Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Robert Kagan em Lisboa

por Corta-fitas, em 27.10.06
Há dois dias voltámos a ouvir defender a tese de que no mundo se trava fundamentalmente uma batalha entre liberalismo e despotismo. O norte-americano Robert Kagan esteve em Lisboa para proferir uma conferência em torno do tema "O Fim da História" defendendo que o liberalismo não triunfou no nosso tempo, por isso "temos de nos armar belicamente e diplomaticamente e precisamos de estadistas dos dois lados do Atlântico". A advertência, que visa os europeus, vem confirmar o pensamento que tem vindo a desenvolver de que o liberalismo ocidental, com todos os seus valores, está em perigo. "Ao contrário do que se pensava em 1990, sabemos hoje que a Rússia e a China não seguiram o caminho do liberalismo político, mas os seus próprios modelos. O liberalismo ocidental não foi quem necessariamente triunfou no nosso tempo" (o optimismo de Fukuyama deu lugar ao pessimismo de Huntington). Segundo Kagan, é na necessidade bélica (ou na guerra como necessidade) que "reside a mais importante diferença filosófica entre europeus e norte-americanos". E não é por um conjunto de ideólogos liberais-conservadores estarem na retaguarda das decisões militares da actual administração norte-americana. É uma diferença que "não se elimina consoante os protagonistas de um ou do outro lado do Atlântico, não depende de quem é o Presidente dos Estados Unidos ou da França. Existirá com quem quer que seja o sucessor de George W. Bush, porque os Estados Unidos têm uma sensibilidade distinta dos europeus em relação ao uso da força". Ora, se há assim uma diferença tão grande, continuamos sem saber onde estará o entendimento. Já agora, é curioso que esta tese tenha sido sublinhada na conferência "Que Valores para Este Tempo" que decorreu desde quarta-feira até hoje na Gulbenkian.

Autoria e outros dados (tags, etc)



6 comentários

Sem imagem de perfil

De Pedro Correia a 27.10.2006 às 23:08

Faço minhas as palavras do FAL.
Sem imagem de perfil

De G.W.F. Hegel a 27.10.2006 às 21:38

O Chirac bem tentou avisar o Bush de que este iria afundar-se no Iraque, o que veio a acontecer. Também o informou que, ao contrário do Dr. Durão Barroso e daquele senhor que governava em Madrid e que saiu da História, não acreditava na patranhice das armas de destruição massiva do Saddam Hussein. O senhor Kagan e tantos outros sabem que essa coisa do fim da História é também uma treta.
Sem imagem de perfil

De FAL a 27.10.2006 às 17:50

Muito bem, grande regresso!
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 27.10.2006 às 17:23

Já o Clinton abusava do uso da força com as estagiárias.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 27.10.2006 às 17:20

Parece-me modestamente que os europeus se deixam placidamente estar nas tintas justamente porque lá no íntimo sabem que os americas não se deixam ficar na mesma placidez. Mesmo que venham berrar contra eles.
Sem imagem de perfil

De Antônio Carlos da Paz Santana a 19.03.2010 às 16:08

Não estou convencido de que essa oposição geopolítica entre os dois lados do Atlântico, possa representar a volta a uma ordem beligerante generalizada.
Entendo que nem Fukuyama nem Huntington estejam com a razão e, por conseguinte, o Kagan.
Acho que a ordem mundial caminha para um processo em que todas as forças são de certo modo opostas e ao mesmo tempo, quando há interesses, complementares.
Não há dúvida de que essa ordem está mais submetida aos interesses econômicos e comerciais que propriamente geopolítico clássico.

Comentar post



Corta-fitas

Inaugurações, implosões, panegíricos e vitupérios.

Contacte-nos: bloguecortafitas(arroba)gmail.com




Notícias

A Batalha
D. Notícias
D. Económico
Expresso
iOnline
J. Negócios
TVI24
JornalEconómico
Global
Público
SIC-Notícias
TSF
Observador

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Morreram incineradas 47 pessoas numa estrada reple...

  • Vasco Mina

    Amigo João,obviamente não é o ponto relevante. A r...

  • Carneiro

    Convida-se "este" à demissão porque é o candidato ...

  • Renato

    O provedor?... Eu não chego a perceber  se os...

  • xico

    Se o provedor da santa casa deve demitir-se p...


Links

Muito nossos

  •  
  •  
  • Outros blogs

  •  
  • Links úteis


    Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2016
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2015
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2014
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2013
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2012
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2011
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2010
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2009
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2008
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2007
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2006
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D