier do nuclear está a aumentar a uma velocidade inaudita. Cavaco bem podia explicar melhor onde se situa entre aquilo que uns chamam «debate» e outros, melhor informados, a preparação do caminho para que o Sr. Patrick Monteiro de Barros veja finalmente atendidos os seus interesses. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Revolta urbana 1

por Cristina Ferreira de Almeida, em 30.07.08

Quando o Bairro Alto Hotel começou a ser recuperado havia duas faixas de rodagem à volta do largo de Camões, e os tapumes da obra ocuparam uma. Inaugurado o hotel, nota-se, frente à fachada, uma discreta elevação de milímetros no chão, preenchida com umas pedras pretas - semelhantes ao resto do pavimento mas muito certinhas e com um ângulo um nadinha diferente. Parece normal. Começa-se a circular por lá e aquela faixa está sempre ocupada com taxis e carros a recolherem e largarem clientes. É maçador, mas acontece. Passa-se lá agora e alguns reluzentes veículos estão mesmo estacionados ali. Pensa-se "fixe, afinal pode-se estacionar aqui" mas, iniciadas as manobras, o porteiro do hotel aparece a dizer que não, que não se pode. Os polícias assobiam para o ar. Mais uns dias e vai surgir uma placa discreta a indicar que a rua do largo de Camões é parque do hotel. Escrevam o que vos digo. Aliás, não é preciso, que eu já escrevi.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Uma boa notícia, para variar

por Duarte Calvão, em 30.07.08

Em sessão de Câmara, com os votos dos vereadores de toda a oposição e de José Sá Fernandes, foi hoje rejeitado o projecto que previa a construção de um edifício que simplesmente, como referiu Ruben Carvalho, destruiria o Largo do Rato como o conhecemos. Margarida Saavedra reconheceu o erro do seu partido, o PSD, na aprovação do projecto de arquitectura ao tempo em que Santana Lopes era presidente da CML e Eduarda Napoleão vereadora do Urbanismo. Será que, finalmente, as forças partidárias vão estabelecer consensos para salvar o que ainda pode ser salvo em Lisboa e evitar, conforme disse Gonçalo Ribeiro Telles noutros tempos, que a cidade se transforme numa "Dallas parola"?

Autoria e outros dados (tags, etc)

O primeiro beijo

por João Villalobos, em 30.07.08

Esta notícia de hoje explica o porquê de, no meu modesto entender, ser necessário que o PSD comunique já a partir da rentrée pelo menos as linhas estratégicas do que é o seu programa no campo económico. «As famílias portuguesas continuam a não ver luz ao fundo do túnel para o fim da crise económica no País. E, simultaneamente, não perspectivam melhorias para a sua situação financeira – outra componente do índice que, neste mês, voltou a renovar um mínimo histórico», escreve a Eva Gaspar. Pois.

Pacheco Pereira bem pode ter razão quando confia no descalabro económico como o principal factor para uma eventual bandeira vermelha do eleitorado ao PS. Mas, para isso, é necessário que os eleitores tenham uma alternativa com a qual se sintam seguros. Para já, vêem de um lado alguém «que vai fazendo» e do outro alguém que diz ser capaz de melhor mas não revela como. Ora recuperar a confiança do eleitorado num sprint final, como parece ser a estratégia de Manuela Ferreira Leite e da sua equipa, é uma aposta com um risco imenso. MFL não pode querer partir para o casamento sem a fase do namoro. Principalmente quando, até agora, não existiu sequer o primeiro beijo. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Saiu-lhe do corpo

por João Villalobos, em 30.07.08

Acontece raramente mas quando acontece é do caraças. Vamos a passar, entramos,  e deparamo-nos com a oferta sacrificial de alguém que nos oferece as entranhas, arrancadas sem anestesia e sem que saibamos porquê ou para quê. Como aqui.

Autoria e outros dados (tags, etc)

O coice do dia

por João Villalobos, em 30.07.08

«O fundamentalismo anti-Porto (incluindo a soberba de Lisboa rotular o Porto com o mesmo complexo de inferioridade que sente face a Madrid) é tão cego como o pró-Porto».

Pedro Santos Guerreiro, no Jornal de Negócios.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Cambada de pata-tenras

por João Villalobos, em 30.07.08

A Ana Cláudia que me perdoe mas, todos os anos sem excepção, há um conjunto de totós do Corpo Nacional de Escutas que se perde acoli para ser «resgatado» acolá. Por esta altura de férias, lá vão eles de mochila manhosa às costas arrumada às três pancadas, sem outra farda para além do lenço ao pescoço, acampar sem a mínima noção do que é um azimute, onde fica a Ursa Menor ou como orientar-se pelo relógio (sim, é possível e até bastante fácil). Na gíria escotista criada por Baden Powell, chama-se aos neófitos como o retratado na ilustração os pata-tenras. Que, desta vez, cinco deles sejam adultos, já nem me espanta.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Emoções básicas (4)

por Luís Naves, em 30.07.08

 

Por razões técnicas, só agora posso responder ao post de Henrique Raposo, em Atlântico. Esta nossa conversa surgiu por causa de um texto sobre corrupção, onde o Henrique fazia uma ligação entre o sistema político e esse fenómeno. No post de ontem, ele explica ainda melhor o seu pensamento.

Não discordo do que escreve Henrique Raposo sobre as limitações da democracia e a excessiva ligação entre partidos e instituições do Estado. A prática tem numerosos inconvenientes. As formações políticas são também centros de emprego, onde singram numerosos medíocres. Muitas instituições do Estado estão povoadas de belas carreiras políticas, com arrivistas, incompetentes e também corruptos. Mas há os outros: os capazes e honestos.

Ao contrário do Henrique, penso que Portugal não é muito diferente dos restantes países, no que respeita à ligação entre sistema político e partidos. As instituições do Estado, a imprensa, os bancos privados têm militantes partidários, cujas carreiras são facilitadas. A história repete-se na Suécia, no Reino Unido, em França ou na Polónia. Em alguns países, as instituições são fortes e mostram independência em relação aos poderes partidários; há outros onde a autonomia não é tão nítida. Mas tudo isto acontece em sistemas muito parecidos com o nosso, com leis idênticas.

Em resumo, se a corrupção portuguesa é mais elevada do que a média das democracias parlamentares (não digo que o seja, mas penso que o Henrique acredita nisso), então teremos de encontrar outras razões, para além da falta de leis ou fiscalização.

A ocasião faz o ladrão e a oportunidade tem certamente um papel. A ausência de receio de ser punido terá de ser factor importante.

Mas a corrupção nacional tem raiz na forma como alguns pecados são aceites. Tantas vezes fechamos os olhos a pequenos delitos e desculpamos faltas de civismo ou abusos, para não arranjarmos chatices ou porque não compensa a queixa. Em Portugal, a denúncia não é bem vista. E não falo de coisas graves, mas das pequeninas. Um delator escandaliza muito mais do que um chico-esperto.

Isto, claro, não faz o sistema político-partidário. É apenas um caldo cultural onde também os partidos têm de viver.

 

Ilustração: pintura de James Ensor (1860-1949)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

O que os jornais não escrevem

por Pedro Correia, em 30.07.08

 

"Não faço ideia se a cobertura dos acontecimentos da Quinta da Fonte, particularmente o atraso do Público na cobertura dos acontecimentos, será mais tarde objecto de estudo. Mas deveria sê-lo. Tal como o deveria ser tudo o que não escrevemos sobre a partida dos portugueses de África.

Entre Agosto de 1974 e o início de 1975 os portugueses em fuga de África mal se vêem nas páginas dos jornais. É claro que se fala deles mas com o incómodo e os rodeios de quem tem de dar uma má notícia no meio duma festa. Esta é a fase em que os fugitivos são necessariamente brancos pois assim facilmente se integram no estereótipo que deles traçam homens como Rosa Coutinho que os classifica como “elementos menos evoluídos que têm medo de perder as suas regalias” ou Vítor Crespo que os define como “pessoas racistas que não abdicam dos seus privilégios”.
Os jornalistas portugueses usam então tranquilamente expressões como “brancos ressentidos”, “brancos em pânico” ou pessoas que “reivindicam um desejo de viver num mundo que já acabou” para referir a maior fuga de portugueses nos seus muitos séculos de História."
 
Excertos de um excelente texto de Helena Matos no Público. Leiam-no aqui todo, que vale a pena.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Não está fácil

por Pedro Correia, em 30.07.08

Novidades do Blogómetro: o Abrupto caiu para 12º lugar. Logo abaixo do Não Está Fácil.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:


Pág. 1/16



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Vasco Lobo Xavier

    Agradeço por corroborar o meu ponto. Ainda não aca...

  • Vasco Lobo Xavier

    Informe-se primeiro sobre a realidade que discute....

  • Vasco Lobo Xavier

    Este anónimo deve ser funcionário público, com ord...

  • Anónimo

    (1) 27 mil euros por ano é de facto uma fortuna, p...

  • Anónimo

    Eu acho que o país devia mobilizar-se em protesto ...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2016
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2015
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2014
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2013
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2012
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2011
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2010
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2009
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2008
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2007
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2006
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D

    subscrever feeds